rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Ciência e Tecnologia
rss itunes

Conheça Sirius, o novo acelerador de partículas brasileiro

Por Taíssa Stivanin

O Brasil vai ganhar em breve um novo acelerador de partículas de quarta geração, que está sendo construído em Campinas. O projeto do Laboratório Nacional de Luz Síncroton (LNLS), batizado Sirius, será capaz de analisar graças à radiação a composição detalhada dos mais diversos materiais, beneficiando diversos setores do país, como a agricultura, a medicina, a biologia até a arqueologia.

O acelerador brasileiro Sirius é o único da América Latina, mas não o primeiro: mais potente, ele substituirá o UVX, menos moderno, inaugurado em 1997. Orçado em cerca de R$ 1,3 bilhão, o projeto é dirigido pelo físico Antônio José Roque e patrocinado principalmente pelo Ministério das Ciências e Tecnologia.

A construção do prédio que abrigará a máquina começou em janeiro, mas os anéis e imãs que serão utilizados para analisar as propriedades atômicas em escala nanométrica, das matérias orgânicas e inorgânicas, serão instalados posteriormente. A expectativa é que os aceleradores possam ser montados em 2017 e passem a funcionar com capacidade total entre 2019 e 2020.

"O projeto é inteiramente nacional, a construção de boa parte dos equipamentos é feita internamente no LNLS (Laboratário Nacional de Luz Síncroton), dependendo da tecnologia ou em parceria com empresas brasileiras. Recentemente lançamos um edital para atrair mais empresas para o projeto", explica Antônio José Roque. Também há parcerias com laboratórios internacionais, já que o Brasil será pioneiro na utilização da luz síncotron de quarta geração – mais brilhante. Tecnicamente, essa é uma radiação eletromagnética produzida que abrange desde o infravermelho até os raios X.

O Sirius terá uma energia de 3 bilhões de elétrons-volts (GeV) e possui um anel de 165 diâmetros, onde as partículas serão aceleradas até atingir praticamente a velocidade da luz. O "brilho", como os cientistas chamam a luz gerada pela máquina, revelam destalhes sobre a matéria interagindo com ela, como a distância ou propriedades eletromagnéticas. Em resumo, o equipamento funciona como uma espécie de "microscópio gigante."

Contrariamente ao LHC, o acelerador europeu do CERN, responsável pela descoberta da partícula de Deus, o objetivo não é colidir as partículas –elas “viajam” na mesma direção. "Os físicos sempre construíram aceleradores para analisar a estrutura da matéria, que tinham o objetivo de serem colisores – colidir contra um alvo ou uma contra a outra, para investigar o que há dentro da matéria, como o LHC, um acelerador de prótons ou núcleos, para entender o que há dentro no nível dos quarks, e entender a origem do universo", explica.

"O objetivo do síncroton é acelerar elétrons e desviando sua trajetória, obter radiação, com raios-x, infravermelho ou ultravioleta. E essa radiação cobre uma faixa de energia dos fótons e tem um grande brilho, podendo ser usada para examinar materiais orgânicos e inorgânicos", diz.

Energia é usada em todas as áreas de conhecimento

O físico lembra que o aumento do brilho é essencial para a utilização da tecnologia em diferentes áreas, como a biologia molecular, por exemplo. "Simplificando, é como pegar um quadro antigo e entender do que foi feita a tinta daquele quadro, qual a origem...ou ainda pegar uma semente, alterá-la para que seja mais nutritiva, e com o síncroton avaliar se aquele nutriente está sendo depositado", conclui.

 

Brasil tem posição geoestratégica para web mundial, diz fundador de Fórum de Segurança Cibernética

Como são construídos os algoritmos usados para manipular os eleitores?

Da sala de aula para o YouTube, canais científicos viram mania na França

Robô elabora treino para evitar contusões de craques da seleção francesa

Conheça o legista Philippe Charlier, o Indiana Jones francês que confirmou a morte de Hitler

França: start-up cria exoesqueleto inédito para paraplégicos voltarem a andar

Psiquiatra francês ensina a tratar ansiedade em livro com realidade virtual

Softwares de veículos autônomos provocam revolução no mercado automobilístico

Associações francesas alertam para riscos de nanomateriais para a saúde

Pesquisadores franceses criam sinapses artificiais que imitam cérebro humano

Associações francesas desenvolvem ferramentas digitais de inserção social