rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Boris Johnson anuncia um "excelente novo acordo" com a UE
Saúde
rss itunes

Mutação do vírus zika no Brasil pode explicar casos de microcefalia em bebês

Por Gabriel Brust

A hipótese de que o vírus zika esteja na origem dos casos de microcefalia em recém-nascidos no nordeste do Brasil já é considerada “a mais forte” pelo Ministério da Saúde. Segundo pesquisadores, é possível que o vírus tenha sofrido mutações no país, onde desembarcou em 2014. Isso explicaria por que outros locais que sofreram com epidemias de zika no passado, como a Polinésia Francesa, não registraram casos de microcefalia.

Espécie de "primo" da dengue, o zika causa sintomas parecidos e também é transmitido por um mosquito. Médicos e pesquisadores brasileiros estão reunidos deste terça-feira (24), em Brasília, para discutir como lidar com a possível relação entre o vírus e a microcefalia.

Em apenas três meses, já foram registrados 400 casos de crianças nascidas com esta malformação do crânio, que pode levar a sequelas definitivas. O diretor de Vigilância de Doenças Transmissíveis do minitério, Cláudio Maierovitch, diz que, no caso de Pernambuco, já é possível classificar a situação como epidemia.

Um ano antes do zika chegar ao Brasil, a Polinésia Francesa, no Oceano Pacífico, enfrentou uma epidemia do vírus, mas não foram registrados casos de microcefalia. A pesquisadora Claudia Nunes Duarte dos Santos, da Fundação Oswaldo Cruz no Paraná, que trabalha em conjunto com o Instituto Pasteur de Paris, diz que há duas hipóteses para explicar a diferença entre os casos brasileiro e francês.

É possível que, na Polinésia, por ter sido um surto de menor proporção, os pesquisadores não tenham relacionado o zika à microcefalia. “Pedi para colegas franceses fazerem um estudo retrospectivo com as amostras para ver se houve um aumento de casos que eles não tenham se dado conta”, afirma a pesquisadora, que, no primeiro semestre, liderou a equipe que identificou o vírus no Brasil.

A outra hipótese é que o vírus tenha adquirido mutações ao longo das passagens pelos mosquitos e corpos humanos no Brasil, e tenha então se “tornado mais virulento”. “Mas não sabemos. Isso é uma hipótese que teremos que confirmar no laboratório”, alerta Claudia dos Santos.

Análise da placenta

Para o médico Érico Arruda, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, o zika vírus “muito provavelmente” está relacionado à microcefalia. Ele acredita que a grande quantidade de casos e a estrutura de saúde podem explicar por que a microcefalia foi detectada no Brasil e não em outros países que sofreram com o zika.

“O nosso sistema de saúde não é de alta qualidade, mas é capilarizado, tem programa de atenção à mulher grávida e pré-natal razoavelmente bem estabelecido”, pondera Arruda. “De alguma maneira, conseguimos perceber, devido à grande quantidade de pessoas que desenvolveram a doença”. A outra possibilidade, segundo o médico, seriam as particularidades e o contexto de desenvolvimento do vírus no Brasil, além de “aspectos étnicos e regionais”.

A relação entre os casos de microcefalia e o zika começou a ser estabelecida quando mães de recém-nascidos com a malformação relataram ter tido sintomas do vírus nos três primeiros meses de gestação. A hipótese ganhou força recentemente, quando a Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro analisou amostras de placentas dessas gestantes e identificou o vírus no líquido amniótico de duas delas.

Câncer de mama: prevenção personalizada evita stress e permite detecção precoce

Estudo identifica mudança no cérebro que torna jovens mais propensos ao alcoolismo

Cientistas franceses desenvolvem novo antibiótico contra bactérias resistentes

França: associação alerta para risco de produtos de limpeza para saúde

Cientistas alemães e britânicos criam tatuagem que monitora taxas no sangue

Depois do burn-out: conheça o ikigai, método japonês que ajuda a mudar de carreira

A volta da malária? Metade da população do Burundi foi contaminada e doença assusta Venezuela

Casal francês cria aplicativo para diabéticos e é premiado na maior feira tecnológica do mundo

Paris oferece teste de HIV gratuito em laboratórios privados, inclusive para estrangeiros

Câncer do pulmão atinge cada vez mais mulheres e a culpa é do cigarro

Pesquisador francês cria teste que prevê recaídas e sobrevida de pacientes com câncer do cólon

Uso prolongado de lâmpadas LED pode danificar retina, aponta relatório

Procura por gastroplastia sem corte cresce na França com aumento da obesidade