rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Cisjordânia Faixa de Gaza Fatah Hamas Israel Mahmoud Abbas

Publicado em • Modificado em

Fatah reúne milhares para comemorar aniversário em Gaza

media
Bandeiras amarelas do Fatah tomaram Gaza nesta sexta-feira, celebrando os 48 anos da organização. REUTERS/Mohammed Salem

O Fatah reuniu milhares de manifestantes para comemorar seus 48 anos nesta sexta-feira em Gaza – uma demonstração de força inédita do partido do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. Esta foi a primeira vez que o Hamas, que governa a Faixa de Gaza, permitiu que o movimento rival de organizasse festividades no local, depois dos confrontos mortais entre os dois grupos em junho de 2007.


Fatah, que governa a Cisjordânia, e Hamas afirmaram que a celebração é uma etapa em direção à reunificação dos dois territórios sob uma mesma autoridade, conforme prevê o acordo de reconciliação assinado pelas duas facções em 2011.

Da Cisjordânia, Abbas fez um pronunciamento transmitido por telões. “A vitória está próxima e nós nos reencontraremos em Gaza em um futuro próximo”, disse. “Gaza é o primeiro território palestino que se livrou da ocupação e da colonização e nós exprimimos nossa vontade para que ele seja livre e faça parte do resto da nação”, reiterou.

O Hamas felicitou os 48 anos de aniversário do Fatah, considerando que a comemoração é “uma celebração da unidade nacional. “Essa atmosfera positiva é uma etapa para a restauração da unidade nacional”, anunciou o movimento.

Os manifestantes, entre os quais mulheres e crianças, gritavam os lemas do movimento, portando as bandeiras amarelas do Fatah, da Autoridade Palestina, além de cartazes com fotos de Abbas.

“Centenas de milhares de pessoas participam desta festa popular, é um plebiscito para afirmar que o Fatah é o pioneiro da luta palestina”, declarou a o porta-voz do movimento, Fayez Abu Eita.

Desde segunda-feira, integrantes e simpatizantes se instalaram na região de Gaza. O Fatah celebra oficialmente seu aniversário cada dia 1° de janeiro, para comemorar a primeira operação de guerrilha contra Israel, em 1° de janeiro de 1965.