rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Israel Palestinos Violências

Publicado em • Modificado em

Em espiral de violência, palestinos continuam morrendo ao tentar esfaquear israelenses

media
Foto mostra israelense com revólver na mão depois de matar palestino em Hebron neste sábado, 17 de outubro de 2015. Reuters

Três palestinos - dois homens e uma mulher - foram mortos neste sábado (17)  tentando esfaquear israelenses em Jerusalém Oriental e Hebron, na Cisjordânia ocupada. A região está sendo palco de uma espiral de violência sem fim desde o começo do mês de outubro.

 


Neste sábado, novos ataques levantaram novamente o temor de uma nova intifada nos territórios palestinos ocupados.

A primeira agressão foi na Cisjordânia, perto do assentamento judaico do centro de Hebron, onde 500 colonos israelenses vivem sob a proteção do exército. Um palestino de 18 anos tentou esfaquear um colono israelense, que abriu fogo contra o agressor, como mostra a foto acima.  A morte provocou confrontos entre soldados israelenses e palestinos na cidade de Hebron, cenário de grande tensão nas últimas semanas.

Logo depois, em Jerusalém Orienteal, um outro palestino de 16 anos  foi morto depois de tentar esfaquear um soldado israelense. Na antiga cidade de Hebron uma jovem palestina também perdeu a vida ao atacar da mesma forma uma mulher soldado de Israel.

Violência sem trégua

Desde 1º de outubro, quando um casal de colonos israelenses foi assassinado, começou uma espiral de violência na Cisjordânia e Jerusalém Oriental que parece longe do fim.

Quarenta palestinos já morreram, a maioria tentando esfaquear israelenses, e centenas foram feridos.  Do lado israelense, sete morreram e dezenas ficaram feridos. A Faixa de Gaza também não escapou dos confrontos.

Comunidade internacional

A comunidade internacional tem feito diversos apelos de paz a Israel e à Autoridade Palestina. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que está "muito preocupado" e condenou "qualquer violência contra inocentes".

"A longo prazo, o único meio pelo qual Israel pode verdadeiramente garantir sua segurança e o único meio pelo qual os palestinos podem realizar as aspirações de seu povo é trabalhar lado a lado a ideia de dois Estados convivendo juntos em paz e segurança", reiterou Obama.