rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Coquetéis molotov e aplicativos que distorcem vozes: como os coletes "ultra-amarelos" planejam a "revolução"

Por Adriana Moysés

Os "coletes amarelos" que viraram black blocs, manifestantes ultraviolentos que depredam o patrimônio público e símbolos do capitalismo, como agências bancárias, além de assediar policiais nos protestos, são tema de uma reportagem da revista L'Obs.

Dois jornalistas da publicação semanal francesa – Emmanuelle Anizon e Tomas Statius – acompanharam durante semanas um grupo de manifestantes que descambou para a violência. Alguns afirmam estarem dispostos a morrer pela "revolução", como passaram a chamar a causa dos "coletes amarelos". A maioria são franceses que antes de novembro passado nunca tinham participado de movimentos sociais, mas foram seduzidos pelos métodos de luta aprendidos na convivência com radicais de extrema esquerda.

O empreiteiro Marc, dono de uma empresa que emprega 15 pessoas no setor da construção civil, é apresentado como líder de um grupo de "coletes amarelos" radicalizados, os "ultra-amarelos", como se referem as autoridades. Ele conta que aderiu à violência depois de apanhar gratuitamente da polícia num protesto ocorrido em Paris no dia 8 de dezembro.

Segundo seu relato, ele e alguns amigos guardavam os coletes amarelos no porta-malas do carro, no final de um protesto, quando policiais surgiram e espancaram gratuitamente o grupo com matracas. Marc afirma que aquele momento foi um divisor de águas. Ele criou um grupo de militantes tão revoltados quanto ele num aplicativo de mensagens e passou a agir como um "black bloc". No dia 20 de abril, Marc participou do protesto em Paris com quatro coquetéis molotov na mochila, duas granadas, um martelo e outros instrumentos cortantes.

Extremo cuidado na comunicação

Do mesmo grupo fazem parte Anne, condutora de empilhadeira e mãe de uma menina de 3 anos; Fred, um jovem cigano; um trabalhador da indústria "de olhos azuis, temperamento tranquilo e fã de pesca", que ganha salário mensal de € 1.500, não identificado na reportagem; Marie, uma manifestante que se define como não intelectualizada; e Alice, 40 anos, "dreadlocks", macacão de estampa militar, vegetariana, há 20 anos sem TV em casa, com grande experiência em outros movimentos sociais de extrema esquerda. O ponto em comum entre esses "coletes amarelos" que se tornaram "black blocs" é a crença na "revolução".

Os "ultra-amarelos" se tornaram delinquentes fascinados pelos métodos de combate da esquerda revolucionária, escreve a L'Obs, capazes de suportar 72 horas de interrogatório sem delatar companheiros de luta, de resistir sem vomitar à ingestão de gases lançados pela polícia contra eles, confiantes que chegou a hora de uma "revolução". Mesmo se, para isso, tiverem de pagar com suas vidas.

Para fugir das escutas da polícia, eles se comunicam com linhas telefônicas de Israel e possuem em seus celulares aplicativos americanos que distorcem as vozes. O fato de o movimento dos "coletes amarelos" contar com fascistas e militantes de extrema direita não os incomoda; o importante é seguir a tendência da "revolução".

São esses "ultra-amarelos" que fazem tremer as bases do governo de Emmanuel Macron.

Le Point elege dinamarquesa "inimiga de Trump" como personalidade do ano na Europa

Carne vegetal é a nova ‘menina dos olhos’ das empresas agro-alimentares

Revista Le Point chama Erdogan de "exterminador" e prevê futuro sombrio na Europa

Surfar no metrô de Paris diante da Torre Eiffel virou moda entre jovens aventureiros

Papa Francisco trava batalha contra grupo de milionários americanos que bloqueiam reformas na Igreja

Mais ecológico e disposto a rever lei do asilo, “novo Macron” mira eleitores de Le Pen

TV e rádio públicas francesas ampliam tempo de programação para meio ambiente

Amazônia: especialistas franceses debatem princípios de justiça climática

Equipamento "revolucionário" de radioterapia entusiasma oncologistas franceses

Bilionário legendário de Wall Street investe toda a sua fortuna em tecnologias limpas

Bióloga brasileira denuncia tensões ideológicas na universidade após eleição de Trump

Ambição expansionista da China passa pela conquista dos portos mundiais, diz revista Le Point

Morte de Marielle continua pairando na vida política do Brasil, diz revista francesa

Ortopedista russo faz algumas crianças com paralisia cerebral recuperar movimentos na Espanha