rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

Por Lúcia Müzell

A literatura francesa sempre teve um espaço preponderante no Brasil. Victor Hugo, Albert Camus, Gustave Flaubert. A lista de escritores admirados pelos brasileiros é longa e inclui também Honoré de Balzac. Glória Carneiro do Amaral, professora da Universidade Presbiteriana Mackenzie e especialista no autor de Ilusões Perdidas, realiza pesquisas em Paris para participar de um projeto de reedição da obra do francês no Brasil.

Escritor do cotidiano e da sociedade francesa do século 19, o “pai do realismo” era um homem conservador, monarquista numa França que poucas décadas atrás tinha acabado de decapitar a cabeça do rei, mas que ainda hesitava em instaurar a República e cogitava voltar ao Antigo Regime.

“Ele explorou todas as veias desse período: fala da aristocracia, da burguesia, do funcionalismo público. Era fiel ao que ele estava falando, o momento da Restauração na França”, explica Gloria.

Balzac é conhecido por ser um escritor fervoroso: em 20 anos, escreveu 90 novelas, 30 contos e 5 peças de teatro – o que críticos da sua obra associaram à sua obsessão em se tornar rico e famoso. Glória, porém, discorda. “Ele tinha esse desejo, mas na verdade tinha uma pulsão de retratar a França do século 19, sob todos os aspectos: religiosos, místicos.”

“Balzaquiana”: expressão popular no Brasil, mas desconhecida na França

A pesquisadora constata que, embora vasta, a obra de Balzac é pouco conhecida no Brasil – ao contrário da expressão “mulher balzaquiana”, que faz referência ao seu romance A Mulher de 30 Anos.

“É curioso porque essa expressão, aqui na França, não se usa muito. A ‘balzacienne’ é uma pesquisadora em Balzac. Eu sou uma balzacienne”, observa a professora da Mackenzie. “No Brasil, se tornou sinônimo de uma mulher madura – que hoje nem é mais uma mulher de 30 anos, mas, graças a todos os produtos [de beleza] e tudo mais, poderia ser uma mulher de uns 50. Uma cinquentona”, brinca a doutora em Língua e Literatura francesas.

 

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni