rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Meio Ambiente
rss itunes

Acordo sobre clima de Doha será irrelevante, diz especialista

Por Ana Carolina Peliz

Representantes de 190 países estão reunidos em Doha no Catar para negociar as condições de um segundo período do Protocolo de Kyoto. Apesar de cientistas afirmarem a necessidade de ações políticas urgentes contra as mudanças climáticas, não existem grandes expectativas de avanços representativos nas negociações.

Assinado em 1997, o protocolo de Kyoto é o único tratado que define metas obrigatórias de redução de gases do efeito estufa aos países industrializados com exceção dos Estados Unidos, que não ratificaram o documento. No ano passado, durante a cúpula de Durban, na África do Sul, a comunidade internacional se comprometeu sobre um segundo período de compromisso do protocolo, que chega ao fim no final de 2012. Mas ficaram pendentes questões como a duração ou o nível de redução das emissões, detalhes importantes que devem ser negociados em Doha. A UE reivindica um período de compromisso até o final de 2020, quando um novo acordo climático entraria em vigor. No documento, países emergentes e em desenvolvimento se comprometeriam a reduzir suas emissões de gases de efeito estufa. Mas representantes de países insulares, que serão duramente prejudicados pelo aquecimento global, querem que o Protocolo de Kyoto seja prorrogado por apenas cinco anos. Eles temem que metas climáticas pouco ambiciosas sejam estabelecidas por um longo período. Diferenças entre países ricos, emergentes do grupo BASIC, formado pelo Brasil, África do Sul, Índia e China, e países em via de desenvolvimento emperraram as negociações anteriores e poderiam atrapalhar em Doha. O Basic exige cortes mais ambiciosos nas emissões de gases do efeito estufa dos países ricos. Enquanto grandes emissores, como Canadá, Japão, Rússia e EUA alegam que o pacto da ONU só trará resultados quando impuser metas semelhantes a grandes nações em desenvolvimento, incluindo China e Índia, que são respectivamente o maior emissor e o terceiro maior. Segundo o especialista em negociações climáticas Eduardo Viola, ainda que a continuação de Kyoto seja acertada, ela será irrelevante do ponto de vista da mudança climática. Ouça a entrevista com Eduardo Viola.

Especialistas rebatem argumentos de cientistas que negam aquecimento global

Soberania da Amazônia é raro ponto de convergência entre esquerda e direita

Crescimento de energias renováveis bloqueia no mundo, mas avança no Brasil

Melhor sanção contra desmatamento é consumo consciente, afirmam especialistas

Contaminação por chumbo continua sendo ameaça após incêndio em Notre-Dame?

Greta Thunberg manda mensagem para jovens brasileiros: "é preciso se conscientizar sobre o que está acontecendo"

Levado pelos ventos, francês atravessa o Atlântico a bordo de um tonel

Em guerra contra o plástico, França resgata hábito de devolução de garrafas

Contestado na Europa e nos EUA, agrotóxico que reduz QI de crianças é liberado no Brasil

Observatório Espacial do Clima vai ajudar a identificar desmatamento clandestino

Pássaro degustado em estranho ritual gastronômico francês pode desaparecer

Após dinossauros, Terra pode estar em sexta extinção em massa de espécies

Receitas ensinam a fazer até desodorante caseiro para evitar produtos tóxicos

Carne sintética: revolução contra a poluição da pecuária ou demagogia?

Alta da demanda levanta dilemas da industrialização da agricultura orgânica

Paris agora tem guia de restaurantes sustentáveis inspirado no Michelin