rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

PSG aposta em experiência imersiva para atrair visitantes ao Parque dos Príncipes

Por Stephan Rozenbaum

Para aproveitar os milhões de turistas que passam pela Cidade Luz, o Paris Saint-Germain voltou a abrir suas portas. Desde 2012, os fãs de futebol que chegavam na frente do estádio Parque dos Príncipes acabavam voltando para casa, ou para o hotel, frustrados. Mas agora, tudo mudou. O clube com o maior número de títulos acaba de lançar o PSG Experience. Segundo os idealizadores, o objetivo do projeto é ir além de um simples tour e oferecer ao torcedor uma experiência imersiva, graças às novas tecnologias.

De acordo com o clube, a experiência proposta é "a primeira do mundo para um clube de futebol. É baseada nas mais recentes tecnologias em realidade virtual e vídeos imersivos". Mas antes de chegar nessa parte, os visitantes, principalmente as crianças, buscam olhar para aquela luz no fim do corredor onde, de longe, é possível observar o gramado. No entanto, os torcedores mirins precisam segurar a ansiedade, já que a tão esperada entrada no campo só acontece no final do tour.

Depois de conhecer as arquibancadas do estádio, e principalmente observar os lugares VIPs, a primeira grande parada acontece na “Avenue du Parc”. “ Este lugar é chamado assim pois se parece com uma avenida chique de Paris. Esse espaço foi reformado recentemente. Se vocês observarem as luminárias, perceberão que são réplicas das que eram usadas na Avenida Champs-Elysées no passado”, explica o guia Jeremy. O lugar tem pequenas salas, de cada lado da “avenida”, com o nome de grandes empresas na entrada de cada uma. “É um espaço mais reservado, sem vista para o gramado, onde os patrocinadores podem fazer negócios”, conta.

A "Avenue du Parc" onde as empresas fazem negócios dentro do estádio Stephan Rozenbaum / RFI

Não muito longe dali, uma porta fechada intriga. O guia explica que ali fica o camarote do emir do Catar, Tamim ben Hamad Al Thani, único acionista do PSG.

Interação com os visitantes

A visita continua pela sala de imprensa, onde acontecem as entrevistas coletivas. O guia brinca com o público, fazendo perguntas de conhecimento sobre o clube. “Qual o nome do atual técnico do PSG?”, indaga Jeremy. Um turista americano diz “Laurent Blanc” e o público francês sorri. Teve até uma pergunta que ninguém soube responder: “Quem é o jogador francês que mais marcou com a camisa do clube? ” A resposta certa é Dominique Rocheteau, um ex-futebolista que começou sua carreira no AS Saint-Étienne e se manteve como o maior artilheiro do PSG até os anos 2000, antes de ser ultrapassado por Pauleta, Ibrahimovitch e por fim Cavani, atual artilheiro de todos os tempos.

Chega então o tão aguardado momento: a entrada no “mais bonito gramado da Europa”, segundo o guia. “O nosso gramado é tão bom que em 2014, quando recebemos o Barcelona, o presidente do time catalão disse ao presidente do PSG que gostaria do mesmo no Camp Nou. No que o presidente respondeu: ‘é impossível, só nós temos o jardineiro”, conta Jeremy.

Visitantes entram no campo do Parque dos Príncipes Stephan Rozenbaum / RFI

Realidade virtual

Após a visita do estádio, os participantes recebem um cartão que dá acesso à sala de realidade virtual, que fica no andar de cima da loja do clube. Graças às mais recentes tecnologias em realidade virtual e vídeos imersivos, é possível colocar as luvas de Gianluigi Buffon e defender chutes de Neymar e Mbappé, reviver o último clássico disputado contra o Olympique de Marseille, remar no Rio Sena com os jogadores do time e até sobrevoar o estádio, deitado em um simulador.

Garoto sobrevoa a cidade de Paris e o estádio do PSG em um simulador de realidade virtual Stephan Rozenbaum / RFI

A turista Anna, que veio com o marido e amigos da Guyana Francesa para conhecer os mais importantes estádios da Europa, não esconde que o seu favorito foi o Camp Nou, mas admite que o Parque dos Príncipes é o mais luxuoso: “Fizemos um tour por várias arenas, começando pela capital da Catalunha, passando por Marselha, Mônaco, e deixamos o melhor por último. É Paris, claro, ‘Paris é mágico’”, diz a torcedora usando um dos bordões do clube. “O Parque dos Príncipes me parece o mais luxuoso de todos os estádios por onde passamos. Mas, o lugar que mais me impressionou foi o Camp Nou, que é imenso”, confessa a turista.

PSG deixa para trás seu principal rival

Seu marido, Roberto, não podia deixar de dar uma alfinetada nos eternos rivais de Marselha: “Quando chegamos aqui no PSG, não podíamos deixar de notar toda a classe e o luxo presente neste clube. É impressionante. Não esperava por isso. Estive em Marselha, achei que não era nada mal, mas aqui em Paris, é outro nível, está em um patamar acima.”

Vestiário do PSG Stephan Rozenbaum / RFI

O PSG Experience está aberto diariamente, exceto em dias de jogos. Durante o verão, a atração funciona das 9h às 20h. No inverno, das 10h às 18h. A entrada custa € 27,50 e tem preço reduzido para menores de 13 anos e maiores de 65, que pagam € 17,50.

O Parque dos Príncipes fica na rue du Commandant Guilbaud e a parada de metrô mais próxima é a Porte de Saint-Cloud.

Atletas brasileiros contam como driblaram calor extremo no Mundial de Atletismo de Doha

2019: o ano em que o futebol feminino finalmente ganha mais espaço e respeito

Brasileira concorre a prêmio da Fifa por narrar jogos para filho portador de deficiência

Atividades esportivas gratuitas agitam verão parisiense com evento Paris Plages

Autonomia para árbitros punirem clubes com derrota diante de atos racistas é um avanço, diz Observatório

Futebol feminino dos Estados Unidos: títulos, polêmicas e admiração popular

Jogo do Brasil contra França vale vaga nas quartas da Copa e quebra de jejum

Copa do Mundo feminina: Brasil atrai torcedoras pela primeira vez aos estádios

"Realizei um sonho de criança”, diz tenista brasileiro de cadeira de rodas em Roland Garros

Roland Garros atrai turistas brasileiros, mas tenistas do país decepcionam

Roland Garros tem estreia de quadras e apenas um brasileiro na briga pelo título de 2019

Finais europeias só com times da Inglaterra: o que explica o atual sucesso do futebol inglês?