rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Meio Ambiente
rss itunes

Saída do Canadá do Protocolo de Kyoto não surpreende especialista

Por Ana Carolina Peliz

O Canadá foi o primeiro país a anunciar sua retirada do protocolo de Kyoto, na segunda-feira, 12 de outubro. Desde que chegou ao poder no país em 2006, o governo conservador de Stephen Harper tem rejeitado suas obrigações perante o documento. Mas por que o Canadá, um país conhecido por seu engajamento ecológico, é exatamente o primeiro a abandonar o Protocolo de Kyoto? O aumento das emissões canadenses está relacionado à extração de petróleo derivado de areias betuminosas na província de Alberta, cuja produção está entre as mais nocivas para o meio ambiente. Especialistas acreditam que as reservas de petróleo acessíveis em Alberta poderiam chegar à quantidade colossal de 174,5 bilhões de barris - um volume maior do que a soma das reservas do Irã e da Líbia. Por isso, o país se arriscava a pagar multas bilionárias por não cumprir as metas estabelecidas no documento. Eduardo Viola, especialista em política internacional da mudança climática e professor de Relações Internacionais na Universidade de Brasília, afirma que a retirada do Canadá não é nenhuma surpresa. Viola acredita que ainda que o Canadá abandonasse o Protocolo de Kyoto, nada mudaria, porque o tratado não tem força para punir os que não o cumprem.

Como a Dinamarca quer se tornar o primeiro país com agricultura 100% orgânica

Problema da água no Brasil não é técnico e sim cultural, diz especialista em recursos hídricos israelense

Diante de inércia dos governos, cresce mobilização cidadã contra mudanças climáticas

Sede da COP24, Katowice é exemplo da transição ecológica na Polônia

Fórum da Paz: somente cooperação global poderá conter a ameaça climática

Acabar com a demarcação de terras indígenas é um crime, uma catástrofe, diz ambientalista

"Bolsonaro teme que combate ao aquecimento global tire soberania brasileira da Amazônia", diz especialista

Ativistas veganos por trás de ataques aos açougues na França afirmam que ações violentas são necessárias

Portugal dá passos concretos em direção ao fim do uso de combustível fóssil

Ambientalistas analisam programas dos presidenciáveis: de desastrosos a simplistas, poucos passam pelo crivo

Franceses são obrigados a cortar milhares de árvores para instalação de fibra ótica