rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Saiba o que as ondas de corrupção no Brasil, no Chile e na Argentina têm em comum

Uma onda de corrupção arrasa o Sul da América Latina. O Brasil e o Chile protagonizam crises políticas e éticas a partir de escândalos de corrupção, de financiamento ilícito da política e de tráfico de influência. No centro dos escândalos, potencializados por economias estagnadas, estão os governos de esquerda. A Argentina não é exceção.

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

No Chile, o grupo financeiro e imobiliário Penta faturou serviços inexistentes para financiar principalmente políticos da União Democrata Independente, um partido da direita. Com a mesma dinâmica, outra empresa, a Sociedade Química e Mineira do Chile (SQM) distribuiu fundos ilícitos a legisladores da Nova Maioria, a coalizão de esquerda, liderada pela presidente Michelle Bachelet.

A SQM pertence ao ex-genro do ditador Augusto Pinochet. Ou seja: uma empresa ligada ao poder de Pinochet financiava o poder de Bachelet. E ligadas a esse esquema da SQM, centenas de pessoas e sociedades vinculadas a políticos de todas as vertentes, legisladores, ex-ministros e candidatos à Presidência.

O filho da presidente chilena, Sebastián Dávalos Bachelet, também está sendo investigado por suposto tráfico de influência. Natalia Compagnon, nora da chefe de Estado, no dia seguinte à vitória de Bachelet nas urnas, em 2013, recebeu um crédito de US$ 10 milhões de dólares do Banco do Chile para comprar terrenos de uso agrário que posteriormente passaram a ter uso urbano, incrementando o seu valor. Nessa jogada, o casal ganhou US$ 2 milhões.

Além disso, Sebastián tinha sido nomeado pela mãe como diretor sócio-cultural da presidência e teria usado influências políticas e informação privilegiada.

Segundo o último relatório da Transparência Internacional de 2014, o Chile ficou em 21° lugar entre 175 países, se posicionando como o menos corrupto da América Latina.

Paralelos entre escândalos no Brasil e Chile

Os analistas diferenciam as crises no Brasil e no Chile pelo lado da magnitude - porque o volume de dinheiro envolvido no Brasil é absurdo -, e pelo lado da corrupção institucionalizada, algo que no Chile não se percebe.

No Chile, alguns destacam que o dinheiro teria servido apenas para financiar a política e não para o enriquecimento pessoal. Mas outros se perguntam se uma parte do montante desviado para financiar campanhas políticas ou partidos não foi parar no bolso de alguns também.

Mas é possível traçar alguns paralelos: os atuais escândalos são os maiores da história dos dois países. Ambas as crises tem fundamento em financiamento de campanha política e na promiscuidade entre empresários e poder. Tanto no Brasil como no Chile, reina a desconfiança no poder político e nas grandes empresas.

Ambas as presidentes, Dilma Rousseff e Michelle Bachelet, foram perseguidas pela ditadura e seus governos levantaram a bandeira da moral e da ética na política. As duas chefes de Estado atingiram o recorde mínimo de popularidade e convivem com a ameaça de mega manifestações populares.

Para finalizar, os dois países impulsionam reformas políticas para legislar sobre um aspecto deficiente em toda a América Latina: o financiamento da política.

Escândalos na Argentina

Na Argentina, o responsável pela administração de obras públicas Lázaro Báez é apontado como "testa-de-ferro" dos Kirchner. Ele é investigado por uma gigantesca operação de lavagem de dinheiro.

Báez virou empresário construtor no dia seguinte à chegada dos Kirchner ao poder em 2003. Ou seja: o caso argentino também envolve empreitera.

O empresário alugava a preços exorbitantes os quartos dos quatro hoteis que os Kirchner construíram desde 2003. Na realidade, os imóveis estavam sempre vazios, mas, na contabilidade, repletos. A suspeita é de que os pagamentos de Báez retornavam aos Kirchner num esquema de corrupção e de lavagem de dinheiro.

A corrupção faz parte do cenário de suspeitas sobre os Kirchner há anos. Somente entre 2003 e 2008, o patrimônio do casal aumentou quase 600%, baseado só no que eles declararam oficialmente.

Há 10 dias, através de manobras judiciais, a família Kirchner conseguiu remover da causa o juiz que estava a ponto de ter acesso às supostas provas desta recente operação de lavagem de dinheiro.

Reino Unido: imbróglio do Brexit e crise com Irã à espera do novo primeiro-ministro

Escândalo de corrupção envolvendo partido de Salvini e Rússia balança governo da Itália

Venezuela: crise econômica faz homicídios caírem porque armas custam caro demais

Nova presidente da Comissão Europeia quer continente neutro em carbono até 2050

Mercosul discute reformas internas para enfrentar concorrência europeia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Campanha eleitoral começa na Argentina com Brasil e EUA reforçando apoio a Macri

Após aprovação de texto-base, deputados votam destaques que podem mudar reforma da Previdência

Para evitar gravidez precoce, projeto investe em visita de jovens jogadoras brasileiras à Holanda

Favorito, Johnson enfrenta Hunt em 1° debate na TV entre candidatos a premiê no Reino Unido

Terremotos na Califórnia reavivam medo de "Big One", tremor com consequências trágicas

ONGs aplaudem relatório da ONU sobre Direitos Humanos na Venezuela e pedem justiça

Mais de 1,4 milhão de refugiados vão precisar de reassentamento até 2020, diz agência da ONU

Central sindical argentina classifica acordo UE-Mercosul como “industricídio”

Prisão da capitã do navio "Sea-Watch 3" divide opinião pública da Itália

Com recusa de Salvini, navio humanitário Sea-Watch volta a águas internacionais

Foto de pai e filha mortos ressalta drama humano no debate sobre a imigração nos EUA

Novas sanções dos EUA ao Irã devem secar entrada de dinheiro no país