rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Giuseppe Conte anuncia demissão do cargo de primeiro-ministro da Itália
Economia
rss itunes

Surpresas: um mercado que cresce pela emoção do inesperado

Por Maria Paula Carvalho

O mercado das caixas surpresas nasceu nos Estados Unidos há cerca de cinco anos e se espalhou pelo mundo. Na França, é um dos principais filões desse Natal e a concorrência é grande. Há opções para todos os tipos de presentes, da moda à gastronomia, passando pelo esporte e a perfumaria.

O conceito é quase sempre o mesmo: oferecer uma variedade de produtos dentro de uma bela embalagem, sendo que o mais importante é o fator descoberta. Tanto para quem oferece, quanto, principalmente, para quem recebe.

“É realmente uma surpresa, é isso que agrada nesse mercado das caixas. Nós selecionamos produtos originais, que estão na moda, produtos surpreendentes mas também peças básicas bonitas, e a pessoa que vai receber a caixa não sabe o que tem dentro. É um verdadeiro presente e uma verdadeira emoção no momento de abrir”, explica Delphine Hickenbick, fundadora da "Galaxie Box".

“É o presente ideal para o Natal, porque nós não estamos sempre a par das novidades, não temos sempre boas ideias, e a caixa é algo que corresponde à pessoa, com originalidade e uma ótima apresentação”, completa.  

A empresa existe há quatro anos. Tudo começou com a caixa "Bandit", de roupas e acessórios para homens, mulheres, casais ou famílias. O negócio cresceu para a linha de maquiagens e chegou à culinária, com o envio de receitas de chefes consagrados acompanhadas de uma cesta de alimentos. A ideia é compartilhar sabores, cheiros e culturas.

“Com a caixa de viagem, nossos clientes recebem os produtos para cozinhar uma refeição para 4 pessoas, que muda todo o mês em função de um país. Todos os meses propomos um país diferente. Nesse momento é a China. No mês anterior foi a Guiana e antes a Malásia, Itália, Tailândia e Espanha”, lembra Delphine.

Destinos e roteiros surpreendentes

Quando o assunto é viagem, tem quem faça as malas sem saber o destino, pois o roteiro só é revelado no último minuto. A "Box Loire Atlantique", uma empresa de Nantes, no noroeste da França, oferece uma caixa com 24 roteiros possíveis, organizados em três temas diferentes. Cada pacote inclui uma diária de hotel, refeição para duas pessoas e uma atividade a escolher, explica Julia Bodin, diretora de marketing da companhia.

“Dentro da caixa temos certeza que haverá uma opção que vai agradar a quem recebe. Se a pessoa é mais aventureira, tem opções que vão combinar com esse estilo. Se ela busca prazer à mesa, tem opções em torno da gastronomia. Se ela é mais caseira, vai encontrar destinos ligados à serenidade. Tem tantas opções que sempre haverá uma que vai seduzir a quem oferecemos a caixa surpresa”, diz.  

E que tal viajar sem sair de casa? Esse é o conceito da "Curieux Voyageurs" (Viajantes Curiosos, em português), que oferece experiências relacionadas a dezenas de países. No início, há quatro anos, a empresa vendia 100 caixas por mês, mas as encomendas para esse Natal já ultrapassam dois mil pedidos.

“De acordo com o destino, temos objetos de decoração, ou que representam a gastronomia do país, ou pequenos objetos de souvenir. E o principal dentro da caixa é um guia de 48 páginas”, diz a fundadora, Marion Bernard. “Até hoje fizemos 48 caixas. Tem lugares que fazemos desde o início, como Nova York, Londres ou Canadá, que são os mais vendidos, mas temos também destinos menos conhecidos, como as ilhas Lofoten (Noruega)”.

Para quem oferece as caixas surpresas, a vantagem é ter mais de uma chance de agradar, sem perder muito tempo escolhendo um só presente. Já para quem recebe, é a oportunidade de ficar por dentro das tendências do mercado, como explica Charles Vandystadt, gerente da "Footing Box", com atuação no mercado esportivo.

Caixa de presentes da Footing box FB/footingbox

“É mais a descoberta de novos produtos, porque nós não vamos enviar mercadorias das grandes marcas, mas sim novidades de pequenas empresas, o que permite conhecer tudo que existe sobre um determinado mercado.”

Vendas por assinatura

As lojas são 100% digitais. Os preços das caixas variam de € 30 a € 80 (R$ 133 a R$ 355). Tudo acontece pela internet e os produtos são entregues pelos correios. Existe também a opção de fazer uma assinatura e receber uma surpresa a cada um ou dois meses, dependendo do pacote escolhido. Cerca de 300 empresas disputam esse mercado na França.

É o caso da "Pédaleur", voltada para os ciclistas, e que já tem mil assinantes.

“A seleção de produtos é orientada de acordo com um tema, por exemplo a próxima caixa, de janeiro, será sobre o tema do frio e pedalar no inverno e dentro os assinantes vão encontrar produtos para a nutrição energética, têxteis, produtos para manutenção da bicicleta e acessórios, acompanhados de um pequeno livro sobre como utilizar bem esses produtos e conselhos de treinamento”, explica Mathilde Mugliari, proprietária da marca.

“Como dizem os nossos assinantes, o princípio de descobrir o conteúdo ao receber a caixa pelo correio é como um natal a cada dois meses”, completa.

Baixar alíquota máxima do IR seria mais um “presente para os ricos”, diz discípulo de Piketty

No 1º salão após venda à Boeing, Embraer foca em defesa, jatos e inovação

Em meio a cortes na Defesa, governo acerta compra de mísseis europeus por € 200 mi

Cortes do governo Bolsonaro prejudicam agricultura familiar, apontam especialistas na FAO

Brasil não corre risco de “virar uma Argentina”, apesar de confusões de Bolsonaro

Incentivos fiscais fazem doações milionárias à Notre-Dame recaírem sobre o Estado francês

Especialistas em dados e IA são disputados a peso de ouro pelas empresas

Desconfiança sobre investimentos chineses leva a reação internacional

Em crescimento, fundos ativistas viram acionistas para mudar empresas por dentro

Reforma da Previdência agrada mercados, mas pode aprofundar desigualdades