rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Opinião: reivindicação permanente de igualdade faz parte do DNA dos franceses

Por Alfredo Valladão

O quebra-quebra foi impressionante. Paris depredado, com cenas insurrecionais, por extremistas violentos infiltrados numa manifestação do movimento dos “coletes amarelos” contra os impostos e a queda do poder aquisitivo. No resto da França, milhares de pessoas bloquearam estradas, prefeituras e supermercados. E a tensão política tornou-se insuportável. Ninguém consegue enxergar uma saída.

Os “coletes amarelos” se mobilizam graças às redes sociais, de maneira espontânea, sem organização e sem lideranças. As reivindicações crescem a cada hora. Hoje, não é mais a rejeição do novo imposto sobre o óleo diesel para financiar a transição ecológica. São mais de duzentas novas demandas sobre o nível de vida que não dá para viver, as desigualdade sociais, a utilização do dinheiro dos contribuintes, a qualidade e presença dos serviços públicos e até arroubos de mudar o sistema político institucional do país. Tudo isso num ambiente contraditório: menos impostos e mais despesas do Estado, mais força na luta contra o aquecimento climático, mas sem sacrifícios – sobretudo para os mais pobres. “Vocês falam em fim do mundo”, gritam os manifestantes, “nós estamos preocupados com o fim do mês”.

Na verdade, os “coletes amarelos” são somente a versão francesa dos desafios que todos os dirigentes e países do planeta têm que enfrentar: como se adaptar à transição ecológica, mas também ao novo e avassalador modelo produtivo e social que vem junto com as tecnologias digitais. Como sobreviver num mundo globalizado, onde o Estado nacional não tem mais condições de resolver por si só os problemas da cidadania. E onde o território nacional se desagrega em metrópoles ricas e avançadas, deixando para trás as regiões rurais e periurbanas pobres e atrasadas.

Como manter uma democracia representativa quando redes de comunicação instantâneas e interativas exaltam a expressão direta de qualquer indivíduo e de qualquer ideia, minando o papel dos corpos intermediários representativos (partidos, sindicatos, parlamentos, governos) e a própria noção de “verdade”. Tudo vira “fake news” – até os resultados científicos mais sérios – e qualquer representante eleito é imediatamente contestado.

Nesse ambiente de desilusão e desconfiança generalizada contra todo tipo de autoridade, está cada vez mais difícil governar. E é inevitável que, no curto prazo, todas as tensões acabem se concentrando na credibilidade e aceitação do orçamento público. Quem paga e quem financia o Estado? Quem sai ganhando com a despesa pública?

Dialogar com quem?

Mas França é França. O estouro da boiada social e a reivindicação permanente de igualdade, nem que seja a custa de tudo mais, faz parte do DNA da população desde a revolução francesa em 1789. E os franceses também adoram discutir grandes ideias e grandes sistemas políticos, sobretudo quando tudo parece estar desabando. Por enquanto o governo do presidente Macron não sabe como sair do buraco: todo mundo está de acordo de que só um diálogo amplo com a população pode resolver o problema.

Mas dialogar com quem? Por enquanto, os “coletes amarelos” não confiam nos seus poucos autoproclamados representantes. E os corpos intermediários tradicionais – da direita ou da esquerda – estão todos desacreditados aos olhos da população. Esta por sua vez, vem estabelecendo, espontaneamente, listas de demandas cada dia mais pletóricas e contraditórias, mas sem poder  transformá-las em programa político ou econômico.

Debate geral é o que a França oferece de melhor

O movimento, organizado de maneira puramente horizontal, não tem condições de decidir uma estratégia ou objetivos factíveis. O governo Macron, legitimamente eleito há pouco tempo, tem um poder de decisão vertical. Mas não quer dizer que possa impor a sua vontade a essa imensa massa de cidadãos desorganizados, mas militantes.

Enquanto isso, a boa notícia é que tudo o que a França tem de intelectuais, políticos ou simples cidadãos, passa o dia inteiro nas rádios, televisões, jornais e redes sociais debatendo o que fazer para inventar uma nação capaz de sobreviver, com liberdade e justiça, aos desafios do novo mundo que vem se impondo ao planeta inteiro. Esse debate geral foi o que França sempre ofereceu de melhor.

Alfredo Valladão, do Instituto de Estudos Políticos de Paris, faz uma crônica sobre geopolítica às segundas-feiras para a RFI

Opinião: Crise dos coletes amarelos pode paralisar a França por muito tempo

Movimento francês dos coletes amarelos revela onda de rejeição inédita no país

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade

América do Sul enfrenta desafio das migrações em massa, pela primeira vez em sua história

Só renovação salva empresas que atingiram “limite de crescimento”

Clima de guerra comercial prejudica países emergentes e em desenvolvimento

No jantar de Putin e Trump em Helsinque quem está no cardápio é a Europa