rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Saiba o que pode acontecer se a Grécia sair da zona do euro

Por RFI

No momento em que as negociações entre Atenas e seus credores estão, mais uma vez, em um profundo impasse, a correspondente da RFI em Bruxelas, Letícia Fonseca, explica as consequências de uma eventual saída da Grécia da zona do euro.

Vários governos europeus receiam que o calote da dívida grega e a saída da Grécia da zona do euro possam causar um certo pânico nos mercados financeiros, desestabilizando a moeda única europeia, e trazendo repercussões negativas para o mundo.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou que a saída da Grécia poderia provocar consequências "inimagináveis". Na Alemanha, a questão virou uma prioridade governamental. A chanceler Angela Merkel afirma que fará tudo para manter a Grécia na zona do euro. Para Merkel, se o euro fracassar, toda a Europa fracassa. Isto poderia ser o fim da zona do euro e de sua liderança na Europa.

Consequências da volta do dracma

Em uma perspectiva pessimista, se a Grécia sair da união monetária, o cenário não será nada alentador. Em um primeiro momento, a moeda grega – o dracma – voltaria a circular, o que poderia significar uma perda de poder aquisitivo. A dívida com os credores continuaria tendo que ser paga em euro, se transformando em uma missão quase impossível. Com o dracma desvalorizado, não haveria mais empréstimos para o país. As grandes fortunas da Grécia voltariam a se refugiar em destinos mais seguros, aumentando assim o risco da quebra dos bancos nacionais.

Segundo previsões do FMI, os gregos passariam a enfrentar a hiperinflação. Empresas falidas, pobreza e desemprego também aumentariam.

Nova reunião do Eurogrupo

Sem avanços, os ministros das Finanças da zona do euro se reúnem em Luxemburgo, nesta quinta-feira (18), para tentar reiniciar as negociações bloqueadas. O governo grego diz estar preparado para duas possibilidades: acordo ou desacordo. O encontro é considerado decisivo para evitar que a Grécia dê o calote nos credores internacionais.

As previsões são pouco otimistas. Ontem, o Banco Central da Grécia admitiu o risco do país deixar a zona do euro e provavelmente a União Europeia. O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, continua a se mostrar inflexível com as exigências de Bruxelas, como corte de pensões e aumento de impostos. Os europeus acusam o governo de Atenas de não apresentar claramente as reformas que pretende implementar. Nos últimos dias, as negociações entre a Grécia e seus credores fracassaram. Atenas estaria disposta a assumir alguns compromissos em troca de um perdão parcial da dívida, mas a Alemanha, que detém a maior parte da dívida grega, é contra.

Estratégia de Tsipras

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, é um político esquerdista que tem a coragem de lutar contra os credores internacionais. Certamente sua estratégia é de alto risco, mas o premiê tem o apoio de quase 60% dos gregos. É possível que Tsipras ainda guarde cartas na manga para costurar um acordo. Em negociações sempre existe essa possibilidade. Faz parte do jogo. Mas a verdade é que não há mais tempo para esse impasse, que já dura cinco meses, entre Atenas e seus credores.

No dia 30 de junho, o governo grego terá que pagar € 1,6 bilhão ao Fundo Monetário Internacional. Outros € 6,7 bilhões devem ser pagos ao Banco Central Europeu em julho e agosto. A Grécia não tem esse dinheiro e precisa urgentemente da última parcela do atual programa de resgate, de € 7,2 bilhões para honrar seus compromissos.

Protestos contra padre acusado de abuso sexual marcam visita do Papa aos países bálticos

Destituição do chefe da agência de inteligência alemã abala governo Merkel

70° Emmy é marcado por pedido de casamento e premiação de “The Marvelous Mrs. Maisel”

Hong Kong se recupera da passagem do tufão Mangkhut, o mais forte que já atingiu o território

Em Berlim, congresso sobre violência sexual destaca casos na Igreja Católica

25 anos depois, Acordos de Oslo entre Israel e Palestina parecem cada vez mais distantes

Primárias em Nova York podem concretizar "ano da mulher" do Partido Democrata

Ameaças de sanções contra o Tribunal Penal Internacional reforçam opção isolacionista dos EUA

Suécia: eleições devem confirmar avanço de partido da extrema-direita e anti-imigração

Devido ao Brexit, Reino Unido perde apoio dos países europeus no caso Skripal

Acusado de apoiar terrorismo, Catar pode virar ilha e ficar totalmente isolado

Aufstehen, movimento de esquerda e anti-imigração, é lançado na Alemanha

Ministro italiano pode ser afastado do cargo por bloquear migrantes na Sicília