rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Reportagem
rss itunes

“Espero que o Brasil reveja sua posição sobre a Venezuela”, diz Mauricio Macri

Por RFI

O primeiro atrito na relação entre Brasil e Argentina, a partir da vitória de Mauricio Macri, não será comercial. Será diplomático, mais especificamente, sobre a Venezuela. Dois dias depois de ter sido eleito, em declarações à TV argentina, o novo presidente disse esperar que o governo brasileiro reveja a sua posição de não suspender a Venezuela do Mercosul.

Márcio Resende, correspondente da RFI Brasil em Buenos Aires.

Macri quer aplicar a "cláusula democrática" do Mercosul que permite suspender o país membro onde a democracia não é plena. Durante a campanha, ele repetiu que procuraria aplicar a cláusula porque o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, não respeita os diretos humanos, mantém presos políticos e ainda tem a participação de militares no governo.

O novo presidente argentino confirmou que vai levar o assunto à próxima Cúpula do Mercosul em Assunção no Paraguai, no dia 21 de dezembro, e espera que a presidente Dilma Rousseff reveja a sua postura de não aplicar a cláusula.

"Vou expor o assunto na próxima Cúpula do Mercosul, em Assunção, dentro de poucas semanas", confirmou Macri. "Espero que o Brasil reveja a sua posição porque as primeiras declarações que chegam do Brasil dizem que não há condições, quando, para mim, é mais do que evidente que, na Venezuela, não se respeita a liberdade de expressão, não se respeitam os opositores e há presos políticos injustificadamente há muitos meses", diferenciou-se. "O compromisso com os direitos humanos deve estar em todas as práticas na América latina", concluiu.

O governo brasileiro deu sinais de não querer nenhuma punição à Venezuela. Para o Brasil, na Venezuela há eleições democráticas e a permanência do país no Mercosul é um valioso mercado para bens e serviços brasileiros, além de um importante produtor de petróleo.

Já para o presidente eleito, Mauricio Macri, o silêncio do Mercosul sobre as violações aos Direitos Humanos na Venezuela beira a cumplicidade. Como as decisões dentro do bloco funcionam por unanimidade, basta o Brasil manter a sua posição para nada mudar.

Dilma no telefone

Na conversa telefônica que Dilma Rousseff e Mauricio Macri mantiveram na segunda-feira (23), a presidente brasileira convidou o colega argentino a Brasília antes da cerimônia de posse, no próximo dia 10 de dezembro. Ambos os presidentes tentam coordenar agora essa possível viagem antes da posse.
Mesmo que não seja antes, o Brasil será o primeiro destino internacional de Macri, e o assunto de suspensão da Venezuela estará sobre a mesa. Dilma Rousseff também estará na posse de Mauricio Macri dentro de duas semanas.

A questão sobre a Venezuela é considerada sensível pelo governo brasileiro, que tinha a esperança de ver Mauricio Macri amenizar o seu discurso de campanha depois de eleito. Mas Macri está decidido a pressionar a Venezuela através do Mercosul e pode ainda recorrer à Convenção Americana sobre Direitos Humanos do Pacto de São José da Costa Rica, assinado por todos os integrantes do Mercosul, inclusive a Venezuela.

Esse Pacto é ainda mais amplo no que se refere ao respeito aos Direitos Humanos. Não basta apenas ser eleito democraticamente. É preciso garantir uma série de direitos como a liberdade pessoal, a liberdade de pensamento e de expressão ou direitos políticos.

Igreja Católica quer reforçar seu papel com indígenas ameaçados de morte por madeireiros

Religiosos da Amazônia defendem introdução das tradições indígenas em rituais católicos

Padres da Amazônia defendem ordenação de homens casados para fortalecer Igreja Católica

Católicas da Amazônia esperam do Vaticano maior valorização para mulheres dentro da Igreja

Situação dos EUA gera avanços na COP 22, diz brasileira do Greenpeace

Franceses e brasileiros começam o ano em Paris sonhando com paz e trabalho

Retrospectiva: 2015 foi marcado pelo terrorismo e pela crise migratória

Manifestantes contra a COP 21 criticam proibição de realizar protestos

França dará "resposta forte" aos atentados de Paris, afirma especialista

Relação entre armas legais e criminalidade não é consenso entre pesquisadores

Sucesso da COP21 depende de China aceitar revisão de metas de emissões