rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Por Elcio Ramalho

Maranhense de São Luís, Flávia Bittencourt está em turnês por vários países europeus para um show que mistura as canções de seus quatro álbuns anteriores e as do novo trabalho, a ser lançado ainda este ano.

Eclética, ela transita por diversos ritmos a partir de suas raízes musicais, ancorada em sua terra natal. Mas seu trabalho flerta com a música eletrônica, que vai estar presente no seu novo projeto Eletrobatuque.

A turnê, que teve início em Paris, já percorreu a Itália antes de voltar à capital francesa, passar pelo sul da França e terminar em Lisboa.  

O show é um resumo de sua trajetória musical marcada pelo lançamento de seu primeiro álbum, Sentido, em 2006. O trabalho rendeu indicações ao Grammy Latino e ao prêmio TIM Award. Na sequência, lançou Todo Domingos (2008) em homenagem a Dominguinhos, No Movimento (2013) e Leve (2016), que teve participações da conterrânea Alcione e de Luiz Melodia, e também de artistas regionais. 

“Cada álbum tem sido uma descoberta, tem sua identidade. Eu nunca me aquietei artisticamente, sempre busquei experimentar outras sonoridades”, afirma a cantora e também compositora.

Flávia diz buscar “trazer a sonoridade de sua bagagem nordestina, do Maranhão, misturando com instrumentos mais acústicos como o violoncelo e o acordeão”.

Sobre o novo trabalho, que será lançado ainda este ano no Brasil, a maranhense afirma que ele marcará uma nova fase de sua carreira. “Eletrobatuque será bem peculiar porque traz o eletrônico, mas não vai ser dançante. A música eletrônica vai estar entremeando com os outros elementos e sonoridades”, adianta.

Em suas apresentações pelos palcos da Europa, ela diz ter sentido um acolhida calorosa e não apenas dos brasileiros que se identificam com os ritmos já conhecidos. “Muitas pessoas são curiosas para conhecer algo novo, mesmo não tendo as referências musicais que trago. O público francês, por exemplo, é muito aberto. E esse objetivo de levar a nossa arte está sendo realizado”, afirma

Grupo “Trio in Uno” lança álbum “Ipê” em homenagem ao cerrado brasileiro

"Hungria mantém refugiados em centros de detenção arbitrária", diz ativista

Nazaré Pereira, pioneira do forró na França, revela um “outro Brasil”

"Está difícil ter orgulho de ser brasileiro", diz Martinho da Vila, antes de show em Paris 

"Bacurau" mostra o Brasil, "um país maravilhoso, mas também muito feio”, disse Kléber Mendonça em Cannes

Com álbum “+100”, Casuarina apresenta samba moderno em turnê pela Europa

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Fotógrafo brasileiro expõe em Paris reflexões sobre memória e preservação

Tinta Bruta, o filme da 'bicha que resiste' estreia no circuito comercial na França

Exclusão do português em exame de entrada na universidade na França gera protestos

Entre arqueologia e performance, jovem artista brasileira Manoela Medeiros estreia individual em Paris

“Macron quis governar a França como uma startup”, diz especialista sobre dois anos do presidente no poder

“Fomos influenciados pela França desde a infância”, diz autora de guias turísticos

“Legado de Da Vinci é universal” e disputa entre França e Itália é política diz professor da USP

Reforma da Previdência pode precarizar trabalhador com aumento da informalidade, diz economista Thomas Coutrot

“Rever o modo de funcionamento da educação no Brasil é muito preocupante”, diz Carlos Cury

Protagonismo indígena do Brasil nas artes plásticas é tema de exposição na França