rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Acordo do Brexit recebe apoio preliminar do Parlamento britânico

França Notre Dame Paris Igreja Católica

Publicado em • Modificado em

Paris cogita construir catedral efêmera durante reforma de Notre-Dame

media
Catedral efêmera poderia ser construída diante da Notre-Dame B.MOSER©BSPP via REUTERS

Uma igreja de madeira poderá ser construída na esplanada da Catedral de Notre-Dame durante a restauração do monumento, que teve seu telhado atingido por um incêndio na segunda-feira (15). A informação foi divulgada nessa quinta-feira (18). As autoridades ainda não confirmaram a realização do projeto.


A ideia foi cogitada pelo monsenhor Patrick Chauvet, reitor de Notre-Dame, durante uma entrevista ao canal de televisão francês CNews. “Não podemos simplesmente dizer que a catedral ficará fechada durante cinco anos”, declarou. “Será que não poderíamos construir uma catedral efêmera na esplanada? ”, lançou o religioso. Segundo ele, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, apoiou o projeto e disse que a cidade poderia ceder uma parte do terreno diante de Notre-Dame para a construção de uma igreja de madeira.

Mas o ministro francês da Cultura, Franck Riester, foi mais cauteloso e disse que “a decisão ainda não foi tomada”. Segundo ele, a possível construção de uma catedral efêmera ou simplesmente de um local onde os fiéis possam rezar ainda “está em discussão”.

Durante seu discurso na terça-feira (16), o presidente francês, Emmanuel Macron, disse que “cada pessoa no mundo quer ter a possibilidade, de uma maneira ou de outra, de ver Notre-Dame durante a reforma”. Mas o chefe de Estado, que prometeu que a catedral será restaurada em cinco anos, não se avançou sobre nenhum projeto temporário.

Para o monsenhor Chauvet, a catedral efêmera poderia acolher os fiéis, mas também os turistas que visitam o monumento anualmente. Cerca de 12 milhões de pessoas passam pela Notre-Dame a cada ano.

Questionado sobre as críticas ligadas aos valores das promessas de doações para a obra, consideradas exorbitantes, monsenhor Chauvet não exclui a ideia de usar uma parte da soma para construir um local destinado a “ajudar os mais desfavorecidos”. Ele também disse que gostaria de ver a participação de jovens artesãos na reconstrução, para que o projeto “dê trabalho para muitas pessoas que estão desempregadas”.