rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Gastronomia Chefs Restaurante

Publicado em • Modificado em

“Mirazur é fronteira que une, não divide”: chef argentino de bistrô na França é eleito melhor do mundo

media
Ao centro, o chef argentino Mauro Colagreco, comemora o prêmio de melhor chef do mundo pelo ranking dos 50 Melhores Restaurantes. REUTERS/Feline Lim

Mauro Colagreco, chef argentino do restaurante francês Mirazur, eleito o melhor do mundo pelo ranking dos 50 melhores restaurantes, disse nesta quarta-feira (26) que sua vitória foi um "triunfo da cozinha francesa que sai do isolamento”. Colagreco falou com exclusividade à RFI.


O restaurante Mirazur, localizado em Menton, na Côte d'Azur, é o primeiro estabelecimento francês a conquistar esse título desde a criação, em 2002, do influente ranking dos 50 melhores restaurantes do mundo. O índice é frequentemente acusado, na França, de ser “antifrancês”.

"Éramos os favoritos, mas não acreditamos até o último segundo", explicou por telefone de Cingapura o chef cujo restaurante havia ficado em terceiro lugar no ranking no ano passado. "Por muitos anos, a França teve a imagem de uma cozinha muito introvertida, mas hoje ela se abre e se transforma. Há muitos chefs estrangeiros representando toda uma nova geração que deseja se estabelecer na França, que é apaixonada pela cozinha francesa, mas que deseja atuar com mais abertura", disse Mauro Colagreco.

Em entrevista à RFI, Mauro Colagreco afirmou que o restaurante Mirazur “amplia a fronteira”. “É um lugar de intercâmbio, com as riquezas naturais, entre as correntes marítimas frias e quentes, onde se encontram as zonas mais ricas de pesca”, lembrou.

“Aqui temos o mar e a montanha, é um lugar rico natural e culturalmente. Creio que esta mensagem da fronteira que une, e não que separa, é muito importante num contexto onde os países e as pessoas continuam fechados sobre si mesmos, com este medo dos outros e essa radicalização”, conclui o chef, casado com uma brasileira.

"Na França, há jovens chefs criativos, com um visual muito mais aberto em comparação com o que a culinária francesa tinha 10 a 15 anos atrás", acrescentou.

Rivalidade

Perguntado se foi alvo de ciúme de seus colegas na França, o argentino enfatizou que não era "uma questão de rivalidade". "É um triunfo da culinária francesa", disse ele. Tendo acompanhado a cerimônia de Cingapura, o chef de 42 anos, que também tem origem italiana, subiu ao palco com o anúncio de sua vitória brandindo um enorme cartaz representando quatro bandeiras: as da Argentina, do Brasil, da França e da Itália.

Nascido em La Plata, Mauro Colagreco chegou à França em 2001 e foi treinado na escola dos grandes chefs: ele estudou com Bernard Loiseau, na Borgonha (Leste) até o suicídio de Loiseau em 2003, e com Alain Passard no L'Arpège em Paris, e Alain Ducasse no prestigioso Plaza Athénée.

Seu prato mais famoso é à base de beterraba, cozida em uma crosta de sal, cortada em finíssimas fatias como um carpaccio e coberto com caviar. Outra peculiaridade é que Colagreco serve pão como se fosse um prato à parte, subvertendo os códigos de um restaurante três estrelas Michelin, onde uma refeição pode custar até € 260, sem os vinhos.