rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Acidente Alpes Cérebro Esqui Medicina Michael Schumacher Neurologia

Publicado em • Modificado em

Neurocirurgião brasileiro acredita na recuperação de Schumacher

media
O estado de saúde do ex-piloto alemão Michael Schumacher é crítico. REUTERS/Alessandro Bianchi

Após o grave acidente sofrido ontem pelo ex-piloto de Fórmula 1 Michael Schumacher, na estação de esqui de Méribel, nos Alpes franceses, multiplicam-se as especulações sobre o estado de saúde do alemão, que está entre a vida e a morte. Para o presidente da Sociedade de Neurocirurgia do Rio de Janeiro, Dr. Eduardo Barreto, o ex-piloto tem boas chances de sobreviver devido a seu bom condicionamento físico. Além disso, segundo o especialista, Schumacher está recebendo tratamento da neurocirurgia francesa, que ele considera como uma das mais capacitadas em todo o mundo.


O neurocirurgião explicou, em entrevista à RFI, que a recuperação das lesões cerebrais difusas, como a que o ex-piloto desenvolveu depois do trauma, dependem muito da evolução clínica e da idade do paciente: quanto mais jovem for o paciente, melhor é a sua capacidade de cura. "Schumacher é um atleta, ainda jovem, reconhecido por seu bom condicionamento físico, tem um organismo muito forte. Acredito que há uma chance grande para a sua recuperação".

O neurocirurgião destaca que o fato de Schumacher estar utilizando capacete no momento do acidente o salvou da morte imediata. "Se ele estivesse sem esse equipamento, provavelmente teria chegado morto ao hospital. Porque se o trauma for muito grande e afetar o tronco do cérebro, a pessoa morre imediatamente", ressalta.

Outros pontos a favor da saúde do alemão foi o rápido atendimento e o tratamento em um centro renomado de trauma e medicina intensiva, como é o Centro Hospitalar Universitário de Grenoble, no sudeste da França. "Só a evolução do tratamento é que vai mostrar se será necessária mais alguma intervenção localizada para drenar outros coágulos que podem se formar no cérebro", explica.

Dr. Eduardo Barreto não descarta, no entanto, que o ex-piloto sofra de sequelas do traumatismo e das lesões cerebrais causadas pelo mesmo. "Como vai ficar o estado de seu cérebro e se isso vai ter consequências mais graves, ainda é muito prematuro podermos tirar conclusões. Também não sabemos se há outras lesões secundárias, se ele quebrou uma perna ou braço, se feriu alguma víscera - o que poderia agravar seu estado".

O mais importante no momento, destaca o especialista, é que a equipe médica consiga reverter o inchamento do cérebro do atleta para retirá-lo do estado de potencial morte cerebral. "Se o edema entra em um estado irreversível, você pode ter uma maior pressão intracraniana. Assim, o cérebro acaba pressionando a própria vascularização, impedindo o fluxo sanguíneo e resultando na morte cerebral. A luta no momento é para mantê-lo vivo", sublinha.

Grave acidente

O ex-piloto de Fórmula 1 Michael Schumacher continua hospitalizado em estado crítico nesta segunda-feira. O alemão caiu e bateu o lado direito da cabeça em uma pedra quando esquiava em um circuito não-balizado, fora das pistas tradicionais, e sofreu um sério traumatismo craniano.

Nesta manhã, a equipe do Centro Hospitalar Universitário de Grenoble, responsável pelo tratamento de Schumacher, concedeu uma coletiva de imprensa , onde detalhou a evolução do estado de saúde do ex-piloto.

"Quando ele chegou ao hospital, nós constatamos que ele estava em uma grave situação, em coma, com sinais de hipertensão intracraniana. Um scanner cerebral mostrou hematomas intracranianos, além de contusão e um edema cerebral difuso. Nós o operamos para eliminar os hematomas, mas um scanner de controle pós-operatório mostrou, infelizmente, o aparecimento de lesões hemorrágicas difusas bilaterais", explicaram os médicos na entrevista coletiva.