rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Primeira-ministra britânica, Theresa May, anuncia sua renúncia para 7 de junho
RFI CONVIDA
rss itunes

Entre arqueologia e performance, jovem artista brasileira Manoela Medeiros estreia individual em Paris

Por Márcia Bechara

Artista contemporânea, a carioca Manoela Medeiros, 28, estudou na Escola de Belas Artes de Paris e na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro. Ela abre ao público, no próximo 17 de maio, sua primeira exposição individual na capital francesa, com o título L'être dissout dans le monde (O ser dissolvido no mundo, em português).

"Escolhi o título 'O ser dissolvido no mundo' porque não queria falar sobre o Homem dissolvido no mundo; a ideia do ser implica um homem, um animal, uma coisa, uma matéria orgânica, para mudar a percepção de quem está no poder", conta Manoela Medeiros, que trabalha com suportes variados.

A jovem artista brasileira conta que prefere trabalhar in situ, dentro e a partir dos espaços. "Muitas vezes realizo escavações, escavo a parede dos espaços e as uso como matéria-prima em meu próprio trabalho. Realizo instalações, pinturas, é um campo muito grande", afirma.

Uma das matérias-primas de Manoela Medeiro é justamente uma anti-matéria: as ruínas, as memórias. "Evoco essas presenças de diferentes formas, muitas vezes pela própria ação da ruína - por exemplo, a decomposição de uma matéria orgânica ou de uma parede. A ruína me interessa muito a partir de sua ligação com a arqueologia, que mostra o tempo todo que as histórias são contadas de diferentes pontos de vista", analisa a artista.

Toda vez que a gente descobre uma nova escavação, toda a História é recontada", lembra a artista. "Para mim os arqueólogos são como astronautas da Antiguidade", diz. "Isso mostra que o mundo está em constante mutação e disputa de narrativas", diz Manoela.

Muros que desabam

O muro parece ser uma alegoria, uma metáfora da contemporaineidade dentro da obra de Manoela Medeiros, cuja última exposiçõa, em Marselha, em 2017, se chamava Falling Walls, ou seja, muros que desabam, que caem.

"O muro é físico, mas ele está instrínseco em diferentes formas invisíveis das relações humanas. Como vestimos nossa personalidade, como nos apresentamos no meio dos preconceitos, então, a ideia foi mesmo de quebrar esse muro. Não é só o espaço da galeria que está sendo quebrado", diz.

"Isso também significa quebrar estereótipos, pressupostos. Todas estas relações são intrínsecas", completa. Na obra de Medeiros, existe um gesto de arqueologia, com sobreposições e escavações, mas também uma intenção de performance, quando ela desloca e ressignifica fragmentos urbanos em seus trabalhos.

"As escolhas são feitas em locais abandonados, ruínas, mas não ruínas históricas. Me interessam casas que são abandonadas, que foram pintadas por mãos que eu não conheço, com escolhas pré-definidas. Uma ruína é um estado da arquitetura muito vivo, ela permite que a chuva entre, que os insetos comecem a tomar conta desse espaço e a também modificar essa superfície", conclui.

 

Grupo “Trio in Uno” lança álbum “Ipê” em homenagem ao cerrado brasileiro

"Hungria mantém refugiados em centros de detenção arbitrária", diz ativista

Nazaré Pereira, pioneira do forró na França, revela um “outro Brasil”

"Está difícil ter orgulho de ser brasileiro", diz Martinho da Vila, antes de show em Paris 

"Bacurau" mostra o Brasil, "um país maravilhoso, mas também muito feio”, disse Kléber Mendonça em Cannes

Com álbum “+100”, Casuarina apresenta samba moderno em turnê pela Europa

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Fotógrafo brasileiro expõe em Paris reflexões sobre memória e preservação

Tinta Bruta, o filme da 'bicha que resiste' estreia no circuito comercial na França

Exclusão do português em exame de entrada na universidade na França gera protestos

“Macron quis governar a França como uma startup”, diz especialista sobre dois anos do presidente no poder

“Fomos influenciados pela França desde a infância”, diz autora de guias turísticos

“Legado de Da Vinci é universal” e disputa entre França e Itália é política diz professor da USP

Reforma da Previdência pode precarizar trabalhador com aumento da informalidade, diz economista Thomas Coutrot

“Rever o modo de funcionamento da educação no Brasil é muito preocupante”, diz Carlos Cury

Protagonismo indígena do Brasil nas artes plásticas é tema de exposição na França