rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Eu nunca me aquietei artisticamente”, diz cantora Flávia Bittencourt em turnê pela Europa

Por Elcio Ramalho

Maranhense de São Luís, Flávia Bittencourt está em turnês por vários países europeus para um show que mistura as canções de seus quatro álbuns anteriores e as do novo trabalho, a ser lançado ainda este ano.

Eclética, ela transita por diversos ritmos a partir de suas raízes musicais, ancorada em sua terra natal. Mas seu trabalho flerta com a música eletrônica, que vai estar presente no seu novo projeto Eletrobatuque.

A turnê, que teve início em Paris, já percorreu a Itália antes de voltar à capital francesa, passar pelo sul da França e terminar em Lisboa.  

O show é um resumo de sua trajetória musical marcada pelo lançamento de seu primeiro álbum, Sentido, em 2006. O trabalho rendeu indicações ao Grammy Latino e ao prêmio TIM Award. Na sequência, lançou Todo Domingos (2008) em homenagem a Dominguinhos, No Movimento (2013) e Leve (2016), que teve participações da conterrânea Alcione e de Luiz Melodia, e também de artistas regionais. 

“Cada álbum tem sido uma descoberta, tem sua identidade. Eu nunca me aquietei artisticamente, sempre busquei experimentar outras sonoridades”, afirma a cantora e também compositora.

Flávia diz buscar “trazer a sonoridade de sua bagagem nordestina, do Maranhão, misturando com instrumentos mais acústicos como o violoncelo e o acordeão”.

Sobre o novo trabalho, que será lançado ainda este ano no Brasil, a maranhense afirma que ele marcará uma nova fase de sua carreira. “Eletrobatuque será bem peculiar porque traz o eletrônico, mas não vai ser dançante. A música eletrônica vai estar entremeando com os outros elementos e sonoridades”, adianta.

Em suas apresentações pelos palcos da Europa, ela diz ter sentido um acolhida calorosa e não apenas dos brasileiros que se identificam com os ritmos já conhecidos. “Muitas pessoas são curiosas para conhecer algo novo, mesmo não tendo as referências musicais que trago. O público francês, por exemplo, é muito aberto. E esse objetivo de levar a nossa arte está sendo realizado”, afirma

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura