rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Giuseppe Conte é nomeado chefe de governo italiano
Saúde
rss itunes

Prótese de mão revolucionária permite que amputado recupere o tato

Por Leticia Constant

Pela primeira vez no mundo, um protótipo de mão criado por um grupo de cientistas europeus permitiu que um amputado recuperasse o tato. O estudo foi publicado na revista científica Science Translationel Medicine em 5 de fevereiro de 2014. O fato representa um avanço excepcional e uma esperança para milhões de amputados no mundo inteiro.

"Pela primeira vez uma prótese de mão restituiu a sensibilidade do tato em tempo real em um amputado, enquanto ele controlava um sistema sensorial", observa o professor Silvestro Micera, que dirigiu as pesquisas da equipe de cientistas no Centro de neuropróteses da Escola Politécnica Federal de Lausanne, na Suíça, e na Escola Superior Santa Anna de Piza, na Itália. O grupo é formado por médicos italianos, suíços, alemães e britânicos, que desenvolveu durante anos uma série de pesquisas sobre a prótese artificial e o toque, no quadro de um projeto chamado "Lifehand 2".

A cirurgia foi feita no final de janeiro de 2013 e, quase um ano depois, o teste clínico final foi realizado com sucesso no hospital Gemelli de Roma.

O paciente

Nove anos depois de perder a mão esquerda em um acidente em casa, manipulando fogos de artifício, Dennis Aabo Sorensen, de 36 anos, tornou-se o primeiro amputado a recuperar o tato.

"Foi incrível, de repente senti coisas que não sentia há nove anos, meus filhos estão achando genial, agora me chamam de 'homem dos fios' , ele diz, sorrindo, reconhecendo que o protótipo representou para ele um renascimento:  "Eu sinto a forma arredondada das coisas, eu sinto calor, eu sinto a maciez... Esse resultado foi totalmente novo para mim e de repente, quando estava fazendo os movimentos, eu pude sentir o que estava fazendo, ao invés de olhar o que estava fazendo".

Como funciona a prótese

Os testes científicos duraram quatro semanas, durante as quais foram implantados eletrodos finíssimos nos nervos periféricos do braço de Dennis. Havia diversos sensores ligados a cada tendão e a cada dedo da prótese. Estes sensores detectaram o nível de força do paciente quando tocava um objeto. Em seguida, esta informação foi utilizada para o envio de estímulos elétricos muito precisos em nervos diferentes a fim de restaurar, em tempo real, a verdadeira sensibilidade no sistema nervoso.

O grande desafio da cirurgia foi garantir que os eletrodos continuariam a funcionar quando fossem implantados no paciente, pois o risco de uma rejeição do tecido não estava descartado. Os eletrodos foram concebidos para serem implantados de forma transversal nos nervos periféricos - uma "première" mundial.

Este foi o primeiro passo rumo à mão biônica completa, capaz de restituir não apenas as funções básicas como também as sensações. Mas ainda serão precisos muitos anos para que a tecnologia esteja disponível para as pessoas amputadas.

Futuro

O cirurgião francês Christophe Mathoulin, um dos maiores especialistas do país em cirurgia da mão, considera que a cirurgia realizada pelos colegas europeus representa um avanço espetacular e se pergunta: "Será que no futuro as próteses artificiais serão tão perfeitas que poderão até mesmo substituir os implantes de mão?".

 

 

Jornada da Doença Celíaca na França alerta sobre intolerância grave ao glúten

Vinho: patrimônio cultural francês ou porta de entrada para o alcoolismo?

Uso inadequado de remédios provoca mais de 10 mil mortes por ano na França

Neurocientista francês explica mecanismos cerebrais da atenção e derruba mito do multitarefa

Falta de vacinação provocou epidemia de sarampo na França, diz infectologista

Pesquisadores franceses descobrem proteína que pode frear infecção da dengue

Com cerca de 18% de adultos obesos, França é campeã de cirurgia bariátrica na Europa

Brasileira ganha prêmio internacional com pele em 3D que substitui testes em animais

Cardiologista francês identifica proteína que pode provocar morte súbita

Células da glia vão revolucionar modelo do cérebro humano, diz neurologista francês

Brasil: apesar de lobby da indústria, nutricionistas lutam para promover alimentação adequada

Pesquisadores descobrem nova combinação de anticorpos que pode prevenir contaminação do HIV