rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Tunísia : Boca de urna aponta vitória do professor Kais Saied

França Futebol Neymar PSG Paris Saint-Germain (PSG)

Publicado em • Modificado em

"Fiz o possível para sair, mas infelizmente não deixaram" , diz Neymar sobre PSG

media
Neymar em ação neste sábado ao lado de Lamine Koné, do Racing Club de Estrasburgo (Foto: Reuters)

Na entrevista após o jogo em que marcou o gol da vitória de 1 a 0 do PSG sobre o Strasbourg, neste sábado (14), Neymar desabafou com os jornalistas. Comentou e ironizou as vaias recebidas dos torcedores durante toda a partida e falou pela primeira vez sobre sua tentativa frustrada de deixar o PSG.


Do enviado especial ao Parc des Princes

"É triste, mas sei que agora jogarei todos os jogos fora de casa", respondeu Neymar sobre ter jogado a partida inteira sendo hostilizados por boa parte das arquibancadas fo Parc des Princes. "Deixando bem claro que não tenho nada contra os torcedores, nada contra a entidade Paris Saint-Germain", acrescentou. "Para mim, não incomodou em momento nenhum. Se eles não gostam mais de mim, é triste, mas que me esqueçam e pensem em outros jogadores. Eu já sabia que ia enfrentar isso. Incomoda meus companheiros, mas ao final Deus é muito justo", falou, em referência ao gol marcado nos acréscimos da partida deste sábado.

Espontaneamente, Neymar evocou o assunto que dominou as manchetes do mercado de transferências por vários meses e motivo da revolta da torcida: sua tentativa frustrada de deixar o clube francês. "Todos sabem que era um desejo sim de sair e eu queria isso. Não vou entrar em detalhes do que aconteceu, das negociações. As pessoas, tanto o presidente daqui (do PSG) sabe o que ele fez e os outros (envolvidos) também. Isso é uma página virada", afirmou.

"Quando você não se sente bem em um trabalho, procura outro"

Neymar alegou motivos pessoais para querer deixar o clube, sem entrar em detalhes. Confessou que o problema era uma insatisfação pessoal e não relacionado com o clube ou seus dirigentes. "Quando você não se sente bem em um trabalho, procura outro, disse, esclarecendo não ter relação com jogadores ou com o clube. "Tive o meu motivo, quis sair, deixei bem claro para todo mundo. Fiz o possível para sair mas, infelizmente não deixaram. Não vou entrar em detalhes do que aconteceu, mas isso é uma página virada", disse. O camisa 10 comentou que foi a primeira e a última vez que falou do assunto.

Gol de meia-bicicleta

Na sequência, ele falou estar com 100% de sua cabeça no PSG. "Minha cabeça se voltou totalmente ao Paris, como fiz nesses últimos dois anos. Infelizmente tive lesões muito sérias que me deixaram fora de campo. Não quero que se incomodem por mim, é triste, mas devem incentivar todo mundo". Neymar, que dedicou seu gol à mãe de seu filho Luca, que ganhou recentemente outro bebê, cimentou um gol inédito na carreira.

"Foi uma meia-bicicleta. Foi um dia diferente por por estar jogando em casa e ser vaiado, mas estava preparado e, no final, a luz divina, Deus conseguiu me abençoar e dar a vitória para todo mundo", contou. Em seguida, voltou a dar uma cutucada nos torcedores que o vaiaram: "A mesma boca que pita grita seu gol. Eles vaiaram o jogo inteiro, e no final tiveram que gritar gol. (risos). Mas faz parte e espero que eles fiquem bem. Não precisa gritar meu nome particularmente, que incentivem o Paris Saint-Germain que está bom demais", concluiu.