rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Boris Johnson anuncia um "excelente novo acordo" com a UE

Balé Dança Homofobia Gordofobia

Publicado em • Modificado em

Ópera de Paris proíbe dançarino de participar de espetáculo após comentários homofóbicos

media
O dançarino ucraniano, Sergueï Polounin, foi acusado de homofobia Reprodução Instagram/sergeipolunin

A Ópera de Paris decidiu voltar atrás em sua decisão de convidar o “bad boy” do balé internacional, o ucraniano Sergueï Polounin, para um espetáculo previsto para fevereiro. O dançarino é pivô de diversas polêmicas nas redes sociais, envolvendo seus comentários sexistas, homofóbicos e gordofóbicos, além de elogios exaltados ao presidente russo, Vladimir Putin.


Aurélie Dupont, diretora artística do balé da Ópera de Paris, escalou Polounin para “O Lago dos Cisnes”, mas decidiu retirar o convite no último fim-de-semana. Ela encaminhou uma mensagem aos dançarinos elogiando o “artista talentoso”, mas reconhecendo que o discurso do ucraniano não estava de acordo com “seus valores”.

Sergueï Polounin, que recentemente obteve a nacionalidade russa, é chamado de “bad boy" do balé desde que partiu da prestigiosa instituição britânica Royal Ballet, em 2012. Ele é mais conhecido por sua participação no clipe da canção “Take Me To Church”, de Hozier, dirigido por David LaChapelle, que tem mais de 26 milhões de visualizações.

Reação dos colegas dançarinos

A conta do dançarino na plataforma Instagram é cheia de elogios ao governo de Vladimir Putin e de comentários considerados homofóbicos e gordofóbicos. Na sexta-feira (11), Polounin incitava as pessoas a darem “um tapa nos gordos”, afirmando “não respeitar a preguiça dessas pessoas”, publicação que foi apagada no dia seguinte. “É melhor não engordar um grama, do contrário o senhor Polounin não ficará feliz!”, ironizou a dançarina Ludmila Pagliero.

No fim de dezembro, ele criticou os gestos “efeminados” de certos dançarinos de balé. “Que vergonha! Francamente, a Ópera de Paris convidar um cara como esse em 2019, é impossível. Nossa companhia tem valores de respeito e tolerância! Não tem espaço para esse homem perto de nós”, reagiu o dançarino Adrien Couvez, que publicou uma imagem de um comentário de Polounin. Na imagem, o ucraniano diz para seus colegas “virarem homens”.

“Já existem bailarinas no palco, não precisamos de duas. Homens devem ser homens e mulheres devem ser mulheres. Masculino e feminino são duas energias que criam uma balança. Tem uma razão para vocês terem testículos”, diz Polounin na publicação. “Vocês precisam de um bom tapa para acordar”, finaliza.