rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Eurovision Diversidade

Publicado em • Modificado em

Jovem francês defende diversidade no concurso europeu de música Eurovisão

media
Bilal Hassani, 19 anos, vai defender a França no concurso Eurovision. Facebook

Em poucas semanas, o jovem Bilal Hassani, de 19 anos, se tornou uma sensação midiática na França. Ao vencer a final do concurso “Destination Eurovision”, no sábado (26), ele se tornou o candidato oficial da França para o Eurovisão, que acontece em maio, em Israel.


“Obrigado, obrigado, vocês não têm ideia do sonho que estão me ajudando a realizar”, declarou Hassani, que cantou “Roi” (rei). “Vou representar a França no Eurovisão!”, exclamou.

Um programa de TV foi criado no ano passado especialmente para selecionar o representante francês, com ajuda do público. Até então, o candidato era apontado por uma comissão artística. Este ano, 1.500 pessoas disputaram o posto.  

A canção, que mistura frases em francês e inglês, fala sobre liberdade de escolha. “Não escolhemos quem somos, mas escolhemos nosso trabalho, penteado, amigos, estilo de vida e, às vezes, o amor”, canta Hassani, de origem marroquina.

Boa noite, Paris!

Além de compor e cantar, Hassani é um youtuber com quase 800 mil seguidores. A canção “Roi” já teve mais de seis milhões de acessos até este domingo. O visual extravagante, com perucas e maquiagem, e a frase de introdução dos vídeos “Bonsoirrrrr Paris!” (Boa noite, Paris!) são suas marcas registradas.

Ele foi descoberto pelos produtores do programa “The Voice Kids”, do canal TF1, do qual participou quando tinha apenas 15 anos. Em entrevista recente ao jornal “20 Minutos”, ele contou que canta desde pequeno. “Sempre fui apaixonado por música e dança. Há dois anos, comecei a compartilhar um pouco da minha vida na Internet”, contou.

Em junho de 2017, Bilal Hassani assumiu publicamente sua homossexualidade nas redes sociais. Em dezembro do ano passado, foi vítima de perseguição homofóbica na Internet e recebeu ameaças de morte. Hassani diz que as críticas não podem “impedir essa louca experiência que me preparo para viver, não vou perder tempo com trolls na Internet.”