rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Menstruação Mulheres Pobreza

Publicado em • Modificado em

Precariedade menstrual: quase 2 milhões de francesas não têm dinheiro para absorventes

media
Segundo o Instituto Francês de Opinião Pública (Ifop), 39% das mulheres em situação de precariedade no país não têm dinheiro para comprar absorventes. Flickr/ Creative Commons

Moradoras de rua, trabalhadoras pobres, estudantes… A precaridade menstrual atinge atualmente quase 2 milhões de mulheres na França. A questão está em debate no país onde vários coletivos e organizações feministas exigem do governo a gratuidade de proteções higiênicas.


“Talvez sejam apenas € 15 por mês, mas entre gastar € 15 em absorventes e € 15 em comida, a escolha está feita”. O depoimento desta estudante de 20 anos não é o único a chamar atenção nas redes sociais. Ao lado da hashtag #precaritemenstruelle (precariedade menstrual), as francesas revelam suas dificuldades para comprar o produto todos os meses.

Atualmente, na França, 8% das mulheres estão abaixo da linha da pobreza. Segundo uma pesquisa recente do Instituto Francês de Opinião Pública (Ifop), 39% das mulheres em situação de precariedade no país não têm dinheiro para comprar absorventes. Entre elas, uma a cada três não troca suficientemente suas proteções higiênicas. Na falta de absorventes, 17% dessas mulheres deixam de ir ao trabalho ou a um compromisso e 12% das adolescentes que enfrentaram esse tipo de situação faltaram à escola.

Uma mulher desembolsa € 23,5 mil (cerca de R$ 100 mil) durante toda a vida com o ciclo menstrual. O valor consta em um estudo britânico publicado no site Huffington Post do Reino Unido. O levantamento considera não apenas o valor de proteções higiências, mas também de gastos relacionados ao período, como a compra de analgésicos e roupas íntimas novas para substituir as manchadas de sangue.

Segundo associações francesas, se forem considerado apenas os gastos com absorventes, as mulheres gastam, em média, entre € 5 (R$ 21,48) e € 7 (R$ 30,08) por mês, mas esse número varia de acordo com cada caso. A militante feminista Axelle de Sousa, de 30 anos, sofre de menorragia e chega a desembolsar cerca de € 70 (R$ 300) a cada menstruação.

Meninas e mulheres por todo o mundo sofrem estigmas sociais causados pela menstruação. Pixabay

Uma questão de justiça social

Moradora sem-teto há dois anos, Axelle lançou na internet uma petição exigindo o reembolso de proteções higiênicas pela seguridade social francesa. Para ela, esse combate é uma questão de justiça social.

“O Viagra é reembolsado pela seguridade social, assim como os preservativos masculinos. Ou seja, o reembolso de absorventes não é algo  absurdo, sabendo que, se não os utilizarmos corretamente, podemos ter graves problemas de saúde e isso pode custar muito mais caro para o governo”, ressalta Axelle.

Ao divulgar sua petição nas ruas, a militante se deu conta do quanto a questão da precariedade menstrual é pouco tratada na França. “Muitos homens, ao aceitarem assinar o documento, se disseram surpresos com a possibilidade de mulheres não terem dinheiro para comprar absorventes. Outros me falaram: ‘se é assim, então por que não pediríamos também o reembolso de cremes dentais?’. Só que até mesmo os cremes dentais já são reembolsados pela seguridade social, embora pouca gente saiba disso”, reitera.

Segundo ela, esse tipo de comportamento se deve aos tabus em torno do ciclo menstrual ainda existentes na França. “Muitos homens consideram que a menstruação é sujeira. Eles esquecem que todos tiveram contato com esse sangue quando fetos. O mais irônico é que eles acham normal, por exemplo, que os homens façam xixi na rua. Aliás, as prefeituras instalam mictórios públicos em todos os lugares exclusivamente para os homens. Imagina se nós, mulheres, também sangrássemos em todos os lugares?”, diz.

A militante feminista Axelle de Sousa é autora de uma petição pelo reembolso dos absorventes higiênicos pela seguridade social francesa. Arquivo Pessoal

Vai sangrar: menstruar é normal

Ça Va Saigner ou Vai Sangrar: esse é o nome de um coletivo que propõe mostrar o quanto menstruar é normal. Dentro desta ideia, um grupo formado por mulheres e também por homens simpatizantes da causa publica em sua conta no Instagram fotos em locais públicos com roupas manchadas de sangue.

