rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Modo de exercer o governo é inspirado no pior da ditadura”, diz professor brasileiro na França

Por RFI

O primeiro movimento social desde a eleição do presidente Jair Bolsonaro partiu das universidades, que realizaram uma greve e promoveram protestos na semana passada, contra cortes no orçamento da Educação. Mas não é apenas a situação financeira que preocupa: o governo sinaliza que pode intervir na escolha dos novos reitores das universidades federais, o que não ocorreu nem no período mais duro da ditadura militar.

“O modo de exercer o governo é inspirado claramente nas piores coisas que aconteceram durante a ditadura militar, depois do AI 5. Os anúncios são seguidos de medidas completamente arbitrárias”, afirma o professor-adjunto da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (EHESS), uma das mais prestigiosas instituições francesas, em Paris.

Em entrevista à RFI, o pesquisador em antropologia social chama a atenção para a publicação de um decreto no qual o presidente instaura a investigação da “vida pregressa” aos candidatos a reitores pelo governo. Garcia alerta para o risco de o governo interferir na escolha, que costuma ser feita por votação, da qual participam docentes, funcionários e estudantes da instituição. A eleição resulta em três nomes, submetidos à Presidência da República, que este seleciona um.

“Agora, fala-se em colocar pessoas de fora da lista, ou seja, interventores”, ressalta o pesquisador.

Ameaça à autonomia das universidades

Ele lembra que, durante a ditadura militar, os universitários brasileiros das mais diversas áreas se uniram contra interferências nas instituições. “Nesse momento, é reafirmada a autonomia universitária, que está sendo ameaçada atualmente. É um absurdo”, insurge-se. “No período mais autoritário do regime, quando houve prisões e espancamentos, também houve a implantação de cursos de pós-graduação que renovaram o panorama de exercício da profissão. É um paradoxo.”

Garcia destaca ainda que a ameaça de cortes de bolsas de estudos terá impactos não só na qualidade da pesquisa realizada no país, como na projeção internacional do Brasil. “Desde os anos 60, um vetor fundamental do dinamismo dos programas de pós-graduação do Brasil e da projeção do Brasil na cena internacional são as bolsas de estudos. Se elas forem atingidas, corremos riscos graves de perder posições conquistadas na competição internacional cientifica”, sublinha.

Para ouvir a entrevista completa, clique na foto ou assista o vídeo abaixo.

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura