rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Salão quer transformar Paris em capital mundial do vinho

Por Márcia Bechara

Paris quer se tornar nada menos do que a capital mundial do vinho. A cidade abriu suas portas entre 11 e 13 de fevereiro para receber 25 mil expositores no salão Wine Paris, o primeiro grande encontro entre produtores de vinho, franceses e internacionais, um evento que fusiona em 2019 duas feiras que aconteciam separadamente no passado: a ViniSud, com viticultores do sul da França, e a Vino Vision, representando os vinhedos setentrionais, do norte do país. Campeã do mundo em exportações de vinho, a França foi responsável por um volume de negócios no ano passado da ordem de € 9 bilhões, cerca de R$ 38 bilhões, ultrapassando seu eterno rival europeu, a Itália, que continua no topo da lista como maior produtor do mundo, com 4,2 bilhões de litros em 2018.

Segundo Pascale Ferranti, diretora do Wine Paris, a ideia do salão é poder reagrupar a maior diversidade possível de vinhedos, com operadores diferenciados. “É importante para nós acolher pequenos produtores que procurem distribuidores, valorizamos esse contato com a produção. Os compradores procuram descobrir novos terroirs que não são ainda presentes em seus mercados”, conta. Além de ser o maior exportador, a França é hoje o segundo maior mercado consumidor de vinho do mundo, com 3,5 bilhões de garrafas em 2017, uma média anual de 51,2 litros por pessoa.

Ferranti afirma o salão é uma “aventura inédita”: “na verdade, são todos os produtores franceses que se reúnem para se exprimirem através de uma voz única, transmitindo assim uma mensagem forte destinada aos profissionais, sejam eles compradores franceses ou internacionais”, lembra a diretora.

Wine Paris tem como objetivo reunir dois salões “identitários”: o VinoVision, que aborda todos os vinhedos setentrionais, como os do Vale da Loire, Alsácia, Borgonha, o Beaujolais e Champagne. E, de outro lado, temos toda a produção mediterrânea do ViniSud, que reagrupa os vinhedos do Vale do Rhône, Languedoc, Provence, Pays D’Oc, do sudoeste e da Córsega.

As expectativas para a primeira Wine Paris na capital francesa são grandes, como relata a diretora do salão: “Esperamos 25 mil visitantes, sendo 35% destes internacionais. É o que faz a especificidade deste salão. Temos dois tipos de visitantes: de um lado, os compradores internacionais, porque desejamos posicionar Wine Paris como o maior evento para profissionais do vinho em Paris. Temos os belgas, os ingleses, os Estados Unidos, muitos norte-americanos marcam presença nesta edição, assim como holandeses e alemães. Temos também uma excelente surpresa, a presença de muitos chineses que fizeram esta longa viagem, apesar das comemorações do Ano Novo Chinês, assim como coreanos, japoneses, australianos, russos e ucranianos. Podemos dizer que os compradores internacionais responderam a nosso convite já nesta primeira edição”.

No 1º salão após venda à Boeing, Embraer foca em defesa, jatos e inovação

Em meio a cortes na Defesa, governo acerta compra de mísseis europeus por € 200 mi

Cortes do governo Bolsonaro prejudicam agricultura familiar, apontam especialistas na FAO

Brasil não corre risco de “virar uma Argentina”, apesar de confusões de Bolsonaro

Incentivos fiscais fazem doações milionárias à Notre-Dame recaírem sobre o Estado francês

Especialistas em dados e IA são disputados a peso de ouro pelas empresas

Desconfiança sobre investimentos chineses leva a reação internacional

Em crescimento, fundos ativistas viram acionistas para mudar empresas por dentro

Reforma da Previdência agrada mercados, mas pode aprofundar desigualdades

Brasil tem posição favorável no mercado mundial de grãos, dizem especialistas