rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Fato em Foco
rss itunes

Especialistas consideram improvável uma ligação entre o PCC e o Hezbollah

Por Daniella Franco

Uma matéria publicada no último fim de semana no jornal O Globo e reproduzida pela imprensa brasileira trouxe de volta o debate sobre as suspeitas de atuação de grupos extremistas no Brasil. Nos últimos anos, o governo brasileiro vem recebendo relatórios frequentes dos Estados Unidos alertando para a atuação de células terroristas na região da Tríplice Fronteira, área limítrofe entre o Brasil, a Argentina e o Paraguai.

Documentos da Polícia Federal aos quais o diário carioca afirma ter acesso apontariam que traficantes de origem libanesa ligados ao Hezbollah se associaram ao Primeiro Comando da Capital (PCC), a maior organização criminosa do Brasil, que atua principalmente nos presídios de São Paulo. De acordo com a reportagem de O Globo, a Polícia encontrou indícios de que o Hezbollah facilitaria o contrabando de armas ao PCC que, em troca, ofereceria proteção aos libaneses detidos no Brasil.

Contatada pela reportagem da RFI, a Polícia Federal não confirmou a existência desses documentos aos quais o jornal carioca teve acesso. A PF também não confirmou a descoberta de uma possível associação entre o PCC e o Hezbollah.

Sociedade improvável

Para o chefe do Departamento de Relações Internacionais da PUC de São Paulo, Reginaldo Nasser, uma sociedade entre o Hezbollah e o PCC é improvável. “Há toda uma conjuntura política muito específica no Líbano e, por não ter interesses políticos no Brasil, não vejo por que a organização libanesa se associaria ao PCC”.

Nasser lembra que o Hezbollah tem deputados e ministros atuantes no governo libanês, é uma organização reconhecida por uma boa parte do Oriente Médio e tem o objetivo político de controlar o poder do país. “O Hezbollah não é uma organização que atua internacionalmente. Ela exerce atividades no Líbano e nas fronteiras com Israel. Tudo o que se fala sobre o Hezbollah fora desse território ainda é pura especulação”, diz.

O professor reconhece, no entanto, que a organização libanesa e o PCC poderiam estar ligados pelo comércio de armas. “Mas, neste caso, não somente o Hezbollah e a facção brasileira estão em relação através deste mercado, mas toda e qualquer organização armada no mundo”, explica.

Material explosivo

A socióloga Camila Nunes Dias, professora do departamento de Políticas Públicas da Universidade Federal do ABC, é autora do livro "Hegemonia nas Prisões e Monopólio da Violência", sobre a atuação do PCC nos presídios de São Paulo. Para ela, o maior risco da ligação entre a organização brasileira e o Hezbollah está relacionado às suspeitas da Polícia Federal sobre o fornecimento do material explosivo C4, roubado no Paraguai, supostamente repassado da facção libanesa ao PCC. “Até onde eu sei, esse material não é de fácil manuseio. Se junto com o fornecimento deste explosivo, também há a transferência de informações de como utilizá-lo, aí encontraríamos riscos nesta relação entre as duas organizações”, ressalta.

A professora descarta a possibilidade da realização de um atentado pelo PCC no Brasil nos moldes de ataques de organizações terroristas internacionais. Segundo Camila, a facção tem alvos muito específicos: policiais e agentes penitenciários. “O PCC tem como base política algo extremamente diferente da filosofia do Hezbollah. Não é o perfil deles perpetrar um atentado tipicamente terrorista, com alvos civis, por exemplo. A 'guerra' do PCC, como eles mesmo dizem, é algo muito específico e relacionado às polícias”, salienta.

Tríplice Fronteira

O governo brasileiro nunca confirmou as suspeitas da atuação de grupos terroristas no Brasil, nem mesmo na região da Tríplice Fronteira, um foco de preocupação do governo norte-americano. Desde 2002, o Brasil, a Argentina e o Paraguai, participam, com os Estados Unidos, do Grupo 3 + 1, acordo de cooperação sobre a segurança na região. Em 2005, Washington chegou a anunciar que nenhuma atividade terrorista foi detectada nas fronteiras entre os três países.

O professor de Estratégia Internacional da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército Brasileiro, Francisco Carlos Teixeira da Silva, explica, no entanto, que o principal crime na Tríplice Fronteira é o contrabando de armas e a lavagem de dinheiro.

Militantes do Hamas e do Hezbollah

De acordo com Teixeira da Silva, há militantes da organização palestina Hamas e do Hezbollah que se refugiam do governo israelense. “Mas essas pessoas não desenvolvem nenhuma atividade terrorista na região”, sublinha.

Entretanto, os serviços de inteligência israelenses não veem com bons olhos o acolhimento de palestinos e libaneses na região. “Israel manda agentes para o local e prepara relatórios, os quais envia frequentemente à Polícia Federal brasileira, sobre atividades terroristas de integrantes do Hamas e do Hezbollah na fronteira”, relata.

O descontentamento de Tel Aviv com os militantes dos dois movimentos na Tríplice Fronteira se deve, segundo o professor, às coletas de recursos financeiros para os territórios palestinos. “As contribuições são mínimas em relação aos fundos enviados pelos países do Golfo Pérsico, da Europa ou dos Estados Unidos para a população palestina”, finaliza.

Para brasileiros em Paris, violência urbana no Brasil ainda é pior que terrorismo

Pesquisa aponta que franceses aceitariam menos liberdade em troca de segurança

Nova regra francesa de doação de sangue impõe abstinência sexual para doadores gays

Campanha contra bullying prejudica imagem do professor, dizem sindicatos da França

Presença do Irã em negociações sobre a Síria é essencial para a paz

Motivo de polêmica no Enem, Simone de Beauvoir foi fundamental para o feminismo

Analista em Berlim diz que só "base recosturada" pode afastar impeachment de Dilma