rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Imprensa Carne laboratório

Publicado em • Modificado em

Startup francesa inicia produção do primeiro protótipo de foie gras artificial

media
O jornal Libération desta quarta-feira (31) traz matéria sobre o desenvolvimento da carne artificial. Fotomontagem RFI

O jornal Libération desta quarta-feira (31) destaca o papel fundamental que terão os laboratórios de fabricação de carne artificial. As proteínas cultivadas in vitro estão na mira dos investimentos de várias empresas e já evoluíram muito desde que o pesquisador holandês Mark Post apresentou ao mundo o primeiro hambúrguer feito em laboratório, em 2013. A experiência, financiada por Sergey Brin, co-fundador do Google, foi resultado de 5 anos de pesquisa e surgiu a partir da reprodução de células-tronco bovinas, cultivadas e alimentadas com nutrientes em laboratório. Na França, uma startup começou a produzir o primeiro protótipo de foie gras artificial.


No mundo todo já são quase 40 startups investindo nessa tecnologia. A maioria em países como Estados Unidos, Holanda, Alemanha, ou ainda Israel, um país marcado por uma forte pressão de ONGs de defesa dos animais. O jornal lembra que, por enquanto, essas empresas só divulgaram protótipos. Segundo Nathalie Rolland, especialista em agricultura celular e ex-pesquisadora da universidade de Maastricht, as primeiras carnes artificiais chegarão às mesas de restaurantes daqui a dois anos, antes de chegar definitivamente aos supermercados.

A França não faz parte dos primeiros países a ingressar no setor, mas uma primeira startup acabou de entrar na corrida: batizada de Suprême, ela montou seus escritórios no polo de tecnologia da cidade de Evry, a 26 quilômetros de Paris. “Vamos produzir o primeiro foie gras vindo da agricultura celular”, destacou, empolgado, Nicolas Morin-Forest, um dos três sócios da companhia. “As células utilizadas em nosso laboratório vieram de um só ganso. Precisamos de apenas 3 semanas para produzir um foie gras em laboratório, quando a forma tradicional leva 3 meses”, explicou o francês.

Fim do sofrimento animal

Nathalie Rolland lembra também que para produzir as carnes artificiais, não é necessário matar nenhum animal. “É preciso somente extrair algumas células-tronco fazendo uma biopsia indolor para o boi, no caso da carne bovina”, explicou a especialista. O procedimento é o mesmo em outras espécies.

Libé lembra que existe também o argumento ecológico e sanitário a favor da nova prática. A carne de laboratório não exige a necessidade de criações, nem o transporte e abate de animais. A agricultura celular poderia consideravelmente diminuir as emissões de CO2 na atmosfera vindas da criação tradicional de animais. “O maior controle de produção poderá também diminuir os riscos patógenos, como a presença de bactérias”, afirmou o economista Nicolas Treich.

Essa é também a avaliação do co-fundador da startup Suprême, Nicolas Morin-Forest. “Os produtos são fabricados em um ambiente controlado, longe de abatedouros onde os riscos de contaminação, por exemplo, pela salmonela, são grandes. Vale lembra que a carne artificial oferece as mesmas propriedades nutricionais que a tradicional, sem a presença de hormônios e nem antibióticos”, concluiu Nicolas.