rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Vinho Bordeaux

Publicado em • Modificado em

Vinhos de Bordeaux saem de moda e vendas despencam

media
Com reputação em baixa, vendas de vinhos de Bordeaux recuam Pixabay

Os profissionais da vinicultura estão cada vez mais preocupados com a queda nas vendas dos vinhos de Bordeaux. As mudanças de hábitos dos consumidores, mas também atores climáticos, que afetaram recentemente a qualidade da bebida, são algumas das razões para perda de popularidade do produto tipicamente francês.


De acordo com Bernard Farges, novo presidente do Conselho Interprofissional dos vinhos de Bordeaux, o setor vive uma “crise brutal”. Segundo números oficiais divulgados pela entidade em abril, o faturamento em termos de exportação cresceu 4% graças ao aumento nas vendas de garrafas mais caras. No entanto, esse dado esconde uma realidade mais complexa: o volume de exportações sofreu uma queda de 13% em um ano.

Eleito durante a Assembleia Geral da organização, que acontece nesse momento na cidade de Bordeaux, Farges explica que a bebida sofre com uma série de problemas. O primeiro deles é climático, pois a geada que afetou as plantações em 2017 provocou uma perda de 40% na colheita. Além disso, o mercado chinês, grande consumidor de Bordeaux, vem desacelerando diante da concorrência de vinhos australianos e chilenos.

Bordeaux perde espaço para rosés e espumantes

No entanto, o que mais preocupa os profissionais do setor é a questão da imagem dos vinhos de Bordeaux. Muitos consideram a bebida cara e, ao comprarem garrafas mais baratas, se decepcionam com a qualidade.

Esses fatores são reforçados por uma mudança de hábitos generalizada. “As tendências de consumo evoluem. Os franceses preferem cada vez mais o vinho rosé, o branco ou os espumantes”, explica Allan Sichel, que deixa a presidência do Conselho Interprofissional dos vinhos de Bordeaux.

Diante da situação, os profissionais do setor imaginam soluções para reconquistar o público e atrair uma nova clientela. Uma das opções propostas é o lançamento de operações de comunicação para eliminar os estoques, com a criação de uma festa nos em 24 e 25 de janeiro, dia de São Vicente, o padroeiro dos vinicultores.