rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Após Senegal, Costa do Marfim faz censo com computadores do IBGE

Por Rafael Araújo, correspondente da RFI na Costa do Marfim

 

Começou nesta semana, em Abidjan, o censo populacional da Costa do Marfim, o primeiro completamente informatizado graças a uma tecnologia brasileira. O Brasil emprestou cerca de 20 mil computadores de mão do IBGE para o Instituto Nacional de Estatística marfinense. Sem custos para o governo brasileiro, o empréstimo dos aparelhos representa uma economia de US$4 milhões para a Costa do Marfim. O presidente Alassane Ouattara e a primeira-dama foram os primeiros a responder ao censo, na segunda-feira (17).

 

Quando a guerra acabou, as autoridades marfinenses se prepararam para fazer o censo, já bastante atrasado, com questionários de papel mesmo. Mas em agosto de 2012 receberam um convite para ir ao Rio de Janeiro conhecer o censo do IBGE. A apresentação sobre os resultados e a metodologia do censo brasileiro os convenceu a adotar o modelo informatizado. Quando fizeram o pedido ao Brasil, os aparelhos estavam emprestados para o Senegal, mas depois seguiram para cá. Isso serviu para retomar a cooperação que estava meio parada desde a guerra civil, em 2011.

Cooperação

Costa do Marfim e Senegal optaram por usar a tecnologia brasileira porque, em primeiro lugar, no âmbito da cooperação sul-sul, os equipamentos são emprestados sem custo. Em segundo, a quantidade e o tipo de equipamento que o Brasil coloca à disposição atendem bem às necessidades desses países. Em terceiro, esse método é bem mais ágil. Com os computadores de mão, a transmissão dos dados ocorre durante a coleta de informação. Os primeiros resultados ficam prontos em três meses. No Senegal, a fase de coleta terminou na primeira semana de dezembro e os resultados preliminares vão ficar prontos já no fim deste mês.

Estimativa da população

O diretor do Instituto de Estatística, Ibrahim Bá, estima que a população atual esteja entre 23 e 25 milhões de habitantes. Cada recenseador vai entrevistar, em média, 1.000 pessoas. Ao todo, entre recenseadores, chefes de equipe e técnicos de informática, quase 30 mil pessoas vão trabalhar no censo marfinense. Os recenseadores foram contratados junto às comunidades onde farão as visitas. Isso reduz o custo de transporte, além do fato deles falarem a língua local. A taxa de analfabetismo é alta, em torno de 45%, e esse índice é até pior nas zonas rurais. Nem todos falam a língua oficial do país, que é o francês.

Todos os programas de organismos internacionais e as políticas públicas do governo dependem de dados estatísticos para serem efetivos. Hoje, eles trabalhavam com dados de 1998. Além disso, o censo servirá de base para a criação de um registro nacional de identidade. Cada marfinense vai ter um número de identificação, como o nosso CPF. Num levantamento feito em 2008, existiam 700 mil pessoas sem qualquer registro civil, certidão de nascimento, identidade, nada. Com a guerra, muitas crianças não foram registradas.

 

Israel: Netanhyahu acusado de tentar ganhar votos com promessa de anexar colônias

Com paridade entre mulheres e homens, nova Comissão Europeia é apresentada em Bruxelas

Parlamento britânico vota nova proposta para realização de eleições antecipadas

Portugal promove campanha por igualdade salarial entre homens e mulheres

Bolívia é recorde em feminicídio na América do Sul e tema entra para campanha eleitoral

Opositores ao Brexit travam batalha parlamentar e jurídica para adiar planos de Johnson

Alemanha: extrema direita avança em eleições no leste, mas ainda não é principal força política

Protestos “contra golpe” de Johnson levarão milhares às ruas no Reino Unido

"Vergonha de comprar": nova tendência sueca para preservar meio ambiente

Escalada de tensão na Faixa de Gaza a 20 dias de eleições gerais em Israel

Lorenzoni detalha à RFI decisão do Brasil de rejeitar ajuda do G7 para a Amazônia

Em Biarritz, Boris Johnson tenta ainda alternativa para um Brexit menos drástico

Crise italiana: presidente dá ultimato a partidos e quer novo governo até terça-feira

Incêndio destrói 500 mil hectares de vegetação na Bolívia e abala campanha de Evo Morales

Europa se prepara para liberar cannabis para tratar epilepsia em crianças

Derrota de Macri desarmaria trio Macri-Bolsonaro-Trump na América do Sul

Violência diminui em protestos em Hong Kong, mas movimento mantém reivindicações