rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Reportagem
rss itunes

Jurado do MasterChef diz que programa contribui para evolução da culinária no Brasil

Por Daniella Franco

"O MasterChef abriu as portas da gastronomia a muitas pessoas no Brasil", diz um dos chefs franceses mais célebres do país, e responsável pela cozinha do renomado Tartar&Co, em São Paulo, Erick Jacquin. Ele conversou com a RFI durante as gravações da segunda temporada do programa, que começa a ser transmitida na próxima terça-feira, dia 19 de maio, pela Band.

Reality show de sucesso que começou a ser exibido no Reino Unido nos anos 90 e ganhou versões em todo o mundo, inclusive na França, o MasterChef estreou no ano passado no Brasil. Apresentado por Ana Paula Padrão, com a participação de 16 candidatos e três chefs como jurados, o brasileiro Henrique Fogaça, o francês Erick Jacquin, e a argentina Paola Carosella, o MasterChef caiu no gosto dos brasileiros. A primeira edição do programa foi um sucesso e bateu recordes de audiência.

Erick Jacquin é uma das estrelas do MasterChef, onde ficou famoso por ser extremamente severo com os competidores. Em entrevista a RFI, ele falou sobre o sucesso inesperado do programa, sua vida no Brasil, onde fixou residência há 20 anos, e a evolução da gastronomia brasileira.

RFI - Quando você aceitou participar do MasterChef Brasil, você esperava que o programa teria tanto sucesso?

Erick Jacquin - Não imaginava que teria todo esse sucesso, me surpreendeu muito. E mudou a minha vida. Sou frequentemente abordado e reconhecido nas ruas. Tem gente que nem sabe o meu nome, mas vem conversar comigo me chamando de "MasterChef".

RFI - Você está gravando a segunda temporada do MasterChef Brasil. Pode nos dizer se vai ter algo de diferente ou alguma novidade ?

Erick Jacquin - A diferença da segunda temporada em relação à primeira é que agora os candidatos já têm uma referência do programa. Então, os competidores estão sabendo entrar mais no jogo, são mais atenciosos e espertos, o que permite ao programa a se focar menos nos personagens e mais na cozinha.

RFI - Havia a expectativa de os jurados serem mais exigentes com os candidatos nesta temporada.

Erick Jacquin - Sim, somos mais exigentes porque queremos mais novidades, criatividade e elegância nas criações dos candidatos.

RFI - Na primeira temporada você provou muita comida ruim?

Erick Jacquin - Não posso falar que a comida era ruim. Podemos dizer que ela estava sem sal, sem tempero, mas ruim não porque todos os produtos à disposição dos candidatos são de qualidade.

RFI - Mas você ganhou uma fama de "durão" ao reclamar dos pratos que os candidatos preparavam…

Erick Jacquin - Eu sempre tive essa fama. As pessoas que já trabalharam comigo sabem que eu sou severo. Sou exigente com os outros e comigo mesmo.

RFI - Mas você é exigente no dia-a-dia ou criou uma personagem para o MasterChef?

Erick Jacquin - Não criei nada. O Erick Jacquin da vida real é o mesmo do programa.

RFI - Além de pilotar seu restaurante, o Tartar&Co, participar do MasterChef, você também gosta de dar palestras sobre o universo da gastronomia. Uma delas, inclusive, foi intitulada de "Minha Fama de Mau". Você acha que é a personalidade mais brincalhona e menos séria dos brasileiros que ressalta sua imagem de malvado?

Erick Jacquin - Eu vejo que os brasileiros não sabem falar "não". Dizer "não", no Brasil, é como um palavrão. Os brasileiros dizem "pode ser", "vou pensar", "vamos ver". E eu sou uma pessoa direta: eu digo quando não gosto. Se eu não quiser falar com você, não vou falar. Não vou pegar um caminho ao lado se posso seguir em frente.

RFI - Da cozinha, você começou a dar palestras e, depois, você passou para a televisão. Você diz que gosta de contar sua trajetória. Qual é a parte de sua vida que você tem mais orgulho?

Erick Jacquin - Eu tenho orgulho de toda a minha história. Não tenho vergonha de contar que passei dificuldades no Brasil, como muita gente sabe. Não é fácil de ser cozinheiro, chef e administrador. Tive essa fase complicada com um de meus restaurantes, mas em geral, tenho muito orgulho do meu trabalho, especialmente de ser cozinheiro. Essa é a minha paixão. E eu gosto de falar sobre minha vida. Acho muito importante contar o que fiz de bom e ruim, para não repetir os erros.

RFI - Em várias de suas entrevistas, você mencionou as épocas difíceis de sua vida no Brasil. Parece que para você é importante mostrar que nem tudo é sucesso em sua carreira.

Erick Jacquin - A gente não pode pensar que tudo é maravilhoso no Brasil. Nem tudo é praia e sol aqui. Esse país precisa mudar muita coisa, como a lei trabalhista e os impostos. Essa legislação data de 50 anos e não é adaptada hoje para empresas pequenas, como a que eu tinha. Hoje, uma pequena empresa não sobrevive muito tempo no Brasil.

RFI - Da época de seu primeiro restaurante no Brasil, o La Brasserie, quais são as melhores lembranças que você guarda?

Erick Jacquin - Os clientes, a cozinha aberta em frente ao público, o restaurante lotado com espera no bar, a alegria dos funcionários que trabalhavam comigo, o prazer de fazer pratos bonitos, as mesas floridas, a adega cheia de bons vinhos… tudo. Foi espetacular para mim.

RFI - Você nasceu no Vale do Loire, região central da França, e começou sua carreira em Paris. Como você foi parar no Brasil?

Erick Jacquin - Eu sempre digo que nasci do lado errado do rio, o lado pobre. Comecei a trabalhar na cozinha com 17 anos, em Paris. Aprendi muito e um dia fui convidado a chefiar uma cozinha. Sete, oito anos depois, fui convidado a trabalhar em São Paulo por um dono de restaurante - que é meu amigo até hoje - e isso mudou minha vida. Até que resolvi abrir meu primeiro restaurante, onde vivi épocas maravilhosas e épocas de pesadelo.

RFI - Depois de 20 anos no Brasil, você diz que ama o país, se naturalizou brasileiro, mas fala também que sempre será francês.

Erick Jacquin - É muito difícil mudar de nacionalidade. Eu nasci na França e sempre vou ser francês, não tem outro jeito. A verdade é que nunca vou ser considerado como um verdadeiro brasileiro e nunca vou deixar de ser francês. Dividir meu coração entre duas personalidades é possível, mas ser totalmente brasileiro é impossível.

RFI - Do que você mais sente falta na França?

Erick Jacquin - De tudo o que é francês e que não tem no Brasil. É engraçado porque quando estou na França tenho muita saudade do Brasil e quando estou no Brasil sinto falta da França. Mas algo que sinto muita falta e que eu fazia muito em Paris é de andar na rua. Em São Paulo é muito difícil andar a pé, não tem segurança.

RFI - Como você avalia a culinária brasileira hoje?

Erick Jacquin - A gastronomia brasileira passou por uma grande evolução. Ela mudou e está mais conhecida. Mas ainda precisa se modernizar e se atualizar. E isso só quem pode fazer são as donas e os donos de casa. O patrimônico gastronômico do Brasil está na casa e na cultura dos brasileiros.

RFI - Dos pratos típicos brasileiros, qual o seu preferido?

Erick Jacquin - Eu adoro arrumadinho, carne seca e, lógico, feijoada. Mas eu não gosto daquela feijoada moderna, onde vem tudo separado. Eu gosto da tradicional, onde vem tudo: pé de porco, orelha, rabo… Não gosto da feijoada sofisticada. Porque tem coisa que não pode mudar porque a versão tradicional é melhor.

RFI - Você acredita que o Masterchef Brasil contribuiu, de alguma forma, para despertar o interesse dos brasileiros para a gastronomia?

Erick Jacquin - Claro! O Masterchef abriu as portas da gastronomia a muitas pessoas. E, principalmente, vai modernizar a comida caseira, aquela que é feita no dia-a-dia.

RFI - Atualmente é possível se tornar um bom chef no Brasil?

Erick Jacquin - Antes de pensar em se tornar um bom chef de cuisine, é preciso formar bons cozinheiros. São os excelentes cozinheiros que, depois, vão virar chefs. É esse o segredo. E isso é possível em qualquer lugar do mundo. O Brasil tem muito potencial para formar bons cozinheiros e chefs: ingredientes, material, produtos naturais e um público que gosta de comer. E isso é essencial, porque sem pessoas apaixonadas pela gastronomia é impossível ter bons cozinheiros, chefs e restaurantes.

RFI - Você recebeu a Ordem Nacional da Legião da França no ano passado, está no alto do pódio gastronômico do Brasil, tem um restaurante renomado (Tartar & Co), recebeu diversos prêmios, é a estrela de um programa famoso de televisão… o que mais você almeja para a sua carreira ?

Erick Jacquin - Eu sou muito feliz e tudo o que quero é continuar assim. Gostaria muito de um dia fazer uma peça de teatro e atuar, falando da gastronomia. Estou preparando um projeto dentro dessa ideia.

RFI - Enquanto você é jurado do MasterChef Brasil, na França a família Jacquin também tem um representante na quinta temporada do MasterChef France, que está sendo gravada e é transmitida pela emissora TF1.

Erick Jacquin - Isso é muito interessante. Tem um primo meu participando como candidato na quinta temporada do MasterChef na França. O nome dele é Philippe Jacquin, que é médico e apaixonado por gastronomia. Como você vê, MasterChef é um caso de família…

Igreja Católica quer reforçar seu papel com indígenas ameaçados de morte por madeireiros

Religiosos da Amazônia defendem introdução das tradições indígenas em rituais católicos

Padres da Amazônia defendem ordenação de homens casados para fortalecer Igreja Católica

Católicas da Amazônia esperam do Vaticano maior valorização para mulheres dentro da Igreja

Situação dos EUA gera avanços na COP 22, diz brasileira do Greenpeace

Franceses e brasileiros começam o ano em Paris sonhando com paz e trabalho

Retrospectiva: 2015 foi marcado pelo terrorismo e pela crise migratória

Manifestantes contra a COP 21 criticam proibição de realizar protestos

“Espero que o Brasil reveja sua posição sobre a Venezuela”, diz Mauricio Macri

França dará "resposta forte" aos atentados de Paris, afirma especialista

Relação entre armas legais e criminalidade não é consenso entre pesquisadores

Sucesso da COP21 depende de China aceitar revisão de metas de emissões