rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Acordo do Brexit recebe apoio preliminar do Parlamento britânico
Fato em Foco
rss itunes

Por que ainda festejamos a Independência com desfile militar?

Por Vanessa Oliveira

Nesta segunda-feira (7), comemora-se a Independência do Brasil, proclamada – talvez não exatamente como mostra o famoso quadro de Dom Pedro I, em 1822 pintado por Pedro Américo. Nas últimas cinco décadas, a data leva estudantes para marchar em desfiles, onde tropas do exército passam pomposas ao som da fanfarra local. Um soldado ou um bom aluno hasteia a bandeira brasileira. Mas o que o desfile militar tem a ver com o dia da independência, se, quando Dom Pedro decidiu gritar “independência ou morte”, nosso exército ainda nem existia?

O professor de Ciência Política José Paulo Bandeira, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, explica que a relação entre 7 de setembro e exército é bem mais recente que a história das margens do rio Ipiranga. Ela começa com o golpe de estado civil-militar de 1964, "mas, em 1968 houve um golpe puramente militar. A partir daí, os militares passaram a construir um estado realmente militar. E esse estado militar saturou o uso dos símbolos nacionais para legitimar esse governo".

A lei nº 5.571, que dá a festa da independência o papel de exaltar  "a ideia de pátria, estimular o amor à liberdade, cultuar as tradições nacionais" é de 28 de novembro de 1969 e foi assinada pelo general Emílio Garrastazu Médici.

Rejeição aos símbolos

Bandeira pondera, porém, que o envolvimento da população no culto aos símbolos nacionais não é incondicional: "Enquanto o Estado conseguiu manter a economia bem, tudo bem. Mas quando chegou a crise econômica, a população começou a rejeitar o Estado militar e os símbolos nacionais identificados com esse estado”.

Como exemplo dessa rejeição ao nacionalismo tupiniquim o professor Ivo Coser, também da Universidade Federal do Rio de Janeiro, avança no tempo e vai do movimento das Diretas Já! às manifestações dos últimos anos: “Quando iniciaram-se os movimentos pelo impeachment do Collor, o PT conclamou uma manifestação na qual as pessoas deveriam ir de preto, para simbolizar luto, e a resposta de Collor foi que, aqueles que o apoiassem, fossem de verde e amarelo. Mais recentemente, nas manifestações de 2013, elas [as cores verde e amarelo] foram adotadas por favoráveis à queda de Dilma e saudosos do regime militar”.

Coser lembra que, mesmo durante a ditadura, nem todo símbolo nacional causava horror a quem discordava dos militares: “Eu vi uma vez o depoimento de um militante que contava que eles cantavam o hino da independência – que fala de liberdade (...) enquanto o hino nacional, falava da grandeza da terra, da pátria. (...) não era um conteúdo que pudesse, naquele momento, mobilizar a luta".

No período pós-ditatorial, no entanto, era tão grande a força da relação nação-ditadura que nem a esquerda nem a social-democracia reivindicaram essa ideia de nação, como explica Bandeira: “os intelectuais da era petista e da era FHC têm um problema com a 'Nação'. Isso tem a ver com essa história da nação ser identificada com um Estado militar. Isso colou no imaginário brasileiro”.

Para Bandeira, o arrefecimento deste imaginário só aconteceu recentemente, "quando o governo petista voltou a usar o verde amarelo com o vermelho" misturando as cores nacionais com "os símbolos internacionalistas do partido: o vermelho, a estrela etc".

E como seria um 7 de setembro na democracia?

Para Coser, o 7 de Setembro é uma data importante, mas "ainda não se descobriu exatamente o que é comemorar um 7 de setembro em uma democracia. A parada militar fazia sentido em um regime autoritário, mas hoje em dia, pra quê, né?".

Quem tenta estimular uma maneira mais democrática de lembrar o dia da Independência é o grupo O Grito dos Excluídos, que se mobiliza nacionalmente desde 1994 e tem entre os organizadores a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra.

Rosilene Wansetto, da coordenação nacional do Grito e da Rede Jubileu Sul Brasil faz coro com o professor Coser: "Repensar o 7 de setembro realmente se faz necessário. Eu acho que a festa da Independência, da soberania, tem que ser feita com o povo e o povo realmente pouco participa desses momentos das paradas militares. É um palanque para políticos e um resquício da nossa ditadura.”

Além de "palestras cívicas" o texto da lei de 1969 prevê até o "palanque": "Sempre que possível a coincidência, a inauguração de obras públicas". Wansetto conta que transformar o hino nacional e a bandeira em símbolos do povo é uma das intenções do Grito: "A gente acha mto importante a resignificação desses símbolos nacionais. Porque a bandeira nacional, o hino nacional, desde a ditadura - ou muito antes disso -, foram usados também como símbolos de repressão; e nós queremos que esses símbolos façam parte de uma historia democrática, de uma historia de construção de cidadania, onde as pessoas se sintam inseridas nessa sociedade".

O tema do Grito dos excluídos desse ano é “A vida em primeiro lugar” e deve trazer slogans contra as mortes causadas pelo Estado, o papel da mídia e contra o consumo exacerbado.

Para brasileiros em Paris, violência urbana no Brasil ainda é pior que terrorismo

Pesquisa aponta que franceses aceitariam menos liberdade em troca de segurança

Nova regra francesa de doação de sangue impõe abstinência sexual para doadores gays

Campanha contra bullying prejudica imagem do professor, dizem sindicatos da França

Presença do Irã em negociações sobre a Síria é essencial para a paz

Motivo de polêmica no Enem, Simone de Beauvoir foi fundamental para o feminismo

Analista em Berlim diz que só "base recosturada" pode afastar impeachment de Dilma