rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Livreiro espalha ursos de pelúcia em bairro de Paris e cria laços entre vizinhos

Por Adriana Moysés

Enquanto os bairros nobres de Paris atravessam um momento de alta tensão, com os protestos dos "coletes amarelos", marcados por atos de violência, um cantinho da capital francesa preserva o espírito das festas de fim de ano. É o bairro de Gobelins, situado entre o 5° e o 13° distritos de Paris, onde um dono de livraria teve a brilhante ideia de criar um momento de magia com os vizinhos comerciantes, oferecendo a eles ursos de pelúcia gigantes para a decoração de Natal.

"Nossos ursos felizes", exclama a revista semanal do jornal Aujourd-hui en France, contando a iniciativa delirante do livreiro Philippe. O francês teve essa ideia logo que os dias do outono começaram a ficar mais frios e acinzentados.

Ele conta que não queria ver os vizinhos fazendo cara feia por causa do mau tempo. Como ele mesmo tem um urso de pelúcia em casa, companheiro para bons e maus momentos, Philippe pensou que as pelúcias gigantes poderiam levar uma dose de doçura e humor aos frequentadores do café do bairro, ao açougueiro, ao dono da padaria e outros lojistas da vizinhança.

No início, o livreiro teve dificuldade para convencer os comerciantes que não estava por trás de nenhuma operação de marketing ou de comunicação ambiental em defesa da espécie. Seu único objetivo era animar o bairro.

Philippe foi comprando os bichos de pelúcia pela internet e espalhou 40 ursos nas portas das lojas e terraços de café da avenida Gobelins. O objetivo era claro: criar um momento de magia, captando a atenção dos pedestres, que muitas vezes andam apressados pelas calçadas sem enxergar o que existe ao redor.

Faz de conta agrada vizinhança

Os lojistas do bairro acabaram gostando da brincadeira e criaram histórias em torno do aparecimento de seus respectivos ursos. Cada pelúcia recebeu um nome e tem uma lenda para contar. Em cada estabelecimento, seja no salão de beleza, na ótica ou no hotel do bairro, todos estão envolvidos no faz de conta.

Os nomes também são engraçados: o urso da loja de vinhos se chama Merlot; os dois ursos gigantes da delegacia, Starsky e Hutch. Na livraria, Aristóteles consulta os últimos lançamentos na vitrine. Alguns moradores do bairro, preocupados com a saúde dos ursos, colocam xales e cachecóis nas pelúcias da farmácia.

Crianças e adultos passeiam pelo bairro tirando fotografias das vitrines, saboreando o momento de magia criado por Philippe. Os ursos medem de 1,34 a 2,10m, são macios e sorridentes. Gostam de abraços e estão cheios de amor para dar. As pelúcias não estão à venda, mas podem ser emprestadas por 48h mediante uma solicitação na página Facebook da livraria.

O livreiro Philippe gostou da brincadeira e já prepara outra atração para o ano que vem. A vizinhança está louca para conhecer a novidade.

Ortopedista russo faz algumas crianças com paralisia cerebral recuperar movimentos na Espanha

Manifesto de 50 médicos, magistrados e políticos pede legalização da maconha na França

Ao atacar universidade, Bolsonaro visa uma juventude que lhe é hostil, diz Safatle

Técnica da seleção francesa de futebol visa troféu e não dá bola para sexismo

A alguns dias das eleições europeias, imprensa francesa analisa "epidemia populista" no Velho Continente

O ministério da "incultura" do Brasil deve alimentar debates no Festival de Cannes

Evangélicos concorrem com muçulmanos em busca de novos fiéis nas periferias francesas

Coquetéis molotov e aplicativos que distorcem vozes: como os coletes "ultra-amarelos" planejam a "revolução"

‘Anti-Bolsonaro’, presidente mexicano encarna uma ‘renovação da esquerda’, diz revista francesa

Porta-voz negra e feminista de Macron quebra códigos da política francesa

Jovens franceses vivem com naturalidade ruptura da binaridade homem-mulher

Primeiro trimestre do governo Bolsonaro é uma “bagunça”, diz revista francesa

Polícia francesa adota regras para abordagem e prisão de transgêneros