rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Carlos Ghosn Renault Nissan

Publicado em • Modificado em

Carlos Ghosn: em vídeo, executivo se diz novamente inocente e vítima de complô

media
Em vídeo, Carlos Ghosn se diz novamente inocente e vítima de complô REUTERS/Issei Kato

O franco-libanês brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente da Renault e Nissan, divulgou nesta terça-feira (9) um vídeo em inglês em que reitera sua inocência diante de acusações de malversação de fundos e acusa dirigentes da empresa japonesa de “traição”.


"Sou inocente, esta é minha primeira mensagem. Não é algo novo, eu já afirmei: sou inocente de todas as acusações", insistiu no início da gravação, divulgada durante uma entrevista coletiva de seu advogado. O vídeo foi gravado antes da nova ordem de prisão do dia 4 de abril, a respeito de novas suspeitas de desvios financeiros.

“Eu amo o Japão e amo a Nissan”, declarou Ghosn, lembrando que dedicou 20 anos de sua carreira para reerguer a companhia japonesa. "Havia medo de que na próxima etapa da aliança a autonomia da Nissan seria ameaçada", disse, antes de recordar que sempre foi um "ferrenho defensor da autonomia".

Complô e traição

"Não se trata de ganância, de ditadura de um homem. É uma história de complô, de conspiração, traição", afirmou o executivo. Os nomes dos diretores citados por Ghosn foram cortados da edição, a pedido de seus advogados.

O principal advogado do executivo, Junichiro Hironaka, anunciou que apresentará na quarta-feira (10) um recurso à Suprema Corte para solicitar a libertação de seu cliente.

Ghosn enfrenta no Japão três acusações fundamentais: as duas primeiras referem-se ao alegado desvio de quase US$ 80 milhões às manobras para esconder os recursos dos próprios acionistas.

A terceira acusação diz respeito à tentativa de transferir para a Nissan dívidas pessoais.

O empresário, detido em novembro, foi libertado após o pagamento de fiança, mas na semana passada foi novamente detido.

(com informações da AFP)