rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Por Elcio Ramalho

"A ficha ainda não caiu”, admite o chef brasileiro Raphaël Rego mesmo 24 horas depois do anúncio de que seu restaurante em Paris obteve a primeira estrela no badalado guia gastronômico francês.  

“Estou feliz, honrado. É um sonho de todo cozinheiro um dia fazer parte deste guia, ainda mais como estrangeiro”, acrescenta.

A recompensa veio no momento em que o carioca festeja 10 anos na capital francesa. Raphaël começou na cozinha de restaurantes estrelados no Guia Michelin antes de apostar no seu próprio empreendimento.

Há quatro anos fundou o restaurante Oka, no 9° distrito da capital, com o propósito de oferecer ao paladar francês uma mistura de produtos brasileiros originais. Atualmente, sua cozinha trabalha com receitas utilizando 80 ingredientes nativos do Brasil, importados diretos para o restaurante.

“Meu primeiro objetivo era apresentar a culinária e os ingredientes brasileiros para os franceses, colocar a cozinha brasileira em um ótimo patamar, igual a um muito bom restaurante francês”, afirma.

“Nenhum chef pode dizer que isso não é um objetivo, mas o meu principal era apresentar a gastronomia brasileira e isso eles entenderam, que eu queria mostrar minha cultura brasileira e misturar à cultura francesa”, diz o carioca.

Desde 2014, Raphaël investe no que considera uma versão contemporânea da cozinha brasileira. Em quatro anos de muito trabalho e experimentações, ele evoluiu para o que chama de conceito Oka 2.0.  

Sensível aos sabores e originalidade sobretudo da região amazônica, ele desenvolveu parcerias com produtores locais e Ongs como o Instituto Socioambiental, para conseguir viabilizar economicamente a exploração de produtos e conquistar as autorizações e selos necessários para penetrar nos mercados europeu e francês.

Além de várias viagens ao Brasil, Raphaël também trouxe produtores e até índios ianomâmis para conhecer seu restaurante parisiense, que se transformou numa espécie de embaixada culinária.  

“A preocupação é apresentar essa herança, realmente mostrar tudo o que a Amazônia pode oferecer par ao mundo. A cozinha brasileira não pode ficar só no país”, argumenta.

O orgulho de ostentar sua primeira estrela no Michelin é dividida com os que o fizeram entender mais dos ingredientes da rica gastronomia brasileira. “Devo tudo aos produtores, aos índios que quando vieram à França me ensinaram muitas coisas”, defende.

Na busca permanente em valorizar suas raízes, Raphaël elegeu a mandioca, “o produto mais brasileiro”, como a base de suas inspirações.

A extração de sabores e diversidade com a utilização da mandioca rendeu pratos originais como um mil folhas salgado ou uma receita na qual o produto cozido em baixa temperatura foi agregado à rapadura e ao açafrão.

Raphaël Régo na cozinha do Maloka FELIX VEXIN

O chef também apostou em uma releitura do prato típico do país, a feijoada. Ele está convencido de que sua versão com o uso de um feijão fermentado em baixa temperatura durante 10 dias contribuiu para os responsáveis do Michelin decidirem pela atribuição da estrela ao restaurante.  Mas não foi só.

A recompensa também premia sua estratégia de harmonizar produtos brasileiros com ingredientes característicos da gastronomia francesa, o que rendeu composições saborosas. “É extraordinário ter no prato um feijão manteiguinha de Santarém e Belém do Pará com aves da região de Périgord, e até trabalhar um foie gras com tucupi”, diz.

“Minha obrigação de brasileiro na França hoje é não esquecer de onde vim. É minha maneira e minha contribuição de poder mostrar a riqueza de meu país, dos nossos produtores, da Amazônia, sem esquecer do produtor francês. Esse era o meu maior desejo”, afirma.

Mesmo se a ficha ainda não caiu, Raphaël garante que a primeira estrela no Michelin não irá mudar sua concepção de cozinha e nem se sente mais pressionado pela maior visibilidade e expectativa gerada pela presença no guia aos olhos e aos paladares mais exigentes.   

“A pressão existe desde que abri o Oka. A pressão é de pode apresentar a culinárias brasileira na França. O que ai mudar? Só a alegria. Um cozinheiro feliz, cozinha feliz. Essa estrela veio brindar a cultura e a amizade franco-brasileira”.

O reconhecimento deve motivá-lo ainda mais para o que mais gosta de fazer, além de mexer os paus nas panelas: descobrir e abrir fronteiras para novos produtos brasileiros. Seu novo projeto é viabilizar o cacau produzido por tribos ianomâmis.

“Vou deixar a pressão de lado e continuar meu trabalho sério de levar a bandeira de nossa culinária brasileira em Paris”, conclui.

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna