rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

América latina deve abandonar populismo e rever modelo econômico

Por Alfredo Valladão

A Cúpula das Américas no Panamá foi qualificada de “histórica”. Depois de meio século de ausência, Cuba voltou ao bojo interamericano. Mas também a história foi muito abusada. Os governos “bolivarianos”, com seus modelos econômicos sem futuro, insistiam em denunciar o passado intervencionista dos Estados Unidos. Enquanto Barack Obama, líder do país que está inventando a nova economia digital, vinha propor um amanhã de cooperação. E no meio, a maior potência latina, o Brasil, que ainda não decidiu – ou não sabe – se quer andar para frente ou para trás.

A questão desse historicismo todo é saber se estamos a caminho de uma nova encarnação do panamericanismo, ou se o hemisfério vai continuar fragmentado, com os latino-americanos tentando se virar, cada um por si, no meio de uma retórica antiamericana e “integrações regionais” fajutas. A verdade é que, atualmente, a América Latina precisa muito mais dos Estados Unidos do que o inverso.

Os dirigentes cubanos entenderam isso perfeitamente, apesar de que uma normalização com o Tio Sam vai ser combatida ferozmente por boa parte do aparelho estatal cubano que morre de medo de perder o emprego. O maior cliente – de longe – da Venezuela anti-imperialista e falida continua sendo os Estados Unidos.

E o Equador de Rafael Correa, que faz discursos para a acabar com a Organização dos Estados Americanos (OEA), continua usando o dólar como moeda nacional. Os países da Aliança do Pacífico (México, Colômbia, Peru e Chile) doidos por recuperar o tempo perdido, assinaram acordos de livre comércio com Washington e estão apostando todas as fichas numa maior integração com super-vizinho do Norte.

Revisão da atividade econômica

A verdade é que no mundo globalizado, quem não tem sucesso econômico não tem condições de apitar. Mas a nova organização econômica do mundo não dá muito espaço para os Latinos. A economia do conhecimento, da inovação tecnológica e informática, da produção robotizada e interconectada, e dos novos serviços de alto valor agregado, está sendo monopolizada pelas empresas norte-americanas e europeias, grandes e pequenas.

Quanto às cadeias de valor transnacionais de produção de massa e baixa rentabilidade, elas estão se organizando em torno da potência chinesa, do Japão e das multinacionais tradicionais do Atlântico Norte. Sobra só o setor das matérias-primas que a América do Sul tem de sobra. Só que o novo modelo econômico global é muito menos voraz e os produtos de base vão continuar sendo vendidos a preço de banana ainda por muito tempo.

A China e a Ásia não são mais a salvação da lavoura. Muito pelo contrário: estão se tornando impiedosos concorrentes dos latino-americanos, comprando menos matéria-prima e exportando mais produtos de consumo barato. Como é que a “latinada” vai se virar?

Obama mostra solução para os latinos

Foi o próprio Obama que mostrou o caminho das pedras na reunião empresarial paralela à Cúpula do Panamá. Não vai haver saída sem um upgrade sério do modelo produtivo latino e sem uma maior cooperação com as democracias industriais do Norte, particularmente com os Estados Unidos.

A farmacopeia do Dr. Obama é simples e evidente: apoio à globalização comercial, inclusive para as pequenas empresas, aceitar as tecnologias ditas “de ruptura”, promover uma educação de excelência e permanente, e desenvolvimento integrado de infraestruturas. Tudo isso com apoio de governos transparentes e uma justiça eficiente que seja obrigada a justificar os seus atos. Não faltaram também as indiretas contra a corrupção e as elites clientelistas aproveitadoras.

Em outras palavras, está na hora da América Latina abandonar os velhos populismos, de esquerda e de direita, e fazer a sua revolução democrática para enfrentar a competição no mercado global. E o primeiro inquilino negro da Casa Branca só fez ressuscitar os princípios do panamericanismo estabelecidos no final do século XIX: liberdade política e liberdade econômica.

Na verdade, a América Latina não tem muita opção se quiser enfrentar o poderio da economia digital do Atlântico Norte e a potência avassaladora das cadeias produtivas mais tradicionais centradas na Ásia. Ou toma o remédio Obama e tenta se amarrar no carro-chefe americano – e eventualmente europeu – para desenvolver economias mais competitivas e modernas. Ou então, vai ficar no seu eterno voo da galinha, só que mais baixo, mais triste e mais pobre, no meio de um galinheiro global indiferente.

 

Opinião: Crise dos coletes amarelos pode paralisar a França por muito tempo

Opinião: reivindicação permanente de igualdade faz parte do DNA dos franceses

Movimento francês dos coletes amarelos revela onda de rejeição inédita no país

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade

América do Sul enfrenta desafio das migrações em massa, pela primeira vez em sua história

Só renovação salva empresas que atingiram “limite de crescimento”

Clima de guerra comercial prejudica países emergentes e em desenvolvimento

No jantar de Putin e Trump em Helsinque quem está no cardápio é a Europa