rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Opinião: Crise dos coletes amarelos pode paralisar a França por muito tempo

Por Alfredo Valladão

A França e a Europa inteira estão na expectativa. Depois de quase três semanas de silêncio, o presidente Emmanuel Macron vai tomar a palavra para tentar acalmar os ânimos. A equação é simples. Ou bem o discurso de Macron consegue convencer o movimento dos “coletes amarelos” a suspender as manifestações de rua e a começar a dialogar com o governo. Ou então vamos ter mais violências urbanas, assaltos a lojas, incêndios e uma radicalização de massa fora de controle.

Paris não tem mais condições de aguentar, todos os sábados, as cenas de enfrentamentos pesados e quebra quebras sem fim. Neste último fim de semana, todas as forças policiais do país estavam mobilizadas para enfrentar a corja de manifestantes radicalizados, assaltantes comuns e grupos extremistas – de esquerda e de direita – que se misturam aos “coletes amarelos” para atacar e pilhar.

Os efetivos policiais são extremamente eficientes mas estão exaustos. Se as forças que defendem a ordem republicana começarem a falhar, quem vai garantir o governo e as instituições do país? É pouco afirmar que o próximo discurso do presidente vai ser o mais importante do seu mandato. Não só para os franceses mas para toda a Europa.

Quando Macron foi eleito – há 18 meses  – os Europeus deram um suspiro de alívio. Os franceses não haviam caído na armadilha do populismo de extrema-direita.

Os eleitores estavam fartos e com raiva de todos os políticos e partidos tradicionais, mas preferiram votar num homem jovem que prometia modernizar a economia e a política francesas. E que havia feito campanha defendendo a União Europeia com unhas e dentes, rejeitando claramente os inimigos da construção europeia que querem voltar para os Estados nacionais do antigamente, fechados, xenófobos e protecionistas.

Crise pode afetar Alemanha e Europa

Macron foi visto como uma espécie de último cartucho para impedir uma fragmentação catastrófica e perigosa do Velho Continente. Uma Europa forte – econômica e militarmente – com instituições políticas capazes defender os interesses dos seus membros no mundo, só pode existir baixo a liderança da França e da Alemanha.

Se a França afundar numa crise sem saída, quem fica sem alternativas é a União Europeia e a própria Alemanha. Sobretudo porque os movimentos de direita chauvinistas e xenófobos estão de vento em popa em todas as últimas eleições. Basta olhar para a Hungria, a Polônia, a Áustria, a Itália, a Inglaterra do Brexit, os extremistas da AFD na Alemanha e agora o novo partido Vox na Andaluzia.

Os responsáveis europeus olham com angústia para as próximas eleições para o Parlamento Europeu, em maio próximo.

Antes da crise dos “coletes amarelos”, o projeto de Macron era constituir uma grande aliança transnacional dos partidos de centro e dos ecologistas pró-europeus e modernizadores. A ideia era tentar ganhar bastante espaço eleitoral para marginalizar os extremistas antieuropeus, e relançar a União Europeia. Só que agora o presidente francês está ameaçado por uma crise política e social interna que pode paralisar a França por muito tempo.

O pior é que o Velho Continente também está ameaçado por duas potências externas: os Estados Unidos e a Rússia. A administração Trump faz tudo para dividir a União Europeia: é bem mais fácil controlar – econômica e militarmente – pequenas potências desorganizadas.

Quanto a Vladimir Putin, ele não esconde o seu apoio direto aos movimentos e políticos que querem liquidar a construção europeia. Uma Europa fragmentada, sem capacidade de se defender coletivamente, é um prato feito para Moscou que também quer Estados fracos para poder exercer a sua influência.

Claro, a situação parece cada vez mais com a do aprendiz feiticeiro. A História demonstra que uma Europa dividida é sempre uma ameaça de guerra, no Velho Continente e no mundo. Um pequeno fósforo pode provocar uma explosão colossal. Não é por nada que hoje, os Europeus esperam angustiados o discurso de Macron. E a reação dos “coletes amarelos” e da opinião pública francesa.

Alfredo Valladão, professor do Instituto de Estudos Políticos de Paris, faz uma crônica de Política Internacional às segundas-feiras para a RFI Brasil

Opinião: Saída para oposição à Maduro passa por pressão sobre cúpula militar

Opinião: Trump adota “roteiro de faroeste político” para mobilizar eleitorado

Opinião: Novos líderes querem atacar velha mentalidade clientelista e rentista da América Latina

Opinião: Europa pode voltar a ser simples campo de batalha russo-americano

Opinião: Venezuela está virando a bola da vez de um novo tipo de Guerra Fria

Opinião: reivindicação permanente de igualdade faz parte do DNA dos franceses

Movimento francês dos coletes amarelos revela onda de rejeição inédita no país

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos