rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Autoridade Palestina ONU Palestina UNESCO

Publicado em • Modificado em

Bandeira palestina é hasteada na Unesco em cerimônia simbólica

media
Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina, Irina Bovoka, diretor-geral da Unesco e oficiais participam da cerimônia de hasteamento da bandeira palestina, nesta quarta-feira. REUTERS/Benoit Tessier

Em uma cerimônia simbólica, a bandeira palestina foi hasteada nesta terça-feira, em Paris, em presença do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas e da diretora geral da Unesco, Irina Bokova. A Unesco foi a primeira organização da ONU a reconhecer os palestinos como membros de pleno direito.


Logo após o hasteamento, Abbas declarou em discurso que a adesão à Unesco é um primeiro reconhecimento da Palestina e expressou o desejo de que seja admitida também em outras organizações internacionais. “A adesão da Palestina à Unesco é um motivo de muito orgulho. A Palestina, terra onde se encontraram diversas civilizações, nasce de novo”, declarou.

A Unesco foi a primeira organização da ONU a acolher, no final de outubro, os palestinos como membros de pleno direito. A vitória diplomática dos palestinos, no dia 31 de outubro, foi simbolicamente importante na luta pelo reconhecimento do Estado Palestino. Somente 14 países da conferência Geral se opuseram à entrada, que foi efetivada no final de novembro, com a assinatura da Ata Constitutiva da Unesco.

O voto não agradou os Estados Unidos, que considera que a adesão dos palestinos a organizações internacionais só pode ser feita depois da assinatura de um acordo de paz com Israel. Em represália, Washington anunciou a suspensão do financiamento à Unesco privando a organização de 22% de seu orçamento. Leis americanas proíbem a Casa Branca de financiar uma agência da ONU que reconheça os palestinos como Estado.

Após a aceitação da Palestina como membro pleno, Israel também anunciou medidas de represália, como a colonização no leste de Jerusalém e na Cisjordânia e o bloqueio de fundos para a Autoridade Palestina. Posteriormente o Estado hebreu cedeu à pressão internacional e desbloqueou os fundos.

Mas a adesão à Unesco não teve até agora consequências na luta pela integração dos palestinos à ONU. A candidatura continua bloqueada no Conselho de Segurança. Segundo especialistas, os dirigentes palestinos devem se abster de pedir uma votação no Conselho de Segurança enquanto não tiverem certeza de contar com os 9 dos 15 votos necessários para sua candidatura.

A adesão também permite ao Estado palestino candidatar monumentos e lugares para Patrimônio Mundial da Humanidade. Os palestinos querem que a Igreja da Natividade em Belém e o Túmulo do profeta Abraão em Hebron, sejam façam parte do Patrimônio em 2012.

Após a cerimônia, Abbas deve se encontrar com o presidente francês Nicolas Sarkozy, antes de viajar para Londres e Ancara.