rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Europa precisa agora da América Latina

Por Alfredo Valladão

“A América Latina nunca foi uma grande prioridade política ou econômica dos dirigentes europeus. O Velho Continente está às turras com tantos problemas internos, que é difícil pensar em outra coisa. Sem falar nas ameaças cada vez mais inquietantes que vêm do mundo árabe fronteiriço em ebulição e da recaída russa no autoritarismo e na velha estratégia de confrontos com o mundo ocidental. Só que os dirigentes europeus sabem que não vão poder sair do buraco sozinhos. E que vão ter que contar com a ajuda ou a boa vontade dos outros. Isto traz uma certa humildade e prudência por parte da Europa. Primeira área econômica mundial e super-potência no campo das normas e regulamentações internacionais, a União Européia está começando a aprender que não tem tanto cacife assim para impor suas próprias regras e códigos de conduta ao resto do planeta. Não tem jeito: se quiser aproveitar as oportunidades abertas pelo relacionamento com países parceiros mais dinâmicos, a Europa vai ter que aprender a ser mais flexível – mesmo a custa de passar por cima do seus todos poderosos lobbies regionais ou nacionais – e negociar mais de igual para igual.” Ouça a crônica de política internacional de Alfredo Valladão.

Opinião: Saída para oposição à Maduro passa por pressão sobre cúpula militar

Opinião: Trump adota “roteiro de faroeste político” para mobilizar eleitorado

Opinião: Novos líderes querem atacar velha mentalidade clientelista e rentista da América Latina

Opinião: Europa pode voltar a ser simples campo de batalha russo-americano

Opinião: Venezuela está virando a bola da vez de um novo tipo de Guerra Fria

Opinião: Crise dos coletes amarelos pode paralisar a França por muito tempo

Opinião: reivindicação permanente de igualdade faz parte do DNA dos franceses

Movimento francês dos coletes amarelos revela onda de rejeição inédita no país

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos