rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Por Márcia Bechara

Os “coletes amarelos” começaram bloqueando rodovias importantes na França, antes de chegarem aos protestos violentos vistos em várias cidades, incluindo a capital. O fechamento de áreas de transporte público, acompanhado de enfrentamento direto da polícia, deve se tornar regra entre os manifestantes franceses, de acordo com análise do economista Thomas Coutrot, entrevistado pela RFI.

Chefe do departamento de Estatística do Ministério do Trabalho na França, Thomas Coutrot é conhecido também por ser um dos fundadores da famosa associação militante cidadã Attac France. Ele afirma que antigas formas de protesto não têm mais efeito e deixaram de se impor como “ferramenta de negociação com o capital”.

Coutrot lembra que é a primeira vez que a França assiste a uma mobilização nacional que trabalha essencialmente com a questão dos “bloqueios”. “Eles barram o acesso às cidades, aos pontos de gasolina, supermercados, lojas, estradas. Ataca-se a mobilidade. Interrompem-se os fluxos de carros, ônibus e caminhões, a principal forma de circulação de mercadorias na Europa. É interessante, porque os ‘coletes amarelos’ não bloqueiam a produção [como as greves], eles bloqueiam a circulação. Mas os efeitos são similares: uma paralisia da economia”, destaca.

“Tornou-se muito difícil bloquear a economia através dos movimentos grevistas, como foi feito em Maio de 68, ou em 1995 e 2003. Agora está muito difícil para os trabalhadores fazerem greve, com a precarização do trabalho, pelo medo de perder o emprego, acho que isso explica a forma que tomou esse movimento”, explica.

Organização online

Para o economista, outro ponto de evolução é “auto-organização dos protestos”, em grande medida independentes das mobilizações sociais tradicionais. “Eles não se sentem considerados e lançam movimentos auto-organizados, espontâneos, partindo da base, sem nenhum tipo de organização prévia”, analisa. Neste contexto, as redes sociais se tornam a ferramenta de convocação primária deste tipo de mobilização social.

Os “coletes amarelos” devem produzir consequências profundas no cenário político francês, mesmo que não seja a curto prazo, de acordo com Coutrot. “Macron é muito rígido na concepção que tem do poder. Em sua ignorância sobre os anseios da população. O movimento deve conseguir paralisar o governo nas próximas reformas. A lição que os franceses aprenderam com os ‘coletes amarelos’ é que a única maneira de bloquear as ações deste governo é ‘tacar fogo’ na rua, fazer barricadas.”

“Favela é o maior resumo do Brasil”, afirma ativista do Complexo do Alemão

“Caso Coaf prova que Bolsonaro nunca foi ‘outsider’”, afirma Manuela D’Ávila em Roma

“PT não promoveu alfabetização política no Brasil”, diz Frei Betto

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna