rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

A força militar se justifica para impedir massacres

Por Alfredo Valladão

“Líbia, Costa do Marfim, Síria, Iêmen, todos tem uma coisa em comum: governos ditatoriais dispostos a massacrar as suas próprias populações para continuar no poder. É claro que não é novidade. Só nos últimos vinte anos, tivemos o genocídio no Ruanda, o massacre de muçulmanos em Srebrenica na Bósnia, a repressão sangrenta na Birmânia, no Irã ou até na praça Tienamen em Pequim e por aí afora. A novidade, hoje, é que com os meios de comunicação modernos, todo mundo fica sabendo e assistindo ao vivo. E essa situação tornou este tipo de repressão moralmente insustentável para a grande maioria da opinião pública internacional. Tanto assim é, que a Assembléia Geral e o Conselho de Segurança da ONU resolveram adotar o princípio da “Responsabilidade de Proteger” as populações civis. O problema é a distância entre princípio e aplicação prática. Como e quando proteger, e quem deve fazê-lo?”

Ouça a crônica de política internacional de Alfredo Valladão.
 

Repúdio à corrupção é denominador comum das revoltas populares pelo mundo

Morte do líder do grupo Estado Islâmico deve ajudar reeleição de Trump

Traição de Trump aos curdos na Síria ameaça o mundo e pode custar sua reeleição

Sem distância entre juízes e políticos, não dá para limitar poder dos autocratas

Hong Kong acendeu “luz vermelha” em líderes do Partido Comunista chinês

A Amazônia “é nossa”? Sem dúvida. Mas soberania nunca significou fazer o que quiser

Mobilizações civis massivas e sem violência são único caminho para defesa da democracia

Opinião: Globalização digital está corroendo Estados-nações nacionais

Opinião: acordo com UE é chance para Mercosul ter mentalidade capitalista moderna

Trump está cavando a cova da autoridade americana, dentro e fora do país