rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

Por Lúcia Müzell

A literatura francesa sempre teve um espaço preponderante no Brasil. Victor Hugo, Albert Camus, Gustave Flaubert. A lista de escritores admirados pelos brasileiros é longa e inclui também Honoré de Balzac. Glória Carneiro do Amaral, professora da Universidade Presbiteriana Mackenzie e especialista no autor de Ilusões Perdidas, realiza pesquisas em Paris para participar de um projeto de reedição da obra do francês no Brasil.

Escritor do cotidiano e da sociedade francesa do século 19, o “pai do realismo” era um homem conservador, monarquista numa França que poucas décadas atrás tinha acabado de decapitar a cabeça do rei, mas que ainda hesitava em instaurar a República e cogitava voltar ao Antigo Regime.

“Ele explorou todas as veias desse período: fala da aristocracia, da burguesia, do funcionalismo público. Era fiel ao que ele estava falando, o momento da Restauração na França”, explica Gloria.

Balzac é conhecido por ser um escritor fervoroso: em 20 anos, escreveu 90 novelas, 30 contos e 5 peças de teatro – o que críticos da sua obra associaram à sua obsessão em se tornar rico e famoso. Glória, porém, discorda. “Ele tinha esse desejo, mas na verdade tinha uma pulsão de retratar a França do século 19, sob todos os aspectos: religiosos, místicos.”

“Balzaquiana”: expressão popular no Brasil, mas desconhecida na França

A pesquisadora constata que, embora vasta, a obra de Balzac é pouco conhecida no Brasil – ao contrário da expressão “mulher balzaquiana”, que faz referência ao seu romance A Mulher de 30 Anos.

“É curioso porque essa expressão, aqui na França, não se usa muito. A ‘balzacienne’ é uma pesquisadora em Balzac. Eu sou uma balzacienne”, observa a professora da Mackenzie. “No Brasil, se tornou sinônimo de uma mulher madura – que hoje nem é mais uma mulher de 30 anos, mas, graças a todos os produtos [de beleza] e tudo mais, poderia ser uma mulher de uns 50. Uma cinquentona”, brinca a doutora em Língua e Literatura francesas.

 

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura