rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Brasil França Imprensa Negociação Fusão

Publicado em • Modificado em

Jornal afirma que relações entre Diniz e Casino estão "degradadas"

media
O conselho de administração do Casino votou por unanimidade contra o plano de fusão. Flickr/Ludo29880

O assunto do fim do projeto de fusão entre a Companhia Brasileira de Distribuição (CBD), dona do Grupo Pão de Açúcar, e a rede francesa Carrefour voltou a ser abordado pelo jornal de economia Les Echos. O diário se questiona como ficarão as relações entre o empresário brasileiro Abílio Diniz e Jean-Charles Naouri, dono do Casino, sócio majoritário da CBD, agora que Naouri conseguiu bloquear o projeto de união da CBD com seu maior rival.


Depois de uma curta novela que durou três semanas, o conselho de administração do Casino votou por unanimidade contra o plano, à exceção de Diniz. Conforme Les Echos, as relações entre os dois empresários "se degradaram consideravelmente" desde o início do caso, com um acusando o outro de só pensar nos próprios interesses.

De acordo com o jornal, "mais do que nunca, agora o Carrefour vai dar prioridade à França". O mercado interno do Carrefour "vem se degradando" ao longo deste ano, cita Les Echos: houve queda de 3,3% das vendas no segundo trimestre, depois já terem registrado baixa de 1% nos três primeiros meses do ano.

Sarkozy sobe nas pesquisas

Já o jornal conservador Le Figaro dedica sua manchete desta sexta-feira para uma nova pesquisa pré-eleitoral, na perspectiva das eleições presidenciais de 2012. Conforme a sondagem realizada pelo instituto CSA, o presidente Nicolas Sarkozy recupera o eleitorado e seria vencedor do primeiro turno, com 27% dos votos, se o candidato socialista for o ex-secretário-geral do PS, François Hollande. Mas, se nas primárias, os socialistas escolherem a atual secretária-geral do partido, Martine Aubry, para concorrer com Sarkozy, os dois ficariam empatados com 26% no primeiro turno.

Le Figaro lembra que fazia seis meses que o presidente francês não obtinha resultados tão positivos nas pesquisas. Mesmo assim, o jornal destaca que ainda é muito cedo para o partido de Sarkozy, UMP, "cantar vitória".