rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Um pulo em Paris
rss itunes

Associações propõem que políticos franceses vivam 15 dias “na pele de um pobre”

Por Silvano Mendes

Em pleno debate sobre a precariedade na França, um grupo de associações caritativas apresentou essa semana um projeto para a criação de um “estágio obrigatório de pobreza” visando os políticos. O objetivo é fazer com que a classe dominante enfrente uma imersão no quotidiano dos mais desfavorecidos para entender como é viver abaixo da linha da pobreza no país.

A ideia foi apresentada em uma das sessões do Grande Debate Nacional, maratona de encontros entre a população e os políticos, lançada na esteira da revolta dos “coletes amarelos”. Durante uma dessas reuniões, nas quais são apresentadas reclamações e propostas contra a desigualdade social e econômica, dez delegações de associações caritativas sugeriram que deputados, senadores, ministros ou ainda funcionários públicos de alto escalão saiam de sua zona de conforto para entender como é a vida das 9 milhões de pessoas que se situam abaixo da linha da pobreza na França.

As associações consideram que a elite que administra o país vive em uma bolha e querem que, durante 15 dias, eles sejam obrigados a entrar “na pele de um pobre”. O programa consiste em passar o dia em locais de distribuição de comida, participar de rondas que recolhem pessoas marginalizadas e até passar a noite em abrigos para moradores de rua.

“Nesses últimos meses tenho ouvido muitas declarações de políticos sobre como vivem os pobres e o que eles precisam. Essa imersão na vida dos precários permitiria a alguns deles dizer menos besteiras e mentiras”, declarou Florent Gueguen, presidente da Federação dos atores da solidariedade, organismo que reúne 870 associações e que participou da elaboração da proposta.

Projeto será estudado pelo governo

O projeto foi apresentado diante do ministro encarregado da Moradia, Julien Denormandie, e da secretária de Estado responsável por temas ligados à solidariedade, Christelle Dubos. “Não prometo que tudo o que foi dito aqui será implementado, mas todas as ideias serão estudadas detalhadamente”, disse o ministro.

Ainda não se sabe se o projeto tem chances de ser concretizado, mas os representantes políticos já reagiram. Alguns dizem que se a medida for obrigatória, vão respeitar a regra. Mas a maioria tem criticado a ideia, mesmo que de forma anônima. O deputado Bruno Bonnel, do partido do presidente Emmanuel Macron, foi um dos poucos que contestou abertamente o “estágio de pobreza”. Em entrevista ao canal de televisão LCI, ele alegou que é empresário e que isso faz com ele seja suficientemente conectado à realidade, sem precisar ser obrigado a um programa de imersão na pobreza.  

Humoristas francesas de stand up dão novo fôlego às causas feministas

Francês se aposenta com 62 anos, mas contribui 40 anos para receber a metade do que ganhava na ativa

Incêndios na mesma semana em CT do Flamengo e Paris levantam questões de segurança

Prostituição: Conselho Constitucional da França valida lei que pune clientes

“Coletes amarelos”: Macron organiza debates com franceses e reconquista popularidade

Depredação de radares vira "basta" a suposta "indústria da multa" na França

Fracasso de “Passe Livre” em Paris levanta debate sobre transporte gratuito nas metrópoles

Franceses enfrentam 2019 com imposto retido na fonte e multiplicação de movimentos sociais

Paris mantém magia de Natal em meio à crise social dos "coletes amarelos"

Segurança reforçada na França para 5° fim de semana de protestos dos “coletes amarelos”

Manifestação de "coletes amarelos" fecha lojas, museus e cancela eventos em Paris

Movimento dos “coletes amarelos” contesta fim de imposto para os mais ricos na França

Ongs francesas convocam boicote à Black Friday e propõem "sexta-feira verde"

Movimento dos “coletes amarelos” une extrema direita e esquerda radical na França

Centenário do fim da Primeira Guerra Mundial reúne 60 líderes mundiais em Paris

Cemitérios parisienses são ricos em história, cultura e biodiversidade