rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Itália: Nome de Giuseppe Conte, do movimento antissistema 5 estrelas, é indicado para dirigir o governo
Meio Ambiente
rss itunes

Saída do Canadá do Protocolo de Kyoto não surpreende especialista

Por Ana Carolina Peliz

O Canadá foi o primeiro país a anunciar sua retirada do protocolo de Kyoto, na segunda-feira, 12 de outubro. Desde que chegou ao poder no país em 2006, o governo conservador de Stephen Harper tem rejeitado suas obrigações perante o documento. Mas por que o Canadá, um país conhecido por seu engajamento ecológico, é exatamente o primeiro a abandonar o Protocolo de Kyoto? O aumento das emissões canadenses está relacionado à extração de petróleo derivado de areias betuminosas na província de Alberta, cuja produção está entre as mais nocivas para o meio ambiente. Especialistas acreditam que as reservas de petróleo acessíveis em Alberta poderiam chegar à quantidade colossal de 174,5 bilhões de barris - um volume maior do que a soma das reservas do Irã e da Líbia. Por isso, o país se arriscava a pagar multas bilionárias por não cumprir as metas estabelecidas no documento. Eduardo Viola, especialista em política internacional da mudança climática e professor de Relações Internacionais na Universidade de Brasília, afirma que a retirada do Canadá não é nenhuma surpresa. Viola acredita que ainda que o Canadá abandonasse o Protocolo de Kyoto, nada mudaria, porque o tratado não tem força para punir os que não o cumprem.

Descoberta de “corais da Amazônia” na Guiana Francesa amplia pressão contra projeto da Total

Aldeias pré-coloniais indicam maior ocupação da Amazônia antes do descobrimento

Reciclagem da água em escola pública de Brasília é destaque no Fórum Mundial

Paris: Fim do tráfego nas marginais do Sena tem impacto limitado na poluição

RFI visita a “Arca de Noé vegetal", o maior banco mundial de sementes na Noruega

Pesquisa: falta grave de água pode afetar Porto Alegre e Salvador até 2050

Desequilíbrios ecológicos podem levar febre amarela de volta às cidades

Terremoto seguido de tsunami pode voltar a acontecer na Europa, diz pesquisador