rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Entre arqueologia e performance, jovem artista brasileira Manoela Medeiros estreia individual em Paris

Por Márcia Bechara

Artista contemporânea, a carioca Manoela Medeiros, 28, estudou na Escola de Belas Artes de Paris e na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro. Ela abre ao público, no próximo 17 de maio, sua primeira exposição individual na capital francesa, com o título L'être dissout dans le monde (O ser dissolvido no mundo, em português).

"Escolhi o título 'O ser dissolvido no mundo' porque não queria falar sobre o Homem dissolvido no mundo; a ideia do ser implica um homem, um animal, uma coisa, uma matéria orgânica, para mudar a percepção de quem está no poder", conta Manoela Medeiros, que trabalha com suportes variados.

A jovem artista brasileira conta que prefere trabalhar in situ, dentro e a partir dos espaços. "Muitas vezes realizo escavações, escavo a parede dos espaços e as uso como matéria-prima em meu próprio trabalho. Realizo instalações, pinturas, é um campo muito grande", afirma.

Uma das matérias-primas de Manoela Medeiro é justamente uma anti-matéria: as ruínas, as memórias. "Evoco essas presenças de diferentes formas, muitas vezes pela própria ação da ruína - por exemplo, a decomposição de uma matéria orgânica ou de uma parede. A ruína me interessa muito a partir de sua ligação com a arqueologia, que mostra o tempo todo que as histórias são contadas de diferentes pontos de vista", analisa a artista.

Toda vez que a gente descobre uma nova escavação, toda a História é recontada", lembra a artista. "Para mim os arqueólogos são como astronautas da Antiguidade", diz. "Isso mostra que o mundo está em constante mutação e disputa de narrativas", diz Manoela.

Muros que desabam

O muro parece ser uma alegoria, uma metáfora da contemporaineidade dentro da obra de Manoela Medeiros, cuja última exposiçõa, em Marselha, em 2017, se chamava Falling Walls, ou seja, muros que desabam, que caem.

"O muro é físico, mas ele está instrínseco em diferentes formas invisíveis das relações humanas. Como vestimos nossa personalidade, como nos apresentamos no meio dos preconceitos, então, a ideia foi mesmo de quebrar esse muro. Não é só o espaço da galeria que está sendo quebrado", diz.

"Isso também significa quebrar estereótipos, pressupostos. Todas estas relações são intrínsecas", completa. Na obra de Medeiros, existe um gesto de arqueologia, com sobreposições e escavações, mas também uma intenção de performance, quando ela desloca e ressignifica fragmentos urbanos em seus trabalhos.

"As escolhas são feitas em locais abandonados, ruínas, mas não ruínas históricas. Me interessam casas que são abandonadas, que foram pintadas por mãos que eu não conheço, com escolhas pré-definidas. Uma ruína é um estado da arquitetura muito vivo, ela permite que a chuva entre, que os insetos comecem a tomar conta desse espaço e a também modificar essa superfície", conclui.

 

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura

Vik Muniz: “Depois do modernismo, virou tabu falar de religião em arte”

Monólogo de ator brasileiro em Avignon resgata canções desconhecidas de Pasolini, entre erotismo e engajamento

Ricupero: Bolsonaro nomear filho embaixador nos EUA “é chocante e sem precedentes”

Rodrigo Ferreira: dos templos evangélicos no Brasil à cena lírica internacional

“O combate à corrupção no Brasil é uma mentira”, diz sociólogo Jessé Souza

Christiane Jatahy em Avignon: “Há no Brasil um pensamento ditatorial para calar a diferença”

“ONU está em alerta para acolher defensores de direitos humanos do Brasil”, diz deputada Renata Souza

“Lutamos tanto para conquistar um pouco de direitos humanos e a gente vai retirar isso?” questiona Marcelo D2 em entrevista em Paris

Acordo UE e Mercosul não é motivo para ufanismo em queda de preços, diz ex-embaixador Graça Lima

Tecnologias do semiárido brasileiro podem ajudar a alimentar imigrantes venezuelanos na Colômbia

"Governo de divisão social, oposto dos anteriores", diz autor de livro sobre Bolsonaro

Advogada do Consulado em Los Angeles analisa situação de brasileiros sem documentos nos EUA

"O ator precisa ter cartas na manga", diz Letícia Spiller sobre carreira de cantora

Brasil não é um dos países que mais usa agrotóxicos, isso é “balela”, diz ministra Tereza Cristina

“Bolsonarismo é uma articulação de radicalismo liberal com autoritarismo social”, diz professor da UERJ

Intolerância a valores progressistas pode impactar na publicidade, diz pesquisadora