rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Saiba o que as ondas de corrupção no Brasil, no Chile e na Argentina têm em comum

Uma onda de corrupção arrasa o Sul da América Latina. O Brasil e o Chile protagonizam crises políticas e éticas a partir de escândalos de corrupção, de financiamento ilícito da política e de tráfico de influência. No centro dos escândalos, potencializados por economias estagnadas, estão os governos de esquerda. A Argentina não é exceção.

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

No Chile, o grupo financeiro e imobiliário Penta faturou serviços inexistentes para financiar principalmente políticos da União Democrata Independente, um partido da direita. Com a mesma dinâmica, outra empresa, a Sociedade Química e Mineira do Chile (SQM) distribuiu fundos ilícitos a legisladores da Nova Maioria, a coalizão de esquerda, liderada pela presidente Michelle Bachelet.

A SQM pertence ao ex-genro do ditador Augusto Pinochet. Ou seja: uma empresa ligada ao poder de Pinochet financiava o poder de Bachelet. E ligadas a esse esquema da SQM, centenas de pessoas e sociedades vinculadas a políticos de todas as vertentes, legisladores, ex-ministros e candidatos à Presidência.

O filho da presidente chilena, Sebastián Dávalos Bachelet, também está sendo investigado por suposto tráfico de influência. Natalia Compagnon, nora da chefe de Estado, no dia seguinte à vitória de Bachelet nas urnas, em 2013, recebeu um crédito de US$ 10 milhões de dólares do Banco do Chile para comprar terrenos de uso agrário que posteriormente passaram a ter uso urbano, incrementando o seu valor. Nessa jogada, o casal ganhou US$ 2 milhões.

Além disso, Sebastián tinha sido nomeado pela mãe como diretor sócio-cultural da presidência e teria usado influências políticas e informação privilegiada.

Segundo o último relatório da Transparência Internacional de 2014, o Chile ficou em 21° lugar entre 175 países, se posicionando como o menos corrupto da América Latina.

Paralelos entre escândalos no Brasil e Chile

Os analistas diferenciam as crises no Brasil e no Chile pelo lado da magnitude - porque o volume de dinheiro envolvido no Brasil é absurdo -, e pelo lado da corrupção institucionalizada, algo que no Chile não se percebe.

No Chile, alguns destacam que o dinheiro teria servido apenas para financiar a política e não para o enriquecimento pessoal. Mas outros se perguntam se uma parte do montante desviado para financiar campanhas políticas ou partidos não foi parar no bolso de alguns também.

Mas é possível traçar alguns paralelos: os atuais escândalos são os maiores da história dos dois países. Ambas as crises tem fundamento em financiamento de campanha política e na promiscuidade entre empresários e poder. Tanto no Brasil como no Chile, reina a desconfiança no poder político e nas grandes empresas.

Ambas as presidentes, Dilma Rousseff e Michelle Bachelet, foram perseguidas pela ditadura e seus governos levantaram a bandeira da moral e da ética na política. As duas chefes de Estado atingiram o recorde mínimo de popularidade e convivem com a ameaça de mega manifestações populares.

Para finalizar, os dois países impulsionam reformas políticas para legislar sobre um aspecto deficiente em toda a América Latina: o financiamento da política.

Escândalos na Argentina

Na Argentina, o responsável pela administração de obras públicas Lázaro Báez é apontado como "testa-de-ferro" dos Kirchner. Ele é investigado por uma gigantesca operação de lavagem de dinheiro.

Báez virou empresário construtor no dia seguinte à chegada dos Kirchner ao poder em 2003. Ou seja: o caso argentino também envolve empreitera.

O empresário alugava a preços exorbitantes os quartos dos quatro hoteis que os Kirchner construíram desde 2003. Na realidade, os imóveis estavam sempre vazios, mas, na contabilidade, repletos. A suspeita é de que os pagamentos de Báez retornavam aos Kirchner num esquema de corrupção e de lavagem de dinheiro.

A corrupção faz parte do cenário de suspeitas sobre os Kirchner há anos. Somente entre 2003 e 2008, o patrimônio do casal aumentou quase 600%, baseado só no que eles declararam oficialmente.

Há 10 dias, através de manobras judiciais, a família Kirchner conseguiu remover da causa o juiz que estava a ponto de ter acesso às supostas provas desta recente operação de lavagem de dinheiro.

Escolha de Christine Lagarde para comando do Banco Central Europeu é polêmica

Após meses de atrito, Macron vai à Roma tentar reaproximação com a Itália

Israel: Netanhyahu acusado de tentar ganhar votos com promessa de anexar colônias

Com paridade entre mulheres e homens, nova Comissão Europeia é apresentada em Bruxelas

Parlamento britânico vota nova proposta para realização de eleições antecipadas

Portugal promove campanha por igualdade salarial entre homens e mulheres

Bolívia é recorde em feminicídio na América do Sul e tema entra para campanha eleitoral

Opositores ao Brexit travam batalha parlamentar e jurídica para adiar planos de Johnson

Alemanha: extrema direita avança em eleições no leste, mas ainda não é principal força política

Protestos “contra golpe” de Johnson levarão milhares às ruas no Reino Unido

"Vergonha de comprar": nova tendência sueca para preservar meio ambiente

Escalada de tensão na Faixa de Gaza a 20 dias de eleições gerais em Israel

Lorenzoni detalha à RFI decisão do Brasil de rejeitar ajuda do G7 para a Amazônia

Em Biarritz, Boris Johnson tenta ainda alternativa para um Brexit menos drástico

Crise italiana: presidente dá ultimato a partidos e quer novo governo até terça-feira

Incêndio destrói 500 mil hectares de vegetação na Bolívia e abala campanha de Evo Morales