rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Um pulo em Paris
rss itunes

França se prepara para possível ação de black blocs durante 19° ato dos “coletes amarelos”

Por Silvano Mendes

Após os atos de violência e vandalismo registrados na manifestação dos “coletes amarelos” na semana passada, o governo francês se prepara para mais uma jornada de protestos nesse sábado (23). Várias medidas preventivas já foram anunciadas para conter a possível ação de grupos radicais, que se infiltraram nas últimas passeatas.

O governo francês não quer que cenas como as registradas nas redondezas da avenida Champs-Elysées, com restaurantes vandalizados, lojas saqueadas e bancos incendiados, se repitam nesse sábado. A segurança foi reforçada e a famosa avenida não poderá mais ser usada como palco dos protestos.

Outras cidades francesas, como Nice, Bordeaux, Toulouse, Dijon e Rennes, também foram alvo de decisões do governo proibindo manifestações. No entanto, as restrições não parecem intimidar os militantes. Os grupos que organizam protestos já lançaram uma convocação nas redes sociais e um ato dos “coletes amarelos” está previsto para começar diante da Torre Eiffel.

A principal preocupação das autoridades é com a ação dos grupos radicais que passaram a fazer parte das manifestações. Vestidos de preto e encapuzados, os chamados black blocs são uma mistura de baderneiros com militantes de extrema esquerda e extrema direita. O ministro francês do Interior, Christophe Castaner, chegou a dizer que entre os cerca de 10 mil manifestantes nas ruas no 18° ato, “havia 1.500 ultra [radicais] e 8.500 baderneiros".

Polêmica sobre militares nas ruas

Diante da situação, o Exército também foi mobilizado, com os soldados da operação Sentinela, que normalmente atua em casos de ataques terroristas, que participarão do dispositivo de segurança desse sábado. A decisão foi bastante criticada, principalmente pela oposição, que teme uma banalização da violência, já que os militares não são formados para conter manifestações populares.

A polêmica sobre a intervenção dos soldados aumentou após Bruno Leray, um dos chefes do Exército em Paris, declarar que seus homens poderiam “abrir fogo” em caso de ataque. O presidente francês, Emmanuel Macron, tentou acalmar a situação e disse nessa sexta-feira (22) que os soldados “não foram encarregados de manter a ordem”. O chefe de Estado explica que os militares da operação Sentinela vão apenas proteger locais sensíveis, como os prédios da Presidência, ministérios, embaixadas e Assembleia Nacional, que ficam nas redondezas da avenida Champs-Elysées.

Festa da Música mostra a grande diversidade de músicos profissionais e amadores franceses

Empresas francesas têm comprado silêncio de mulheres que denunciam casos de assédio

Festival de Cannes questiona limites da arte com filme que beira pornografia

Macron e Zuckerberg afinam projeto de regulamentação das redes sociais

França tenta regulamentar uso de patinetes elétricas para evitar acidentes

Incêndio em Notre-Dame levanta debate sobre preservação do patrimônio na França

França registra criação de empregos, mas "coletes amarelos" mantêm protestos

Pirâmide do Louvre comemora 30 anos com instalação do artista urbano JR

Associações propõem que políticos franceses vivam 15 dias “na pele de um pobre”

Humoristas francesas de stand up dão novo fôlego às causas feministas

Francês se aposenta com 62 anos, mas contribui 40 anos para receber a metade do que ganhava na ativa

Incêndios na mesma semana em CT do Flamengo e Paris levantam questões de segurança