rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Um pulo em Paris
rss itunes

Fracasso de “Passe Livre” em Paris levanta debate sobre transporte gratuito nas metrópoles

Por Silvano Mendes

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, anunciou na quinta-feira (11) uma série de medidas para tornar o transporte público gratuito para uma parte da população. O projeto inicial previa “Passe Livre” para todos, mas os estudos mostraram que a medida não resolveria a questão dos congestionamentos e da poluição, prioridades para as autoridades nas grandes cidades.

A partir de 1° de setembro em Paris, os moradores menores de 11 anos, assim como os menores de 20 anos portadores de deficiência poderão andar de graça nos metrôs, bondes e ônibus da capital francesa. Além disso, os estudantes, que já beneficiam de uma tarifa preferencial, vão pagar apenas metade do preço.

O pacote de medidas, que deve custar anualmente € 50 milhões para os cofres públicos, foi a solução encontrada pela prefeita após o fracasso de um projeto que previa a gratuidade nos transportes para todos. Hidalgo defendia que um “Passe Livre” incitaria a população a deixar seus carros na garagem, gerando menos poluição.

No entanto, as autoridades se deram conta que o transporte gratuito não iria resolver o problema dos congestionamentos e da emissão de gases poluidores, objetivo principal do projeto inicial. Os peritos, que estudaram a proposta desde abril de 2018, concluíram que os usuários de carro em Paris iriam continuar dirigindo seus veículos por uma questão de rapidez ou conforto. Segundo as estimativas da prefeitura, o transporte gratuito diminuiria entre 2% e 5% do tráfego de veículos na cidade, um impacto ecológico considerado relativamente baixo com relação ao custo do projeto.

Medida vista como eleitoreira

Atualmente, 27% do orçamento para o funcionamento dos transportes públicos parisienses são custeados pelas passagens, o que representa € 3 bilhões (cerca de R$ 13 bilhões). O restante dos gastos é arcado pelo governo que, com uma eventual gratuidade das passagens, teria que encontrar novas fontes de renda para cobrir a diferença.

Talin, na Estônia, e Luxemburgo, adotaram recentemente o “Passe Livre” para todos, assim como a cidade de Dunkerque, no norte da França. Porém, em todos os casos o benefício cobre regiões ou cidades relativamente pequenas. O grão-ducado, por exemplo, tem apenas 600 mil habitantes, enquanto na capital estoniana a população é de apenas 400 mil pessoas. Uma comparação que reforça o argumento dos opositores ao projeto de que a gratuidade do transporte para todos não funcionaria em metrópoles.

A oposição francesa também afirma que Anne Hidalgo lançou o projeto do “Passe Livre” parisiense apenas com intuito eleitoreiro, já que ela entra em seu último ano de mandato e pretende tentar se reeleger em 2020. Sofrendo com uma queda de popularidade em razão de medidas polêmicas, como a criação de zonas de pedestres às margens do Sena, ou ainda os problemas de segurança e de limpeza na cidade, a prefeita estaria tentando, como a passagem gratuita, melhorar sua imagem.

Empresas francesas têm comprado silêncio de mulheres que denunciam casos de assédio

Festival de Cannes questiona limites da arte com filme que beira pornografia

Macron e Zuckerberg afinam projeto de regulamentação das redes sociais

França tenta regulamentar uso de patinetes elétricas para evitar acidentes

Incêndio em Notre-Dame levanta debate sobre preservação do patrimônio na França

França registra criação de empregos, mas "coletes amarelos" mantêm protestos

Pirâmide do Louvre comemora 30 anos com instalação do artista urbano JR

França se prepara para possível ação de black blocs durante 19° ato dos “coletes amarelos”

Associações propõem que políticos franceses vivam 15 dias “na pele de um pobre”

Humoristas francesas de stand up dão novo fôlego às causas feministas

Francês se aposenta com 62 anos, mas contribui 40 anos para receber a metade do que ganhava na ativa

Incêndios na mesma semana em CT do Flamengo e Paris levantam questões de segurança

Prostituição: Conselho Constitucional da França valida lei que pune clientes