“Em um primeiro momento, queremos chamar a atenção para a existência da precariedade menstrual na França. Mas também pretendemos realizar coletas de absorventes e ateliês para que as mulheres possam elas mesmas fabricar suas próprias proteções menstruais”, afirma Selma Anton, integrante do coletivo.

Segundo ela, a precariedade menstrual é um problema que a maioria das mulheres enfrenta em determinados períodos da vida. A própria militante e muitas de suas amigas já passaram pela situação de não poder arcar com os custos relacionados à menstruação.

Por isso, para o coletivo, mostrar suas roupas manchadas de menstruação nas redes sociais é uma forma de discutir a questão. “Não falamos suficientemente sobre esse tema. Por isso, quando publicamos fotos com as roupas manchadas, algumas pessoas se chocam. Afinal, a menstruação ou é escondida ou é representada pelas mídias de forma errada, com cores e texturas diferentes. Pouco se fala sobre isso, mesmo que seja algo que a metade da humanidade vive todos os meses”, ressalta.

A estratégia tem dado certo. Através das imagens, Ça Va Saigner tem obtido sucesso em incentivar o debate sobre a questão, ainda que uma parte da opinião ainda seja resistente. “Muita gente se preocupa que a gente possa ‘sujar’ espaços públicos durante as nossas ações. Nosso objetivo não é manchar os lugares, nunca fizemos isso. O que queremos é chamar atenção para a realidade da precariedade menstrual. Mas as pessoas se atêm a um determinado detalhe porque se sentem inconfortáveis ao enfrentar um tabu”, explica.

Integrantes do coletivo feminista Ça Va Saigner (Vai Sangrar). Ça Va Saigner/Instagram

Combater o preconceito através de ações

Outros coletivos e Ongs vêm combatendo tabus através das ações que realizam. É o caso da associação Règles Élémentaires, que realiza coletas de absorventes menstruais em Paris, Lyon, Bordeaux, Marselha, Estrasburgo e em Bruxelas, na Bélgica. De acordo com a presidente Tara Heuzé, não é raro enfrentar situações em que homens acreditam que a precariedade menstrual é um problema apenas das mulheres.

“No centro técnico de uma grande empresa francesa na qual organizamos uma coleta recentemente, o diretor de comunicação enviou o e-mail sobre essa ação apenas às mulheres que trabalham no local, onde 85% dos empregados são homens. É uma pena porque todos podem lutar contra a precariedade menstrual, não apenas as mulheres”, observa Tara.

Por isso, a militante afirma que, além de ajudar a distribuir absorventes a mulheres em situação de precariedade, a associação também tem o objetivo de quebrar o tabu da menstruação. A meta vem sendo cumprida:  em três anos e meio de atuação, Règles Élémentaires conseguiu mobilizar uma parte importante da sociedade, entre empresas, escolas, prefeituras e voluntários que se engajam na causa.

No total, com mais de 500 ações, a associação coletou e redistribuiu mais de 1 milhão de produtos de higiene íntima, beneficiando mais de 35 mil mulheres na França e na Bélgica. Em breve, uma equipe começará a trabalhar em Genebra, na Suíça. “Isso mostra que, apesar do preconceito que ainda existe, progressos estão sendo realizados e a sociedade está evoluindo na boa direção”, comemora Tara.

Coletas de absorventes realizadas pela associação francesa Règles Élémentaires. Règles Élémentaires/Instagram

Gratuidade de absorventes menstruais

O debate sobre a precariedade menstrual na França teve início em 2015, quando organizações e militantes feministas começaram a protestar sobre os impostos sobre absorventes menstruais. Pressionado, o governo diminuiu as taxas de 20% para 5,5%.

Neste ano, durante a Jornada Mundial de Higiene Menstrual, em 28 de maio, Marlène Schiappa, secretária de Estado encarregada da Igualdade entre Mulheres e Homens, anunciou uma nova estratégia para combater o problema na França. Segundo ela, uma missão de experimentação da gratuidade de absorventes em locais públicos e em espaços coletivos será realizada nos próximos meses.

Em dezembro, a senadora francesa Patricia Schillinger também apresentou uma emenda ao projeto de lei das finanças de 2019, para a gratuidade de absorventes às mulheres em situação precária no país. O projeto prevê a instalação de distribuidores nas escolas públicas, hospitais e prisões.