rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Fato em Foco
rss itunes

"Não há espaço para a generosidade na Europa", diz Mujica em Paris

Por Daniella Franco

"Não há espaço para a generosidade da Europa": essa foi uma das várias declarações impactantes do ex-presidente José Mujica nesta terça-feira (27), durante a terceira Conferência "Europa - América Latina", realizada na Sciences Po de Paris. Com o tema  "Os Novos Desafios das Relações Inter-regionais", o evento contou com mesas redondas e a participação de representantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), do Centro de Pesquisas Internacionais (Ceri), do Observatório Político da América Latina e do Caribe (Opalc) e de pesquisadores e professores da Sciences Po.

O grande destaque do evento foi a conferência magistral, ministrada pelo ex-presidente uruguaio, José Mujica. Diante de um auditório lotado, ele criticou os dirigentes europeus, que classificou de imperialistas e desdenhosos diante as desigualdades no mundo. Para Mujica, "não há espaço para a generosidade na Europa". Por isso, segundo ele, as relações com América Latina não evoluem. "Minha visão não é muito otimista, me desculpem. Mas não posso deixar de dizer o que penso", reiterou.

O ex-presidente uruguaio fez um apelo para que os líderes europeus abram "uma porta negociadora" com a América Latina e ressaltou as falhas da Europa com os países latino-americanos nos últimos anos. "Não creio que para a humanidade existe maior política do que a solidariedade", disse diante de uma plateia que o aplaudiu de pé durante mais de um minuto.

Mujica também criticou integração entre os países latino-americanos : "O sonho de integração é velho na América Latina, tão difícil quanto a independência", declarou. "Ao redor de cada porto importante da América Latina nasceu uma cidade ou mesmo um país. As capitais são portos: por quê? Porque nossa independência política coincidiu com o nascimento do mercado mundial. E desde o começo, nos viramos para um mundo comercial, mas não entre nós. Prova disso é que mais ou menos 20% de nosso comércio é feito entre nós e 80% com o resto do mundo", reiterou.

Políticas progressistas

Para o professor de Ciência Política da Sciences Po e co-organizador do evento, Olivier Dabène, a escolha de Mujica para abrir a conferência não representa necessariamente um posicionamento político da entidade, mas uma necessidade de discussão de políticas alternativas e progressistas.

"A Sciences Po tem recebido vários presidentes de esquerda, como Evo Morales, Michelle Bachelet, Rafael Correa. Pepe Mujica é uma grande figura política no mundo inteiro, não apenas na América Latina. É um grande honra tê-lo aqui, não só como uma figura importante da esquerda, mas como um líder que tem uma forma diferente de fazer política."

Falta de cooperação entre Europa e América Latina

Os palestrantes latino-americanos e europeus foram unânimes em ressaltar a falta de cooperação entre as duas regiões nos últimos anos. Para o ex-primeiro-ministro italiano e membro da Escola de Relações Internacionais da Sciences Po, Enrico Letta, um aspecto pode facilitar as relações entre as duas zonas: a saída da Europa da crise econômica. Já a crise da imigração pode ser um novo empecilho. "Depois de oito anos, a Europa está saindo da fase mais dura da crise do euro. O que é uma boa notícia para a retomada das relações com a América Latina. Por outro lado, entramos em outra crise: a da imigração e dos refugiados. Então, os políticos europeus vão concentrar muita energia nessa questão nos próximos anos."

Para Letta, no entanto, é preciso que os acadêmicos também se envolvam para a retomada das relações entre as duas regiões. "Eu sei que quando falamos de política, nossa tendência é criticar, dizer que as coisas não vão bem e o que os outros devem fazer. Mas é preciso pensar também no que nós podemos fazer. Já que estamos aqui, em um ambiente universitário, nós também podemos fazer nossa parte para que as coisas melhorem entre a Europa e a América Latina", salientou.

Cúpulas vem aproximando latinos e europeus

A realização de cúpulas entre os dois continentes têm sido fundamental para essa aproximação, ressalta a secretária-geral iberoamericana, Rebeca Grynspan. A última delas foi realizada em junho em Bruxelas.

"A América Latina tem muito a oferecer e é muito competente no campo da educação, da ciência, da tecnologia: esses são seus diferenciais hoje. E, como discutimos durante as cúpulas, isso nos une à Europa e torna nossa parceria essencial. Aumentamos mais de 5% nosso PIB nos últimos anos, o que gerou uma inversão social inédita. Com esse fenômeno, nos tornamos uma América Latina mais poderosa e que exige uma relação maior, mais horizontal e distinta", defendeu Grynspan.

Para brasileiros em Paris, violência urbana no Brasil ainda é pior que terrorismo

Pesquisa aponta que franceses aceitariam menos liberdade em troca de segurança

Nova regra francesa de doação de sangue impõe abstinência sexual para doadores gays

Campanha contra bullying prejudica imagem do professor, dizem sindicatos da França

Presença do Irã em negociações sobre a Síria é essencial para a paz

Motivo de polêmica no Enem, Simone de Beauvoir foi fundamental para o feminismo

Analista em Berlim diz que só "base recosturada" pode afastar impeachment de Dilma

Crise pode significar oportunidades para investidores estrangeiros no Brasil