rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Reino Unido reduz benefícios aos imigrantes da UE temendo invasão de búlgaros e romenos

Desde o dia primeiro de janeiro, imigrantes da Bulgária e da Romênia ganharam o direito de trabalhar legalmente em países da União Europeia em que ainda encontravam restrições. Entre eles, está o Reino Unido, que temia uma enxurrada de trabalhadores pouco qualificados com o fim das barreiras. Isso não ocorreu até agora. Mesmo assim, o governo britânico segue tomando medidas para desestimular a chegada de europeus.

Clique acima para ouvir mais informações do correspondente em Londres, Ulisses Neto

Parte dos políticos britânicos – de oposição e situação – assim como alguns veículos de imprensa locais fizeram um grande alarde antes do fim das restrições impostas para os trabalhadores da Bulgária e Romênia, que se tornaram membros plenos da União Europeia em 2007.

O governo búlgaro reagiu duramente ao que chamou de ‘histeria da extrema-direita’ e previu que apenas 8 mil cidadãos do país devem se mudar para o Reino Unido anualmente. Ainda é cedo para confirmar essa estimativa, mas de fato os voos da Bulgária e da Romênia têm chegado aos aeroportos de Londres de assentos vazios.

Precedente polonês

O governo britânico tenta evitar o que aconteceu em 2004, quando os poloneses obtiveram o direito de imigrar para o Reino Unido. Na época, as autoridades estimaram que o país receberia apenas 14 mil imigrantes e no final mais de um milhão de trabalhadores cruzaram o Canal da Mancha pressionando o mercado de trabalho inglês.

A diferença crucial entre os dois casos, segundo o próprio parlamento inglês, é que naquela época Reino Unido e Irlanda foram os primeiros países a autorizar a chegada de imigrantes poloneses. Desta vez, todos os outros oito países que aplicavam restrições aos romenos e búlgaros, incluindo França, Alemanha e Espanha, retiraram suas barreiras ao mesmo tempo.

Efeito colateral: menos benefícios para europeus

Para evitar que o cenário polonês se repita, o governo britânico decidiu dificultar o acesso aos programas sociais do país, que costumam atrair os imigrantes.

Desde primeiro de janeiro, imigrantes europeus no Reino Unido precisam esperar três meses antes de poder solicitar seguro-desemprego e outros benefícios sociais, como de moradia. Os próximos passos devem ser o acesso restrito ao sistema público de saúde e também ao child benefits, uma espécie de ‘bolsa família’ da Inglaterra. 

Outra ação é que a partir de agora, um imigrante que for pego pedindo esmolas ou dormindo na rua será extraditado e não poderá mais entrar no Reino Unido.

Acusado de inoperância, governo Bolsonaro testará apoio das ruas no domingo

Tsunami político na Áustria freia avanço da extrema direita do país nas eleições europeias

Em meio à tensão entre Irã e EUA, americanos se opõem a mais uma guerra

Festival de Cannes ainda está longe da paridade entre homens e mulheres no cinema

Aumento de tarifas americanas entra em vigor e deve acirrar guerra comercial entre EUA e China

China x EUA: guerra comercial de longo prazo é desafio para investidores

Após 48 horas de violência, entra em vigor cessar-fogo na Faixa de Gaza

Matteo Salvini visita Hungria para discutir "pacto europeu" com o nacionalista Viktor Orbán

Dia do Trabalho de tensão na Venezuela com manifestações pró e contra Maduro

Biden inicia campanha em Pittsburgh para conquistar operários que votaram em Trump

Espanha: Partido Socialista vence legislativas e extrema direita entra no Congresso

Ciclone Kenneth devasta ilha em Moçambique com ventos de mais de 200 km/h

"Direito internacional deve prevalecer à lei do mais forte", diz Putin após reunião com Kim Jong-Un

Morte de jornalista reabre ferida dos anos sangrentos na Irlanda do Norte