rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Nazaré Pereira, pioneira do forró na França, revela um “outro Brasil”

Por Adriana Brandão

A cantora brasileira Nazaré Pereira, disco de ouro na França nos anos 80 com a música "Amarelinha", ou "La Marelle", é considerada a pioneira do forró na França. Ela é uma das convidadas de honra do festival “Primavera do Forró de Toulouse”, que começa nesta terça-feira (21) e há cinco anos promove a cultura do nordeste brasileiro na cidade do sudoeste da França.

A veterana Nazaré Pereira mora na França desde o final dos anos 70. Atriz, formada pelo conservatório de arte, ela atravessou o Atlântico para fazer uma pós-graduação na Sorbonne e adora dizer que começou a cantar por acaso. “A música foi para pagar o sanduíche. Comecei a cantar nas praças, nos bares. Catava bossa nova, samba como todo mundo. O sucesso veio depois que cantei o forró “Cheiro da Carolina” (de Zé Gonzaga e Amorim Roxo) em um casamento. Todos os convidados dançaram e no dia seguinte tinha fila no “Jazz do Brasil”, o bar onde eu cantava em Paris”, lembra.

A cantora não se considera a pioneira do forró na França e ressalta que, antes dela, outros artistas, como Teca Calazans, revelaram o ritmo para o público francês. Mas concorda que ajudou a divulgar e a popularizar a música nordestina no país. “Ao falar do meu trabalho, os jornalistas diziam que eu mostrava ‘um outro Brasil’”.

“Cheiro da Carolina” foi o primeiro disco de Nazaré Pereira gravado na França. Depois vieram outras músicas e outros sucessos, como Amarelinha (1980). A cantora já tem 19 discos gravados na França e se prepara para lançar um CD no Brasil: “Faz uns cinco/seis anos que as portas se abriram para mim no Brasil. Inclusive em Belém, que é a cidade da minha família. Gravei um disco que será lançado em setembro. Aqui na França, ainda participo de festivais e faço shows, mas minha carreira deu uma pausa. Nem todo mundo é Roberto Carlos na vida”, brinca.

Primavera do Forró

No festival Primavera do Forró de Toulouse, Nazaré Pereira se apresenta no próximo sábado (25), ao lado de Lucas Notario e Corentin da sanfona. O evento, que já está na 5ª edição, divulgando a música e cultura nordestina na França, homenageia de 21 a 26 de maio a viola de dez cordas e também conta com a participação especial dos brasileiros Levi Ramiro e João Arruda. Esta edição 2019 integra a programação da 6ª Semana da América Latina e do Caribe, que acontece todos os anos em todo o país.

Nazaré Pereira lembra que existem outros festivais na Europa que programam a música nordestina e não se impressiona com o fato de que exista na França um evento dedicado ao forró: “o forró a gente considera do Nordeste, mas é uma música brasileira em geral. É uma coisa permanente. O Luiz Gonzaga marcou o Brasil inteiro. Que o ritmo entre na Europa com essa força toda é genial. Não digo que vai durar, pois já tivemos várias fases do samba, da lambada…”

Amazônia

A cantora brasileira, radicada na França, nasceu na Amazônia, em Xapuri no Acre, terra do Chico Mendes, e cresceu em Belém. Além da carreira de cantora, ela é embaixadora da Amazônia para a fundação Villas Boas. A cada show, ela sempre faz a promoção da região e da importância de sua preservação.

Por sua militância em defesa da Amazônia, Nazaré Pereira recebeu a medalha de “arts et lettres” do governo francês. “Tenho muito orgulho de dizer que luto pela Amazônia porque sou amazônida”, brinca. “Uma luta que tem que continuar e agora, com muito mais força”, conclui.

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae

Livro de brasileira radicada em Paris desmistifica glamour da capital francesa

Especialista da FAO alerta para contaminação do Aquífero Guarani no Brasil

Militares são os maiores defensores da Amazônia, diz novo embaixador do Brasil na França

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo