rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Acordo do Brexit recebe apoio preliminar do Parlamento britânico

Imprensa Imprensa Francesa transgênicos Xisto

Publicado em • Modificado em

Transgênicos e gás de xisto são assuntos da imprensa francesa

media
Le Monde e Le Figaro estampam questão dos transgênicos em suas capas RFI

OGM. A sigla para Organismos geneticamente modificados estampa tanto a capa do Le Monde quanto do Le Figaro nas edições deste fim de semana. Enquanto o diário conservador coloca nas costas do presidente François Hollande a questão política dos transgênicos, junto com a polêmica exploração do gás de xisto na França, Le Monde expande para uma discussão europeia mais filosófica.


"É preciso que paremos de esperar em vão que pesquisadores justifiquem uma escolha cujas motivações estão longe de serem simplesmente científicas", escreve o vespertino em editorial. Na visão do jornal, as verdadeiras questões são: "O que têm a ganhar ou perder os agricultores e consumid ores com a probição das biotecnologias vegetais?" e "Quão longe nossas empresas querem ir na domesticação da vida?".

O debate renasceu na última quinta-feira, quando o Conselho de Estado decidiu, pela segunda vez em dois anos, anular uma decisão ministerial de 2012 que proíbe o cultivo em solo francês do milho transgênico MON810, fabricado pela norte-americana Monsanto. O órgão avaliou que a decisão fere o direito europeu.

Ontem, François Hollande defendeu a moratória que, de acordo com ele, deve ser mantido "em nome do progresso" porque a França não pode permitir que uma cultura tenha impacto desfavorável em outras.

"Que se lixem os agricultores que exigem uma verdadeira reflexão sobre a questão dos organismos geneticamente modificados ou as empresas que, certas ou erradas, veem no gás de xisto um importante mecanismo de crescimento", critica Le Figaro.

Em editorial, o diário conservador faz uma defesa apaixonada da exploração do gás de xisto, atualmente proibida na França. O texto chama de absurda a oposição entre progresso e proteção do meio ambiente: "Ao proibir qualquer perfuração sob o argumento de que a fraturação hidráulica apresenta um risco ambiental, nós nos privamos do pontapé inicial que abre o caminho para o progresso industrial e conduz, gradualmente, à exploração limpa do gás de xisto".

Le Figaro alerta para o risco de um êxodo da indústria energética francesa que pressiona o governo pela liberação da exploração e começa a expandir suas operações nos Estados Unidos, onde a corrida do gás está lançada.