rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Reportagem
rss itunes

Governo de esquerda tentaria aliviar austeridade em Portugal

Por Lúcia Müzell

Portugal vive um impasse político desde que o premiê conservador Pedro Passos Coelho foi derrubado pelos votos da oposição de esquerda, na terça-feira (10). Agora, a decisão está nas mãos do presidente Cavaco Silva, entre nomear o líder do Partido Socialista, António Costa, para a chefia de Governo, ou designar uma equipe de transição até a realização de novas eleições, no mínimo em fevereiro de 2016.

A primeira alternativa é vista como a mais provável, para não instalar uma paralisia no executivo. Com poderes limitados, um governo de gestão poderia travar a lenta retomada econômica do país, um dos que mais sofreu com a crise de 2008.

Os partidos de esquerda radical já anunciaram que apoiariam um eventual governo socialista, uma situação inédita em 40 anos de democracia portuguesa. O cientista político Pedro Fonseca, da Universidade de Lisboa, afirma que, embora os diferentes partidos de esquerda tenham em comum a rejeição da austeridade, há divergências profundas sobre a maneira como esse objetivo deve se concretizar.  António Costa prometeu cumprir os compromissos assumidos com a União Europeia, em troca do resgate financeiro que o país recebeu até maio do ano passado.

“Na visão do Partido Comunista e do Bloco de Esquerda, é melhor ter o Partido Socialista no governo, mesmo que não consigam todos os objetivos que propunham durante a campanha eleitoral. O entendimento foi de que é melhor os socialistas do que uma coligação de direita”, explica. “Mas não há ilusões de que não será altamente desafiante para o Partido Socialista conseguir lidar, por um lado, com os objetivos internacionais de Portugal, de déficit e tratado orçamentário, e por outro com as exigências que vão surgir dos partidos mais à esquerda.” 

Maioria dos eleitores indica rejeição à austeridade

O premiê Passos Coelho, que desde 2011 implanta medidas de rigor no país, teve o programa de governo rejeitado pela maioria do Parlamento. A derrota o levou à demissão, apenas 11 dias depois de tomar posse.

Embora a direita tenha vencido as últimas eleições legislativas, Fonseca destaca que quase 70% dos votos foram para os candidatos que propunham medidas antiausteridade. Segundo o especialista, a legitimidade de um governo de esquerda não estaria em jogo.

“Constitucionalmente e formalmente, não há problema de legitimidade. O que a direita evoca é que essa não é a tradição, não é regra habitual da democracia portuguesa e nunca tinha acontecido, mesmo que em situações de governo minoritário”, ressalta o cientista político. 

O economista Ricardo Cabral, professor da Universidade da Madeira, observa que a população portuguesa está tomada pela apatia, e um governo com um viés mais social poderia iniciar uma reação. Ele lembra que, apesar de todo o aperto fiscal dos últimos anos, o déficit diminuiu “muito pouco”.

“O que os socialistas querem fazer, me parece, é alterar um pouco as medidas que estavam programadas: aumentar a renda de quem tem menos e os impostos sobre as maiores rendas, na esperança de que não haverá um grande impacto no déficit. Com essas medidas, a esperança é gerar um impacto significativo grande na atividade econômica, permitindo a redução do déficit em relação ao PIB”, analisa. 

Portugal pode querer renegociar a dívida

A principal bandeira da esquerda radical, a renegociação da dívida portuguesa junto com os credores, não faz parte do programa de governo socialista, embora o tema não seja um tabu no partido. Cabral avalia que a questão seria colocada, cedo ou tarde.

A Grécia, outro país que recebeu ajuda financeira europeia, tem insistido nesse ponto, desde que o primeiro-ministro de esquerda Alexis Tsipras assumiu o poder. Mas na opinião do professor, a situação dos dois países não é comparável.

“Não há aqui nenhuma posição dura de confronto. António Costa disse que vai cumprir as regras europeias e o tratado orçamentário e que a princípio não vai reestruturar a dívida – o que, na minha perspectiva, é ruim”, diz o economista. “A estratégia contrasta com a de Alexis Tsipras, que procurava afirmar que iria mudar tudo. O único problema nessa estratégia é que é muito difícil de se fazer diferente, no quadro institucional europeu, com as regras atuais.”

A Constituição portuguesa não impõe prazos para a decisão do presidente Cavaco Silva sobre o futuro do país. Por enquanto, ele tem feito consultas a lideranças partidárias, e não esconde as reticências em nomear um governo apoiado pelos partidos abertamente contrários à austeridade.

Igreja Católica quer reforçar seu papel com indígenas ameaçados de morte por madeireiros

Religiosos da Amazônia defendem introdução das tradições indígenas em rituais católicos

Padres da Amazônia defendem ordenação de homens casados para fortalecer Igreja Católica

Católicas da Amazônia esperam do Vaticano maior valorização para mulheres dentro da Igreja

Situação dos EUA gera avanços na COP 22, diz brasileira do Greenpeace

Franceses e brasileiros começam o ano em Paris sonhando com paz e trabalho

Retrospectiva: 2015 foi marcado pelo terrorismo e pela crise migratória

Manifestantes contra a COP 21 criticam proibição de realizar protestos

“Espero que o Brasil reveja sua posição sobre a Venezuela”, diz Mauricio Macri

França dará "resposta forte" aos atentados de Paris, afirma especialista

Relação entre armas legais e criminalidade não é consenso entre pesquisadores

Sucesso da COP21 depende de China aceitar revisão de metas de emissões